“História do PCP” | João Madeira

“História do PCP” | João Madeira

Assim, se lê, a força do PC

“Das origens ao 25 de Abril”. Ou, traçando um mapa temporal, de 1921 a 1974. É este o sub-título escolhido para “História do PCP” (Tinta da China, 2013), livro do historiador João Madeira que se propõe contar a história do mais antigo partido político português.

Já antes João Madeira havia publicado “Os Engenheiros das Almas”, livro que se debruçava sobre a influência e os conflitos do PCP com os intelectuais, mas este é um trabalho à beira do colossal, não só pelas suas quase 700 páginas mas pela profundidade a que escava.

Nele assistimos à criação da Federação Maximalista Portuguesa, fundada ao sabor dos ventos que sopravam então com a Revolução soviética de Outubro de 1917, mostrando uma veia anarquista até então ausente do ADN comunista à escala planetária. Mesmo não tendo sobrevivido à prisão do seu então dirigente máximo, Manuel Ribeiro, esta Federação veio a constituir a base para a fundação do Partido Comunista Português, nascido a 6 de Março de 1921.

A história do PCP é a de um partido assaz particular que, mesmo tendo assistido em directo à extinção dos regimes que praticavam o socialismo real, sobreviveu para contar a sua história tendo, nos dias que correm – com o suicídio político do Bloco de Esquerda e a indefinição ideológica do Partido Socialista -, a oportunidade de reforçar a sua posição  enquanto partido das classes oprimidas (que agora são praticamente todas).

O livro apresenta os momentos mais marcantes que o partido viveu, tais como a reorganização de 1940-41, a cisão maoísta ou a posição perante a guerra colonial.

Acima de tudo, “História do PCP” tira uma radiografia à «única organização a resistir de modo estruturado e permanente ao regime», tornando-se conhecido como o partido anti-fascista por excelência. Resistência essa que, para João Madeira, assentou em quatro factores: «a identificação entre os objectivos da luta e as aspirações profundas do povo português; a existência de um colectivo de homens dispostos a sobrepor esses objectivos à própria vida; a criação de uma organização de matriz leninista como suporte dessa disposição de luta; e, finalmente, a ligação do partido aos trabalhadores e às massas.»

Ex-maoísta e dirigente do Bloco de Esquerda, João Madeira oferece um documento histórico, bem escrito e fundamentado – a que apenas faltará uma componente visual -, sobre um Partido que resistiu ao fazer prevalecer a sua lógica pragmática e economicista em detrimento de uma verdadeira hegemonia ou de um projecto verdadeiramente revolucionário. Ou, dito de outra forma, que se adaptou para sobreviver.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This