rdb_leff2012_header

Lisbon & Estoril Film Festival 2012 – Preview

A 6ª edição do Lisbon & Estoril Film Festival, a decorrer entre 9 e 18 de Novembro, reparte os trunfos entre uma competição renhida, um programa de exibição de alguns dos filmes mais aguardados da temporada em fora de competição, e ainda várias retrospectivas

Tal como nos anos anteriores, o Lisbon & Estoril Film Festival realiza-se entre o Estoril (Centro de Congressos e Casino Estoril) e Lisboa (Cinema Medeia Monumental e Espaço Nimas), e os preços dos bilhetes variam entre 4 euros, para as sessões normais, e 6 euros, para filmes Fora de Competição.

COMPETIÇÃO

Chegados directamente do Festival de Cannes, de Maio passado, existem várias propostas: “After Lucia” (no original “Después de Lucía”), de Michel Franco, prometendo um incisivo retrato da violência no seio familiar, vencedor do Prémio Un Certain Regard. Propõe-se ainda “Children of Sarajevo”, de Aida Bejic, numa reflexão sobre as consequências reais da guerra da Bósnia, ou o amor visto à luz do tempo dos longínquos anos 90, em “Laurence Always”, de Xavier Dolan (realizador que deu cartas com o aclamado “Les Amours imaginaires”, em 2010).

Ainda repescado a Un Certain Regard, chega “The Student”, do cazaquistanês Darezhan Omirbaev, uma reinterpretação de “Crime e Castigo” de Dostoievski à luz da sociedade actual. De Espanha chega-nos “Sueño y silencio”, de Jaime Rosales, numa narrativa em tom trágico de um casal parisiense em férias na Catalunha, enquanto que em “Rengaine” (passatempo AQUI) se propõe um retrato do racismo na Paris contemporânea.

Do italiano Leonardo di Constanzo chega-nos “L’intervallo”, com a proposta de uma reinvenção do Síndrome de Estocolmo, enquanto de Roberto Minervini se apresenta “Low Tide”, acerca da alienação no núcleo familiar. Com o prémio de descoberta FIPRESCI do último Festival de Toronto, chega-nos “Avalon”, do sueco Axel Petersen, acerca da tragédia a assolar um conceituado promotor de clubes nocturnos.

Do festival internacional de cinema de Locarno existem ainda duas propostas: “The Shine of Day”, da dupla Tizza Covi e Rainer Frimmel, e “Winter, Go Away!”, de vários realizadores. A primeira, vinda da Áustria, propõe uma viagem de perca de contacto com a realidade através de um jovem actor em processo criativo. A segunda trata-se uma perspectiva a dez mãos acerca do processo eleitoral de Vladimir Putin, visto pelo oponente e com intervenção da banda Pussy Riot em entrevista, o que em si só promete uma abordagem bastante pertinente acerca da realidade actual na Rússia.

FORA DE COMPETIÇÃO

Fora de competição existem ainda grandes propostas, que passam por alguns dos mais aguardados filmes da temporada. A sessão de abertura faz-se com “The Master”, a nova película de Paul Thomas Anderson que traz o Leão de Prata de Veneza, enquanto a sessão de encerramento fica a cargo da nova experiência dos irmãos Wachowski com Tom Tykwer: “Cloud Atlas”.

Pelo meio, chega-nos a Palma de Ouro do Festival de Cannes passado, “Amour” de Michael Haneke; e também o Grande Prémio do Júri de Sundance, “Beasts of the Southern Wild”, de Benh Zeitlin. Pelo caminho há ainda espaço para ver em primeira mão em solo nacional as últimas obras de nomes como François Ozon (“Dans la maison”), Bernardo Bertolucci (“Io e te”), Alain Resnais (“Vous n’avez encore rien vu”) ou Michel Gondry (“The We and I”). De notar ainda a presença do mais recente projecto de Brian De Palma, “Passion”, realizador que de resto proporciona um dos grandes trunfos desta edição do festival: uma retrospectiva integral sobre a sua filmografia.

Também em retrospectiva está a obra de Hou Hsiao-Hsien, e apresentam-se duas sessões especiais do cineasta Abel Ferrara: “Go, Go Tales (2007) e “4:44 Last Day on Earth” (2011). Da Filmoteca Espanhola chegam “As Badaladas da Meia-Noite” (1965) de Orson Welles, “Vida en sombras” (1948) de Lorenzo Llobet Garcia e ainda Luis Buñuel: “Las Hurdes” e “Un Chien Andalou”. Também de Buñuel será exibido “Le Fantôme de la liberté”, inserido nas escolhas de Alfred Brendel, e “Belle de Jour” (com a respectiva resposta de Manoel de Oliveira, “Belle Toujours”).

O Espaço Nimas apresenta uma programação alternativa, assentando na preservação da Memória do Cinema e em sessões de Homenagem, que valerá a pena confirmar. Destaque ainda para a masterclass de Paul Giamatti (que também irá recitar poesia de Alfred Brendel num encontro com o mesmo) e a presença de Willem Dafoe.

Toda a programação AQUI.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This