“Este Livro está a chamar-te (não ouves? ” | Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso

“Este Livro está a chamar-te (não ouves?)” | Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso

Ler com os dedos, os olhos, os ouvidos e o nariz

Parar por um bocado. Sentarmo-nos lado a lado. Encostar o ouvido a uma folha de papel: «Não, não ouço nada.» Encostar a mão: «está quente dentro deste livro». Cheira bem. Quero ficar. Caminhar com os dedos sem sair do lugar mas chegar a muito longe, a uma floresta verde e densa. Saltar pedrinha por pedrinha e pisar a outra margem do rio. Fazer chover sem molhar. Ver trovejar sem ouvir. Ter medo antes do sol voltar. E há uma voz: «Sim, é mesmo verdade. Está a chamar-me. Quero saber quem é.»

Este livro está a chamar-te (Não ouves?)” (Coleção de Cantos Redondos, Planeta Tangerina, 2013) é uma viagem dos sentidos e um apelo à amizade. À amizade verdadeira, pura, despojada, que se constrói pouco a pouco na lentidão das melhores descobertas, na surpresa das grandes aventuras.

Há uma voz que nos quer conhecer e nós encostamos o ouvido e juramos que ela nos chama. Uma amiga que se mostra, só um pouquinho e logo se esconde, que nos puxa e conquista, sem se revelar por inteiro. Deixa-nos pistas que tocamos, cheiramos, exploramos. Vamos seguindo, por instinto, pela força que tem a curiosidade.

Que grande viagem! Sem idades, os maiores tão rendidos à aventura como os pequeninos. Sem pudores, os maiores tão disponíveis para os desafios como os pequeninos.

A Coleção de Cantos Redondos vem provar o que são, realmente, livros interativos e digitais: sem apetrechos, sem tecnologias, sem complicações nem distrações. São simplesmente livros que falam connosco e que nos ouvem. É o papel, é o traço de Madalena Matoso que seguimos com a ponta dos dedos, circundando formas geométricas, experienciando as figuras, testando-as. É o texto, a jogabilidade das palavras de Isabel Minhós Martins que cumprimos com o olhar, espevitados pelas questões a que respondemos em voz alta.

Porque há ali mesmo uma voz que fala connosco, que nos quer conhecer. E se há uma voz é porque há alguém que nos escuta também. Se há alguém há cheiro, mesmo que seja o do papel; há som, mesmo que seja da pele dos nossos dedos a virar as páginas; há sabor, há movimento, há emoção. Tudo dentro de um livro. Exatamente como ele é.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This