Jay Jay Johanson

No dia 5 de Dezembro o sueco assume o controlo dos pratos no Clinic em Alcobaça.

O autor de trabalhos como “Whiskey” ou o mais recente “Antenna”, assume desta feita o lugar atrás dos pratos, onde deve demonstrar a já conhecida nostalgia e melancolia que tão marcam as suas músicas.

Jay Jay Johanson tornou-se conhecido pela sua estranha fusão entre disco e electroclash e teve uma infância marcada pela música. Para além da obsessão sueca com os Abba, Jay Jay vivia numa casa onde a mãe amava Elvis e o pai tinha uma fixação com o Jazz. O pai colocava-lhe as colunas perto da cama para que ele ouvisse lendas do jazz como Chet Baker ou Scott Walker, mas Jay Jay permanecia imperturbável no seu pequeno berço. Com apenas 5 anos de idade, sacrificou o seu mealheiro para comprar um álbum dos Kiss.

Aos 7, já dominava o piano, o clarinete e o saxofone e, mais tarde, iniciou um grupo de punk que tinha o nome de “May Tuck”. Com 15 anos, começou a explorar o jazz mais a sério e chegou a tocar com o seu pai num concerto de jazz.

Chegados os 16, Jay Jay abandonou o conservatório porque achava que tocar notas na perfeição não era compatível com a sua exploração na composição, na estrutura e na forma musical. Pensava que a música era apenas um hobby e então começa a estudar arquitectura e arte moderna em Estocolmo, enquanto fazia de DJ em clubes locais para pagar as propinas. Depois de passar por um quarteto de jazz, começou a remixar as canções das bandas com ritmos de hip-hop obtendo uma enorme recepção por parte do público. Em 1994, descobre o álbum “Dummy” dos Portishead que o inspira a levar o seu trabalho um pouco mais além o que vale um contrato discográfico.

Usando apenas instrumentos electrónicos e os seus dotes musicais, Jay Jay começa a compôr e a gravar material suficiente para um álbum inteiro, que viria a revelar-se ser o seu conhecido “Whiskey”. Aquando da sua saída da universidade, Jay Jay era um compositor de música. “Whiskey” teve uma recepção calorosa por parte da crítica e estabeleceu a sua melancolia electrónica. No segundo e terceiro lançamento de álbuns, o rumo do seu trabalho foi completamente alterado. Organizou uma banda e criou faixas que continham elementos tanto electrónicos como acústicos, que se traduzem nos álbuns “Tattoo” e “Poison” que são completamente distintos de “Whiskey”. Cada um dos seus primeiros álbuns venderam mais de 100,000 cópias na Europa o que não é mau para quem fazia música apenas para passar o tempo.

Mais recentemento, editou “Antenna” um álbum cujo tema “Automatic Lover” ficou conhecido por fazer parte do anúncio da marca de roupa interior, 2Xist. Junta-se às outras faixas pop como “Deja Vu” e “On the Radio” é uma faixa disco que enfoca na gentil voz de Jay Jay. Outras faixas como “I might as well continue” que é um bónus do CD, fazem deste último álbum uma referência obrigatória na colecção pessoal.

Será concerteza uma noite memorável no pequeno espaço que é o Clinic.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This