1

POLÍTICA À MESA EM “A REALIDADE E OUTRAS FICÇÕES”

Participe num jantar palaciano, experimente gastronomia alternativa e discuta ideias para o futuro de Lisboa à mesa, com figuras incontornáveis da cultura portuguesa.

Integrada no programa de Close, Closer, 3ª edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, a exposição A Realidade e Outras Ficções revisita a história do Palácio Pombal através de instalações totalmente funcionais. Entre estas, The Planetary Sculpture Supper Club, dos especialistas gastronómicos Center for Genomic Gastronomy, convida a uma experiência singular: jantares no salão nobre deste edifício seiscentista, entre frescos sumptuosos e estuques decorativos.  De 15 de Setembro a 14 de Dezembro, a Trienal de Arquitectura de Lisboa convida a sentar-se à mesa com o editor e jornalista Carlos Vaz Marques, discutir temas da atualidade com figuras proeminentes da cultura nacional e a experimentar excepcionais menus temáticos numa exposição que ao invés de se visitar, se vivencia. Por 35 euros, reserve um lugar para jantar através do site

Carlos Vaz Marques e convidados

A partir de 15 Setembro terão lugar três jantares por semana, para um máximo de 21 pessoas, no palácio que foi residência do notável Marquês de Pombal. Presididos pelo anfitrião Carlos Vaz Marques, os debates à mesa abordam um de três temas relevantes face a tópicos da atualidade: Caviar para Todos, Voltar a Ter Tempo e Receitas para o Desastre. Inspirados nestes temas, são servidos menus originais a partir de receitas desenvolvidas pelos Center for Genomic Gastronomy, autores do projeto, em colaboração com os alunos das escolas de hotelaria de Lisboa, Estoril e Setúbal e com a coordenação da chef norte-americana Heather Julius.

Todos os sábados, Carlos Vaz Marques nomeia um “Marquês”, uma figura da cultura portuguesa, convidando-o/a a trazer ideias para Lisboa, a discutir com um arquiteto convidado e com o resto dos comensais, enquanto se saboreiam as receitas alusivas ao tema.

15 Set – Governo Sombra (João Miguel Tavares, Pedro Mexia, Ricardo Araújo Pereira) Introdução aos três temas.

Tema 1: Voltar a ter tempo
Após um século de velocidade estaremos prontos para um abrandamento radical? A comida servida para este tema será o resultado dos mais ineficazes processos em termos de cultivo, transporte, distribuição, bem como nos modos de cozinhar, servir e consumir. A conversa abordará as questões da rapidez, da lentidão por vontade própria, e da possibilidade de optar, encontrando um outro andamento e um outro ritmo, à margem daquele que é ditado pelo capitalismo global.


21 Set – Gonçalo M. Tavares (escritor)

28 Set  – Catarina Portas (empresária)

5 Out  – Delfim Sardo (professor universitário, presidente da Associação Internacional de Críticos de Arte, Portugal)

12 Out  – Rui Horta (coreógrafo, fundador da estrutura artística O Espaço do Tempo, Montemor-o-Novo)

19 Out – António Barreto (sociólogo, presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos)

 

Tema 2: Caviar para todos

Estarão as experiências de verdadeiro decadentismo apenas ao alcance de alguns privilegiados? Será o acesso universal ao prazer e à alegria um objectivo pelo qual vale a pena lutar?  A comida servida com este tema recorrerá a ingredientes e receitas provenientes de exploração intensiva e simula refeições decadentistas, colocando estes ingredientes absurdos e fantásticos à disposição de todos. A conversa pode girar em torno da questão do 1%, do modo como somos cúmplices numa sociedade de consumo que produz tantas escolhas e tanto desperdício e do poder político da atitude de busca do prazer em face da austeridade.

