jameson_urban_routes_2018

Eis o Jameson Urban Routes 2018

A edição de 2018 do Jameson Urban Routes começa a ganhar forma e aquela matriz que torna o fesival em algo único mantém-se. Entre 23 e 27 de Outubro, o Musicbox será, novamente, onde tudo naquela que será a 12ª edição do festival.

Ecletismo continua a ser a palavra ideal para definir este festival. Rock, folk, hip-hop, punk ou techno são alguns dos registos com que poderemos contar e ainda falta anunciar cerca de metade do cartaz. Serão 8 sessões, ao longo de 5 dias e repartidas entre concertos e clubing, como vem sendo habitual neste burgo. O mote, irá oscilar sempre, entre a descoberta e a confirmação. Entre a confirmação e o novo. Senão vejam aquilo que já pode (e deve!) ser desvendado.

No dia 23 de Outubro o eixo norte-atlântico com Sean Riley do lado de cá e Damien Jurado em representação do lado de lá. Em comum a grande canção americana. Se Sean Riley tem álbum novo, “California”, gravado no estado homónimo e com Paulo Furtado na produção, já Jurado não nos deixou de mãos a abanar e também editou “The Horizon Just Laughed”, um trabalho magnífico de 11 canções, daquelas que se ouvem vezes sem conta quase sem dar por isso. No fundo, são dois nomes que não precisam de qualquer apresentação e que conhecem muito bem os cantos à casa.

No dia seguinte, 24, será a vez dos Mão Morta para um concerto onde deverão dar a conhecer canções que farão parte do novo disco. Tristan Shone é engenheiro mecânico e em palco assume o nome de Author & Punisher. Os seus instrumentos musicais são o resultado das suas experiências e conhecimentos científicos. As “Drone Machines” de Shone colocam a sua música no domínio do industrial.

O clubbing de dia 26, sempre a partir das 00h30, ficará a cargo de Ata Kak. Ganês e um dos principais impulsionadores da cena electrónica e do rap no país, Ata Kak é como uma janela para aquilo que de novo se faz no país, abraçando o Highlife, rap, funk, hip-hop e electrónica. Será a ocasião ideal para descobrir em primeira mão aquilo que é o highlife, um género que nasceu no início do século passado entre o Gana e a Nigéria e que combina a melodia e ritmos das canções desses países com o ritmo da música tradicional Akan (trata-se de uma etnia com origem na África Ocidental, tudo tocado com instrumentos da música popular com origem no ocidente.

O clubbing do dia 27 de Outubro já se encontra fechado e promete. Haverá um DJ Set de Mike El Night que eventualmente saberá a pouco visto que um concerto dele é sempre imperdível. O hip-hop mesclado de DarkSunn também irá marcar presença no Musicbox. Brodinski é um DJ e produtor francês e que colabora habitualmente com rappers norte americanos, com quem combina o seu techno. Já deram pelo fio condutor, certo?

Antes do clubbing arrancar, os dinamarqueses Iceage subirão ao palco para apresentar o mais recente “Beyondless”, editado no passado dia 18 de Maio e com o selo da sempre mui recomendável Matador Records. Podem por isso contar com o post-punk, certamente sem a Sky Ferreira a acompanhar.

Podem encontrar toda a informação relativa aos bilhetes aqui.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This