Hawkings1

“Escrito na Água” de Paula Hawkins

O poço das afogadas

Depois do sucesso universal que foi A Rapariga do Comboio, a britânica Paula Hawkins tinha em mãos a árdua tarefa de encontrar um sucessor à altura da referida obra (prima). Cerca de dois anos depois, Escrito na Água (Topseller, 2017) vem confirmar os predicados de Hawkins e sublinha uma marcar narrativa, em modo thriller, competente, recheada de personagens interessantes e que se completam onde suspense e mistério são os elos aglutinadores de uma história assente num dinamismo entre presente e passado, mortos e vivos, amores e ódios e que têm em comum um rio que teima em correr e a sublinhar o carrossel de reviravoltas construídas pela autora.

O livro começa com o regresso de Jules a Beckford, a sua terra-natal, no coração do lado mais countryside de Newcastle – uma vila ensombrada pelo suicídio de várias mulheres que escolhem o leito do rio para dar o último suspiro, uma estranha e assustadora “tradição” que ceifa vidas há séculos -, depois da morte de Nel, sua única irmã e com a qual não falava há vários anos.

Além da incredulidade da comunidade, Jules tem de enfrentar algo ainda mais complicado e doloroso: a raiva latente de Lena, sua sobrinha adolescente e ainda a braços com o luto pela morte de Katie, a sua melhor amiga, assim como as péssimas memórias que Beckford lhe traz e faz recordar a Jules “gordinha”, a Jules gozada pela irmã e amigos, a Jules envergonhada e triste.

Ainda que a polícia assuma a morte de Nel como mais um suicídio no chamado “Poço das Afogadas”, Lena não acredita que a mãe o tenha feito, principalmente pelo facto de a sua progenitora estar cada vez mais envolvida daquele que assumia como o trabalho da sua vida: um estudo sobre a história do rio e das vidas por ele recebidas e colhidas. O projeto de Nel incluía a escrita de um livro sobre as mulheres que se suicidaram e as inúmeras pontas soltas que continuam a assombrar a vila.

1540-1

A água, o rio e as suas correntes (mortíferas) funcionam como uma espécie de banda sonora para Escrito na Água e arrastam toda a comunidade para o epicentro da narrativa. Cada personagem faz assim parte de um puzzle e assume-se como essencial para o todo, providenciando uma ligação conjunta que mistura passados proibidos, acusações e perseguições, culpas e raivas que atravessam séculos e carrilam de forma extremamente competente e cativante um enredo pejado de um suspense que edifica capítulos curtos e flashbacks reveladores.

Ao contrário da visão tripartida de A Rapariga do Comboio, Paula Hawkins aposta num elenco vasto (são cerca de 11 as vozes que cativam o leitor em Escrito na Água) que revela várias perspetivas do que se passa, e passou, em Beckford alimentando ferozmente a complexidade da leitura assim como uma (in)voluntária cumplicidade local. Em formato multicamada, as histórias reveladas expõem factos, desenterram pesadelos e dão credibilidade a algumas vozes que a comunidade teima em remeter para o espetro da insanidade.

Ler Escrito na Água é um (excelente) exercício imersivo, que por vezes nos remete para territórios do sobrenatural, e transmite uma sensação de reveladora e crescente presença. A narrativa é assim sentida como parcelas de realidades sinistras, obscuras e perigosas. Essa escuridão, absorvente e atmosférica, trespassa o leitor por via das palavras, dores, culpas e sangue dos protagonistas, mas também de uma sonoridade latente (não é inocente a referência fantasmagórica a uma canção como Down bt the Water de P.J. Harvey aquando de uma das cenas mais marcantes de Lena) que acompanha as páginas do livro.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This