26 Out  – Joana Amaral Dias (psiquiatra)

2 Nov – Maria Filomena Mónica (socióloga)

9 Nov  – Clara Ferreira Alves (jornalista)

16 Nov  – Rui Tavares (historiador, deputado europeu independente) 

 

Tema 3: Receitas para o desastre

Parece haver hoje um interesse global nas diversas variantes milenaristas, tanto dos que antecipam um desastre global precavendo-se contra ele como daqueles que o consideram irremediável. A comida servida no decurso deste debate terá a ver com histórias do fim do mundo e últimas ceias. A conversa gira em torno da ideia de morte e renascimento do mundo tal como o conhecemos e de como poderemos preparar-nos para o pior.

23 Nov  – Inês Medeiros (atriz, realizadora e deputada)

30 Nov – Helena Roseta (vereadora da Câmara de Lisboa, arquiteta)  

7 Dez – José Tolentino Mendonça (poeta, vice-reitor da Univ. Católica, padre)

14 Dez – Convidado surpresa.

Reserve já o seu lugar para um serão no The Planetary Sculpture Supper Club, através do site www.close-closer.com e discuta os futuros que os Marqueses antecipam para Lisboa.

Convencionalmente, o debate político acontece em lugares institucionais como assembleias ou parlamentos. No entanto, a história tem-nos mostrado que a estrutura doméstica e informal da mesa de jantar serviu frequentemente de infrastructura para negociações e acordos que deram forma à realidade legislativa, legal, económica e cultural que conhecemos. Entre ficção política e experiência gastronómica, The Planetary Sculpture Supper Club senta o visitante à mesa, no salão nobre do Palácio Pombal. Esta instalação concebida pelos Center for Genomic Gastronomy propõe uma vivência do espaço que cruza passado e presente, história e atualidade.

Com curadoria de Mariana Pestana, A Realidade e Outras Ficções integra a programação de Close, Closer, 3ª edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, e tem lugar Palácio do Marquês de Pombal, atualmente sede do Carpe Diem- Centro de Arte e Pesquisa.

 

SOBRE CLOSE, CLOSER

A terceira edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa realiza-se de 12 de Setembro a 15 de Dezembro de 2013. Close, Closer vai propor uma leitura alternativa da prática espacial contemporânea. Durante três meses, a curadora geral Beatrice Galilee e os curadores Liam Young, Mariana Pestana e José Esparza Chong Cuy vão examinar as múltiplas possibilidades da produção arquitetónica através de um programa experimental e crítico de exposições, eventos, performances e debates a decorrer em vários espaços por toda a cidade. Durante a Trienal, a arquitetura será retratada como uma força viva, social e artística, que mapeia os territórios cultural, político, científico e estético. Ao excluir em larga medida as formas construídas da prática da arquitetura, a Trienal reage à mudança no atual clima socioeconómico, onde os métodos tradicionais de produção estão a mudar e onde a inovação se propaga a ritmo acelerado.

 

SOBRE A TRIENAL

A Trienal de Arquitectura de Lisboa é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é investigar, dinamizar e promover o pensamento e a prática em arquitetura. Sediada em Lisboa, realiza na capital portuguesa a cada três anos um grande fórum de debate, reflexão e divulgação que cruza fronteiras disciplinares e geográficas.
 A primeira edição da Trienal, Vazios Urbanos, realizou-se em 2007 com um programa de exposições, concursos e conferências internacionais que envolveu 52 000 visitantes e participantes. Em 2010, a segunda edição, Falemos de Casas, consolidou a presença da Trienal no circuito dos eventos dedicados à arquitetura, atraindo 154 357 pessoas. A partir da sua nova sede no Palácio Sinel de Cordes, onde está a ser criado um cluster criativo, a Trienal organiza os eventos do programa Intervalo, em simultâneo com a preparação da terceira edição, Close, Closer que decorrerá de 12 de Setembro a 15 de Dezembro de 2013. A Trienal de Arquitectura de Lisboa foi distinguida nas suas três edições (2007, 2010 e 2013) com o Alto Patrocínio de S. Exa. O Presidente da República, tendo sido conferido, desde 2010, pelo Ministério da Cultura, o estatuto de Interesse Cultural.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This