Webp.net-resizeimage (31)

Ferver por dentro

"Corpo suspenso", de Rita Neves, sendo mais um passo nesse chão novo sobre a nossa experiência colonial que a arte, o pensamento e o jornalismo começaram a desbravar, dá-lhe um pouco mais carne, quase que o corpo traumatizado do pai passa para o corpo da filha, a actriz.

Quando Édouard Louis, em Quem matou o meu pai?, diz, “agora são os filhos que vêm salvar os pais”, bem poderia estar a referir-se a um crescente conjunto de criadores, artistas, jornalistas e investigadores cujos trabalhos são um esforço na tentativa de fazerem a anatomia de um silêncio, de um interdito, de uma dor, de um trauma.

É uma geração que recusou receber esta experiência de uma não inscrição, sem lhe levantarem o véu, sem lhe apontarem o bisturi. E se durante muitos anos tivemos esse queixume de que, ao invés do que se passou com a Guerra do Vietname, estes treze anos de pesadelo não produziram durante décadas senão escassas obras na ficção nacional, a verdade é que nos últimos dez anos os estudos do chamado pós-colonialismo ganharam a cátedra, o palco, o ecrã e os escaparates das livrarias.

Corpo suspenso sendo um espectáculo que nasce desta coisa pessoalíssima que é a necessidade de uma mulher compreender o homem a quem chama pai, é também um trabalho nutrido pela investigação.  Os conceitos de matérias fantasmas da socióloga Avery Gordon e a de Corpo Arquivo, de André Lepeki, estão presentes na conceção deste trabalho. Regressos quase perfeitos, memórias da guerra de Angola,  investigação da antropóloga Maria José Lobo Antunes, a partir do trabalho de pesquisa sobre o batalhão que esteve com o seu pai em Angola, foi também uma das suas referências.

E esta questão é fundamental como explicou Rita Neves na conversa com o público: “a minha ideia era o corpo como arquivo. Que marcas é que tinham ficado neste corpo do meu pai.” A primeira vez que levantou esta questão foi quando fez um levantamento através de uma entrevista. Ainda não sabia para onde a levaria o material. Queria gravar algumas memórias do seu pai. Passado algum tempo quando voltou a esse material percebeu haver ali uma suspensão no momento da guerra e naqueles dois anos e meio entre o seu embarque no Vera Cruz e o seu regresso, parece que não houve nada.  “-Há aqui naquele corpo uma opacidade que me acompanhou pela vida toda, e talvez essa entrevista tenha sido o motor”, acrescentou Rita Neves.

O processo de trabalho

Rita Neves actriz e a criadora da ideia do espetáculo é filha de um ex-combatente e vai trabalhar com a dramaturga Patrícia Couveiro, também ela com um pai que esteve na guerra colonial. Embora o processo seja centrado no confronto de Rita Neves com este corpo em suspensão, Patrícia também irá intervir, de forma discreta, complementar, faz a luz, a sonoplastia, até interpreta as vozes, do pai, da pide, do militar na inspeção militar que contracena com um corpo ambíguo, tanto o de Rita Neves, actriz como o do seu pai, recruta.  Foi uma opção dramatúrgia que tomaram a certa altura,  como explicou Rita Neves na conversa com o público:

“- Sou filha de um ex-combatente, as biografias dele e da minha estariam  expostas, as marcas no corpo dele e no meu, e isso apareceu de uma forma muito orgânica, eu por vezes fazia pausas, ao reflectir sobre uma determinada improvisação estava a trazer a minha biografia. E como isso acontecia surgiu a proposta da Patrícia  de cruzarmos as duas biografias.”

As memórias da guerra trazidas por seu pai, talvez fosse melhor, arrancadas a ferros ao seu pai, eram uns episódios muito neutros, alguns quase anedóticos.  Quando começou a ir aos encontros do seu pai apercebeu-se de que havia algo oculto.  Ou era um colega do pai que perdia o controlo emocional, ou era um primo do pai que não tinha pernas e que só mais tarde soube ter sido ferido numa mina anti-pessoal.

O sabor de um cigarro é dos melhores companheiros em horas de derradeira tristeza. Amando e partir é o maior sacrifício”.

O álbum de fotografias da guerra trazia-lhe um enorme vazio, uma suspensão. Um dia ao ler uma legenda de uma fotografia, sobre o prazer de fumar um cigarro,  viu essas suspensões e ai sabia para onde iria o trabalho:  queria perceber essas suspensões, essas elipses, essas pausas, essa memoria esburacada.

 

Compreender com o corpo, com o seu próprio corpo

Vimos o espectáculo no Salão de Festas da Incrível Almadense. É uma cena muito crua, sem grande aparato teatral. Tudo é feito à mostra. O espaço está delimitado nos seus limites á direita e à esquerda por canas, por ramos.

No lado esquerdo há uma mesa onde estão muitas fotos, iluminação muito diluída, alguns focos, um candeeiro, e no lado direito um espaço de representação com o chão delimitado, enquadrado por uma tela onde iremos ver alguns vídeos e fotos.

Há ali um misto de caos e ordem, entre a estrutura do objecto e as coisas, os ramos que são manipulados, arrastados, levados de um lado para o outro. Patrícia Couveiro está também do lado direito, a operar o som, a luz, a intervir quando é necessário. 

O jogo da representação reside neste vaivém da Rita quer a fazer de seu pai, quer a fazer dela própria. Fuma muito, como o pai, fala com repetições, repete algumas frases, faz desvios no discurso, conta a história do macaco, das cervejas. Apodera-se da dor do pai, encarna-a, é um processo, não faz uma tese, dá o seu corpo, o corpo vai em crescendo, começa por uma circularidade discursiva, por este fugir de se “reencontrar ou de se reencontrar fugindo”, e depois avança para aquele momento na guerra em que ele quis abandonar tudo aquilo. 

Ela não sabe exactamente o que aconteceu. O pai terá apontado a arma à cabeça, quem o contou foi o seu tio, o pai travou antes de o confessar. São as histórias impossíveis de contar. Estes homens trouxeram a guerra no corpo, casaram-se com ela para toda a vida. Ela só sabia que o pai parecia cultivar uma certa indiferença, um quase desprezo, pela vida. Pequenos episódios, coisas que pareciam não ter importância, ir nadar com bandeira vermelha, era um desligamento. 

O pai ferve em pouca água, ela vem a descobrir que também. A catarse torna-se mais forte, à medida que se aproxima do final. A memória daqueles miúdos de vinte anos a riscarem o dia logo na alvorada, um dia a menos, um dia a menos naquele lugar. Traz os amigos do seu pai também para a história. Trata-os pelos apelidos, tal como na tropa, ou por uma característica. 

No fim carrega o corpo dos colegas do seu pai, são as plantas, os ramos. É a libertação, ou melhor, a tentativa de libertação destas histórias. A história não acaba ali, a suspensão ficou gravada na memória do seu próprio corpo.: 

“- Estes não fim de história nos nossos corpos, estes não fim de guerra nos nossos corpos.”, diz Rita. 

——————————————————————————————————————

CORPO SUSPENSO

Conceito e direcção Rita Neves Criação, texto e interpretação Patrícia Couveiro Rita Neves 

Latoaria/Candonga Associação Cultural (Lisboa) Apoio: Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação GDA e República Portuguesa – Cultura/Direcção Geral das Artes



There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This