rdb_DandJudas_header

“Dans l’oeil du Judas”

Uma linguagem universal

Em tempos como os que atravessamos, não devemos deixar de louvar quem repensa, muda, transforma, reinventa festivais que tentam sobreviver em águas agitadas e que já fazem, ou começam a fazer, parte dos nossos hábitos culturais. O FIMFA é um deles.

“Dans l’œil du Judas”, do Théâtre du Rugissant, esteve em cena no S. Luiz Teatro Municipal, nos dias 11 e 12 de Maio, e apresentou-nos uma história comovente, envolvida por música ao vivo e uma cenografia impressionante.

Giacomo chega ao fim da vida lamentando apenas não ter voltado a ver o seu amor de infância, Natalia, e pede à Morte que o veio buscar que não o leve naquele momento pois espera reencontrar o seu amor. Entretanto vai contando como tudo aconteceu… Olgerson é um estrangeiro que chega para viver com a filha Natalia no prédio onde Giacomo mora. Não tem um francês perfeito, não encaixa na cultura nem nos hábitos dos restantes inquilinos. Os boatos surgem facilmente e como uma bola de neve: as pequenas diferenças, os falsos rumores, transformam-se em algo de dimensões bem maiores e a tragédia acontece. Num plano orquestrado pelos habitantes do prédio, Olgerson é alvo de uma emboscada e morre, Natalia é levada para um orfanato, Giacomo vai viver com os pais, tripulantes de um barco, e os dois não voltam a encontrar-se.

Uma história contada com música, coros, percussão e piano, sobretudo, num prédio de seis apartamentos, onde diversas marionetas com a sua própria história e personalidade viviam. Um edifício rodeado de jogos de luz e sombras, apenas com parte das fachadas, estando maioritariamente a descoberto para os espectadores seguirem a história e dois muros que ajudavam a realçar o formato de olho que o cenário fazia. O olho de Judas, o olho do traidor e o olho através do qual o público assistia ao espectáculo e a um crime.

De lamentar a legendagem, que por vezes distraía mais do que ajudava. A maioria das vezes dessincronizada, pautou sobretudo pela ausência, o que impediu uma compreensão total de pequenos momentos e acontecimentos durante o espectáculo, uma vez que com o calão, a rapidez dos diálogos, e a sobreposição de falas, só um perito em francês conseguiria assimilar todo o sentido oculto de algumas cenas. Havendo a indicação de que os idiomas seriam o Francês e o Português e de que o espectáculo seria para maiores de 10 anos, esperava-se pelo menos que o problema conseguisse ser resolvido ainda durante a sessão, o que não aconteceu.

Ainda assim há linguagens que são universais, e a mensagem de um amor perdido, destruído pelo preconceito, não deixou de chegar a quem assistia por causa da barreira linguística.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This