“Biliões e biliões” | Carl Sagan

“Biliões e biliões” | Carl Sagan

O último alerta

«De facto, estar à beira da morte é uma experiência tão positiva, tão importante para a formação do carácter que a recomendaria a toda a gente…»

Para quem é do tempo em que a TV Portuguesa se resumia a dois canais, o nome Carl Sagan soa de forma familiar. Rebuscando em memórias a preto-e-branco, talvez se lembrem da série “Cosmos”, uma espécie de “TV Rural” cientifica em que Sagan fazia o papel de “Engº Sousa Veloso” falando e explicando (bem) como havia nascido a vida no nosso planeta, entre outras coisas (a memória também já não dá para tanto).

Carl S. faleceu em 1996, «no limiar do milénio», como se lê no sub-titulo de “Biliões e biliões – pensamentos sobre a vida e a morte no limiar do milénio” (Gradiva, 2013 – 3ª edição). Foi muito mais que um mero apresentador televisivo, antes um cientista reputado que, entre outras coisas, teve papel preponderante em missões da NASA , recebendo um Pulitzer.

Utilizou a fama granjeada nas suas aparições televisivas para, por diversas vezes, expor as suas preocupações acerca do presente/futuro do nosso planeta, da forma como o ambiente é (mal) tratado e o impacto brutal e decisivo do ser humano em tudo isto (Al Gore, nunca estiveste só!).

Neste livro, escrito enquanto era tratado à doença que acabou por o vitimar, Sagan relembra mais uma vez, para todos os “alunos” mal comportados e desatentos, que o perigo está aí, à espreita. Abordando temas diversos, utiliza um fio-condutor comum para deixar uma última mensagem, um ultimo alerta.

E se é verdade que este livro terá feito mais sentido na altura do deu 1º lançamento (1998), também não o é menos que se trata de uma obra intemporal, escrita por um homem fantástico, um professor, cientista, escritor, comunicador, ecologista… Carl Sagan.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This