Bar Alto

BarAlto

Uma tasca muito moderna

Nas últimas três décadas o Bairro Alto tornou-se o local mais frequentado da noite lisboeta, fazendo parte de todos os guias turísticos da capital. As suas ruas estreitas e empedradas estão recheadas de estabelecimentos comerciais, desde lojas de roupa a salões de tatuagens e cabeleireiros, passando pelo bares, casas de fado e restaurantes. Os diferentes estilos das pessoas que frequentam o Bairro é espelhado pela enorme diversidade do comércio, que se tem adaptado às novas tendências. No que diz respeito à restauração, se por um lado é fácil encontrar um local para jantar em pleno Bairro Alto, não é tarefa fácil encontrar um local que nos surpreenda mantendo a tradição da tasca portuguesa. O BarAlto consegue.

BarAlto

Aproveitando um espaço que já existe há 50 anos, na Rua Diário de Notícias nº31, os “novos” proprietários do BarAlto, Luís Lobo Alves e Alcino Nunes, materializaram um “sonho e conceito” que já existia nas suas mentes há bastante tempo. A oportunidade surgiu quando a antiga responsável pelo restaurante decidiu apostar no Brasil. “Somos amigos dela e quando ela nos disse que queria abrir mão deste espaço, sentimos que era a oportunidade de concretizar um sonho”, disse-nos Alcino Nunes.

Pequeno e acolhedor

O BarAlto é pequeno mas confortável. Atrás do balcão é a cozinha, e as prateleiras são a dispensa. Não existe uma arrecadação, obrigando uma ida diária às compras, o que também garante a frescura dos ingredientes.O carácter acolhedor do espaço reflecte-se também no serviço, a cargo dos proprietários, que deixa qualquer cliente à-vontade e satisfeito. As doses são divididas, permitindo assim saborear mais que um prato sem com isso comprometer a factura final.

A aposta nos produtos regionais está patente em todo o menu e também no vinho. Como as dimensões do espaço não permitem armazenamento, apostaram num vinho que descobriram no Douro e que adquirem directamente ao produtor – Vinha do Bispado. Embora a não existência de uma carta de vinhos possa ser um ponto negativo para alguns clientes, a verdade é que este vinho não compromete em nada toda a experiência e é seguramente a aposta mais correcta tendo em conta o target do restaurante.

Tradição contemporânea

Mais do que um jantar, o BarAlto oferece uma experiência em torno de sabores. Como entradas pudemos experimentar um folhado de enchidos sobre um carpaccio de ananás (uma combinação bastante interessante e bem conseguida) e uma bruschetta de bacalhau com um redução de vinagre balsâmico, ambas apresentadas sobre uma pedra de xisto, acentuando o aspecto rústico do espaço.

BarAlto - folhado de enchidos sobre um carpaccio de ananás

Não possuindo uma carta extensa, as apostas necessitam de ser certeiras e é exactamente isso que acontece no BarAlto. Terá sido a primeira vez que comi um risotto de manga, que surgiu acompanhado com camarões grelhados. Este será provavelmente o prato que foge um pouco às tradições da cozinha portuguesa (mas que dá um toque de contemporaneidade ao menu) e o mais “arriscado”, tendo em consideração o intenso sabor da manga. Cozinhado na perfeição foi uma agradável surpresa, mas não deixa de ser potencialmente enjoativo para os mais intolerantes a este fruto.

BarAlto - Risotto de Manga com Camarão

Estando situado numa zona central no Bairro Alto, o restaurante encheu durante a nossa refeição, principalmente com turistas. Convém dizer que o nosso jantar arrancou às 20:00, um horário muito pouco habitual para a clientela portuguesa que janta no Bairro Alto. Pelo que nos disseram, existem “duas vagas” de clientes: primeiro, os estrangeiros entre as 20:00 e as 22:00, e depois os portugueses a partir das 22:00. Para além das mesas no interior existem algumas (poucas) mesas na rua, uma opção válida quando o tempo permite e se não se sentirem incomodados com o barulho e constante passagem de pessoas.

O ponto alto da refeição chegou em forma de bochecha. Porco Preto com puré de beringela sob uma cama de grelos com mandioca frita. Simplesmente divinal, principalmente o puré.

BarAlto - Bochechas de porco Preto com puré de beringela

Para a sobremesa prepararam-nos um “mimo” e tivemos oportunidade de experimentar as três “delicias” disponíveis no menu: Bolo de Chocolate, Mousse de Lima & Frutos Frescos e um crepe de arroz doce. Nada a dizer do Bolo de Chocolate, impecável. O crepe de Arroz Doce é sem dúvida original, utilizando uma das sobremesas mais tradicionais da cozinha portuguesa como recheio de um crepe. A Mousse de Lima & Frutos Frescos, pela sua simplicidade, foi a rainha do trio.

BarAlto - Sobremesas

BarAlto - Sobremesas

O restaurante BarAlto preserva a tradição da tasca portuguesa de uma forma muito peculiar em diversos pormenores e detalhes. Em todos os pratos existe um twist inesperado, o que torna ainda mais interessante um jantar, que mais do que uma refeição é uma verdadeira experiência, e a garantia de um serão bem passado junto de pessoas honestas e simpáticas. O preço médio deverá rondar os 20/25 euros.

Fotografia de Patrícia Canavezes



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This