Bastardo – Novo restaurante no Internacional Design Hotel

Bastardo

Novo restaurante no Internacional Design Hotel

Calma, não o vamos ofender. Muito pelo contrário. Se não conhece aquele que promete ser o restaurante mais cool do momento, apresse-se porque esta é uma novidade na restauração lisboeta que vai dar muito que falar. Chama-se Bastardo, assume-se como o “filho ilegítimo da cozinha portuguesa”, e nasce de um casamento feliz entre o tradicional e o moderno, primando pela irreverência e descontração sem perder de vista a qualidade e o bom serviço.

Situado numa das zonas mais emblemáticas da cidade, o Bastardo, que abriu portas há pouco mais de duas semanas, já sabe bem como seduzir e envolver os clientes na sua atmosfera boémia e despretensiosa, onde o indie que se ouve encaixa perfeitamente no cenário. É no primeiro andar do Internacional Design Hotel, em plena Praça de D. Pedro IV, vulgo Rossio, que este restaurante espalha o seu charme, iluminado pela belíssima luz característica da capital.

Sob a projecção decorativa de Mónica Penaguião, este espaço irradia criatividade e boa onda, quer pelos quadros que fazem soltar algumas gargalhadas e disparar muitos flashes (com frases emblemáticas de filmes sobre pinturas renascentistas, quer pelas cadeiras todas diferentes e candeeiros suspensos que mesclam o que nem sempre é fácil juntar de forma harmoniosa: o contemporâneo com o vintage.

Bastardo - Novo restaurante no Internacional Design Hotel

Em entrevista, Sara Freire, directora deste boutique hotel, explica-nos qual é a estrutura do recém-inaugurado Bastardo que, fazendo um paralelismo com uma peça de teatro (influência da proximidade com o Teatro Nacional D.Maria II), assenta em quatro actos. O primeiro – o restaurante -, que oferece refeições, o segundo – o salão de chá -, que disponibiliza lanches durante a tarde, o terceiro – o bar -, que permite prolongar a conversa depois do jantar e, por fim, o quarto – a horta -, um pequeno jardim artificial onde são cultivadas algumas das ervas aromáticas utilizadas na cozinha.

Bastardo - Novo restaurante no Internacional Design Hotel

Sara confessa que a equipa já tinha pensado em várias propostas para elevar à categoria de restaurante o espaço onde funcionava exclusivamente o bar e sala de pequenos-almoços, porém, ainda não tinham conseguido chegar ao resultado que procuravam. «Queríamos mesmo alguma coisa diferente, então começámos a pensar fazer algo relacionado com a cozinha portuguesa (que agora também é uma tendência), misturar ingredientes mais populares com outros mais nobres, ir fazendo experiências e criar uma ementa entre o antigo e o moderno». É precisamente dessa combinação de matérias-primas (que tipicamente não fazem sentido juntas) que surge o nome Bastardo, o tal “filho ilegítimo da cozinha portuguesa” que tem «um pai português e uma mãe que andou pelo mundo», esclarece Sara. «Pensámos trazer influências dos descobrimentos e dos países onde Portugal esteve, como as especiarias da Índia, as frutas do Brasil, e alguns temperos do Japão e da China, como o molho agridoce ou o molho de soja».

Bastardo - Novo restaurante no Internacional Design Hotel

Esta navegação pelo conceito do Bastardo abriu-nos o apetite. Depois de nos entretermos com o couvert (3€) acomodado em paredes de Lego (composto por uma selecção de pães – fogazza, figote e rústico – para mergulhar em azeite biológico de Trás-os-Montes) e com um refrescante cocktail elaborado com Porto branco, água tónica, uva e gengibre (Urban, 6€), chegaram-nos à mesa as entradas ou, como indica a própria carta, os pratos de “partida”. O Boião (pato de escabeche, cebola roxa, zimbro e tomilho, 8€), o Pica-peixe (peixinhos da horta, pastéis de bacalhau, ovo de codorniz e um shot de bloody mary, 7€) e o Trio Admira (bacalhau, foie gras e batata rosti, 10€) desvendaram logo à primeira vista o que o Bastardo pode oferecer: apresentação cuidada, sabor intenso e misturas improváveis que resultam divinamente. Exemplo disso é o trio que é capaz de admirar até os mais cépticos sobre a combinação do bacalhau com o foie gras.

Bastardo - Novo restaurante no Internacional Design Hotel

Bastardo - Entrada Pica Peixe

Bastardo - Trio Admira

Apesar de a carta ter uma oferta reduzida no que diz respeito aos pratos principais, garantimos que vai ficar indeciso sobre o que escolher. Na dúvida entre um Mafioso (polvo, óleo de dendem, ervilha seca e funcho, 13€), uma Aposta (bacalhau, torricado, tomate e ovo, 12€) ou um Pitéu (raia, lula, alhada de batata e molho pitáu, 17€), optámos por um Porco à colher (entrecostelas, cheróvia, vindalho e tamarilho, 10€) cujo nome faz jus à forma tenra como a carne é apresentada. A cremosidade do puré de cheróvia em contraposição com o toque crocante das lascas de tamarilho conferem uma personalidade muito aromática a este prato.

