“Diário de Inverno” | Paul Auster

“Diário de Inverno” | Paul Auster

Festim Austerniano

Diz-se que a velhice é como uma segunda infância. Uma altura em que deixamos de jogar à defesa e esquecemos convenções sociais, deixando o politicamente correcto desarrumado no fundo de uma gaveta e agindo como se não houvesse amanhã – ou como se o fim estivesse tão próximo que não valesse a pena perder tempo com a construção de máscaras ou em diálogos sobre o estado do tempo em elevadores.

Chegado aos 64 anos, Paul Auster edita um livro de memórias que é um abrir da porta a um Inverno rigoroso – e ao mesmo tempo acolhedor – que chegou para não mais partir.

Ao longo da sua profícua carreira, Paul Auster usou experiências pessoais e familiares para dar corpo aos seus romances, parecendo muitas vezes ser ele o herói da história personificado em muitas das personagens. Em “Diário de Inverno”, o escritor norte-americano apresenta uma biografia ao estilo de um romance, uma invenção que é contada na terceira pessoa como se fosse a voz sussurrada da consciência.

As confidências são muitas e Auster obriga-se a um grau de exposição elevadíssimo. Para lá de ficarmos a conhecer as 21 casas onde viveu ao longo da sua existência, desde os tempos de Paris aos actuais tempos Brooklynianos, Auster fala-nos de coisas tão íntimas como a relação com os seus pais (e outros membros da família), das suas amantes, do desfrutar da prostituição, dos problemas de saúde, das vezes que escapou por um triz a uma ida prematura para o purgatório.

“Cada vida é marcada por várias unhas negras, qualquer pessoa que consegue chegar à idade que tu tens agora, já escapou por pouco a várias mortes absurdas e sem sentido”. Paul Auster chegou ao Inverno da sua vida, deixando a porta da sua alma escancarada para quem quiser espreitar o que vai lá dentro. Para os amantes da prosa de Auster, estas páginas são um verdadeiro festim.

Uma edição Asa



There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This