Festival Best.Off

A nova criação musical na Casa da Música, no Porto, entre 7 e 10 de Dezembro.

Dividido entre os dias 7 e 10 de Dezembro, a Casa da Música, no Porto, recebe o Festival Best.Off, certame que pretende dar a conhecer a nova criação musical. Entre os quinze espectáculos do festival, a organização pretende assim mostrar “novas formas de fazer, ver e ouvir música. Um exemplo daquilo que foi, é e será o futuro da música”, tendo sempre como pano de fundo a contemporaneidade da música urbana.

Das salas aos foyers da Casa da Música, passando ainda pelos corredores do espaço, o festival arranca dia 7 com os concertos de Reel People e dos Mitchell Brothers, com o encerramento a cargo do já nosso conhecido Gilles Peterson. Dias 8 e 9 é a vez das actuações de Radian, Hecker & Tina Franck e do português Kubik. O certame encerra no sábado, dia 10, com Felix Kubin, Les Georges Leningrad, Mylo, Max Tundra, Sa Ra Creative Partners e Kalaf + Type feat The Zany Dislexic Band.

Gilles Peterson é, talvez, o nome que mais recordações traz ao público português. Depois de por várias vezes ter por cá actuado, em sítios como o Lux ou o Trintaeum, desta feita é a vez de A Casa da Música o receber pela primeira vez. Autor do programa “Worldwide” na BBC Radio 1, Peterson faz sessões de DJ desde os 18 anos, alternando entre música urbana, jazz, funk, soul ou hip-hop.

Empenhado em derrubar as barreiras do jazz, levou os mais puristas a rejeitar o movimento acid jazz mas também, mais importante ainda, a que se explorasse todas as possibilidades que o género permitia e criou as condições para que artistas como Pharoah Sanders ou Roy Ayers se tornassem conhecidos. Paralelamente ao trabalho de DJ, Gilles Peterson criou a editora Talking Loud que lançou alguns dos nomes que marcam a actualidade do drum’n’bass, como o de Roni Size.

A nível nacional, destaque para a actuação de Victor Afonso, musicalmente conhecido como Kubik. Com um currículo recheado de colaborações, edições em diversas compilações, concertos em festivais, uma passagem pela Aula Magna na primeira parte de Fantômas e dois discos de originais, Kubik tem-se sempre orientado em volta do experimentalismo.

Com o seu primeiro álbum, “Oblique Musique”, a receber as aclamações da crítica “especializada”, Kubik traz na bagagem a sua mais recente edição. “Metamorphosia” é uma natural evolução do seu trabalho, que utiliza diferentes tipos de sons na criação de ambientes diversos, mais ou menos sombrios, com a novidade que é a utilização da voz, tanto através de samples como na participação de convidados como Old Jerusalem e Adolfo Luxúria Canibal.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This