Bastardo - Porco à colher

Seguimos esta viagem degustativa com o Malandrinho (risotto de abóbora, goji, azeite de trufa e queijo de São Miguel, 8€) que se evidenciou pelo contraste de sabores que variam a cada garfada. Ainda no momento da “largada”, provámos a Bastardinha (15€), que pela descrição enigmática (“Não sejas Francesa, tu és Portuguesa”) despertou muita curiosidade. Aqui, a palavra de ordem é desconstrução e, o que seria uma banal francesinha, converte-se numa elegante pirâmide composta por uma base de pão, panado de frango, ananás, bife do beijinho (septo da pá do novilho), queijo, rúcula, ovo de codorniz estrelado, tomate cherry e uns pedaços de cebola frita envolvida em farinha de amido e caril tostada no forno. Para rematar, um molho especial. O nosso paladar agradeceu.

Bastardo - Bastardinha

A acompanhar este manjar dos deuses, optámos por um copo de Piteira e outro de Mau Feitio, ambos tintos, alentejanos, e de 2009, mas com aromas totalmente diferentes. O Piteira destaca-se pelo estágio em barro, o que confere uma cor e aroma singulares. O Mau Feitio distingue-se pelo sabor frutado, intenso e rico. No entanto, estas são apenas algumas das sugestões que o enólogo Virgílio Loureiro seleccionou para o Bastardo, existindo alternativas de vinhos brancos, tintos e rosados de norte a sul do país com preços que oscilam entre 3 a 8€ (a copo) e 9 a 75€ (garrafa).

Para finalizar, Sara aconselhou-nos a não fugirmos sem experimentar algumas sobremesas. As eleitas foram a Como o macaco gosta de banana (Banana, amendoim e caramelo, 7€), Blimunda e Baltazar (Chocolate, avelã, framboesa e caramelo, 8€) e o Arroz Doce (4€) que, como garantem na ementa, seria como o da minha avó (e, de facto, a cremosidade e a cozedura do arroz no ponto certo fazem deste ícone da doçaria portuguesa uma sobremesa familiar).

Bastardo - Como o macaco gosta de banana

Uma sobremesa de banana, amendoim e caramelo tem tudo para dar certo, mas nada como comprovar. Dois pequenos bolinhos de banana e amendoim, acompanhados por porções de banana, nas quais repousam deliciosas lascas crocantes de caramelo, foram o suficiente para nos exaltar todos os sentidos. Mas a mousse fresca de banana polvilhada de amendoim granulado completaram na perfeição esta pequena delícia.

Blimunda e Baltazar, uma referência às personagens de José Saramago na obra Memorial do Convento, é, sem sombra de dúvidas, uma explosão magistral de sabores, texturas e até de temperaturas. A cada colherada fomos descobrindo várias surpresas, como a mousse gelada de chocolate ou os bolinhos, que com uma descrição tão simples não seria fácil de prever. À falta de palavras que dignifiquem este final de refeição, resta-nos dizer que é o verdadeiro prazer num prato.

Bastardo - Blimunda e Baltazar

Tudo isto foi possível graças à mestria com que o chef Luís Rodrigues, indicado pelo famoso chef Aimé Barroyer, chegou à concretização destas iguarias. A responsável pelo hotel conta-nos que Luís Rodrigues, que passou por espaços de referência como o Pestana Palace ou a Bica no Sapato, possui «o essencial para este projecto, uma vez que tem a base da cozinha tradicional e a técnica e noção da alta cozinha», sendo, por isso «a pessoa perfeita» para liderar a cozinha.

Para quem procura almoços rápidos mas saborosos, o Bastardo terá já a partir de dia 22 deste mês os “Tachos do Dia”, menus de segunda a sexta que funcionam com pratos fixos em cada dia da semana. Por 15€, com couvert, sopa, prato principal, sobremesa (à base de fruta), vinho e água pode experimentar uma sugestão tipicamente cozinhada em panela, bem ao jeito português.

É assim que este Bastardo, que esteve a marinar desde o início do ano para nascer em grande no primeiro dia de Setembro, se destaca de outros restaurantes da cidade, um espaço confortável que desmistifica a ideia de que comer num restaurante de hotel é estupidamente caro e demasiado formal. Quando subir para este palanque em pleno coração de Lisboa, conte com um staff muito atencioso e simpático, um ambiente descomplexado e comida absolutamente deliciosa.

 

Horário de funcionamento:

Aberto todos os dias

Pequeno-almoço das 7h às 11h (para os hóspedes e público em geral); almoço das 12:30h às 15:30h; lanche das 15:30h às 19:30h e jantar das 19:30h às 24:00h.

Internacional Design Hotel – Rua da Betesga, nº 3, 1º andar, Lisboa

 

Fotografia de Ricardo Freire Mateus

 



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This