govacation-switch-análise-1

Go Vacation | Switch | Análise

De férias num resort vazio...

Em pleno Inverno, muitos já sentem saudades do Verão e das várias actividades de um dia solarengo. Para esta situação, serve um bom vídeo-jogo que nos transporte para um luxuoso resort onde possamos jogar volley de praia em Dezembro. GoVacation, inicialmente um jogo para a Nintendo Wii, juntou-se à biblioteca da Switch num port para trazer essa experiência para qualquer lugar. Trata-se de uma espécie de colectânea de mini-jogos que decorrem em 4 resorts diferentes. Apesar de cumprir a sua promessa de ter mais do que 50 mini-jogos para entreter 4 jogadores, não é suficiente para esconder os seus defeitos visuais e a sua mediana jogabilidade, ambos fruto de uma falta de foco que dá a entender que a equipa responsável da Bandai Namco se preocupou mais com quantidade do que com qualidade.

Neste título, quase todas as actividades desportivas e lúdicas foram sintetizadas em mini-jogos: surfing, skating, ski, para-quedismo, mushing, guerras de pistolas de água, atirar de tartes – o jogo é bem-sucedido no que toca à variedade de jogos que tem. O primeiro problema é que os controlos são pouco intuitivos e muitas vezes tive de consultar o tutorial de cada um para perceber o que estava a fazer. Para além disso, alguns dos mini-jogos são enfadonhos com backgrounds, muitas vezes, estáticos, sem nada interessante a acontecer. A música torna-se repetitiva rapidamente e até o tipo de letra usado para mostrar o contador de tempo e de pontos me começou a incomodar, porque não combina, de todo, com o tema de “diversão” e “descontracção” que o jogo quer invocar. Pessoalmente, por volta de 30% dos jogos são bons, especialmente os que nos metem a fazer truques pela cidade – neste aspecto, o jogo tira umas boas dicas do Tony Hawk’s Pro Skater. “Guerra de bolas de neve”, snowboarding e “Concurso de atirar tartes” são outros destaques positivos neste título.

Para desbloquear mais mini-jogos, é necessário explorar os grandes resorts que estão ao nosso dispor. Isto significa que antes de ser possível jogar um certo mini-jogo no modo multi-jogador, temos de passá-lo no modo Resorts (atenção, existem por votla de 40 mini-jogos que temos de desbloquear desta maneira). Ou seja, apesar do Go Vacation já vir com uma mão cheia de actividades para o gozo da família, é necessário uma dedicação extra para ir buscar mais conteúdo – algo que eu vejo como um ponto negativo, porque o objectivo deste género de títulos deve ser o de entreter um grupo mal o jogo saia da caixa.

Há muito para fazer, mas pouco para ver(…)

Mas nem tudo está perdido. É possível jogar o modo Resorts com mais 3 jogadores (e com um de vários animais de estimação).  Ou seja, não é preciso jogar sozinho para desbloquear os mini-jogos que faltam. Existem 4 enormes resorts de: praia, montanhas, cidade e neve. Cada um destes tem, espalhados pelo mapa, tesouros e balões que, uma vez encontrados, nos oferecem pontos para comprar fatos para as nossas personagens ou outros itens. Cada resort oferece maneiras diferentes (e satisfatórias) de os percorrer – podemos andar a cavalo pelas montanhas, de patins pela cidade ou de snowboard pela neve – e todos têm um tamanho surpreendente, pelo que é possível ficar horas a vasculhar todos os cantos do mapa. Pelo caminho vamos encontrando personagens a participar em actividades – uma boa maneira de apelar à nossa curiosidade e de encorajar-nos a desbloquear o respectivo mini-jogo. No entanto, os resorts padecem do mesmo problema dos mini-jogos; apesar de serem grandes, não têm muita “vida” para lá dos figurantes. Torna-se aborrecido ver tantos backgrounds estáticos e texturas monótonas, não havendo um único sítio que nos impressione pelo detalhe visual. A sonoplastia é igualmente insípida – os efeitos sonoros ora são inexistentes ora parecem demasiado artificiais; e as melodias são tão repetitivas quanto às dos mini-jogos, especialmente as que tocam quando falamos com algum “npc” – fiquei verdadeiramente farto de ouvir sempre o mesmo “jingle”. Existe ainda um modo onde podemos construir e decorar a nossa própria villa no meio dos 4 resorts. Honestamente, não explorei a fundo este modo pois pareceu-me removido de toda a experiência. Este não traz nenhuma real vantagem para o modo de multi-jogador, só existe para que possamos expressar o nosso “decorador de interiores” interior.

GoVacation saiu há 7 anos atrás, portanto talvez me esteja a faltar algum contexto temporal. Embora haja uma boa quantidade de conteúdo para explorar com gráficos mais polidos do que os da Wii, GoVacation transmitiu-me a ideia que os seus criadores estavam com falta de inspiração. Há muito para fazer, mas pouco para ver. Os 30 frames-per-second não ajudam a palidez do aspecto visual. Para além disso, os jogadores controlados pelo computador nunca me foram desafiantes, nem nunca senti que as metas dos jogos de pontuação fossem difíceis de alcançar. Alguns dos mini-jogos servem para entreter um grupo por uma hora ou duas, mas nenhum deles cria um entusiasmo tão contagiante quanto os do Super Mario Party, por exemplo. Até é possível gozar de um longo passeio pelos diferentes resorts, mas os ambientes não têm “vida” que chegue para encorajar uma segunda visita. É-me difícil recomendar este jogo, especialmente ao preço que está – a eShop tem tantos outros títulos multi-jogador mais bonitos, baratos e divertidos, que mais rapidamente vos sugiro a explorar bem a loja online do que a arranjarem o GoVacation.

 

Número da Rua:
4/10

 



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This