rdb_lumia800_header

Lumia 800

Ainda é só o começo

No final do ano passado a Nokia introduziu no mercado o N9. Tal como tínhamos indicado, este modelo serviu como a fase 0 da estratégia da Nokia no “novo” mercado dos smartphones. Este ano, a marca finlandesa introduziu os primeiros dispositivos com Windows Phone (versão 7.5). Esta é, provavelmente, a derradeira oportunidade da Nokia aproximar-se da Apple e de outros fabricantes que apostaram no Android como sistema operativo. A tarefa não será fácil, mas este primeiro passo parece ser muito sólido e bastante interessante. Tivemos oportunidade de experimentar o Lumia 800, o actual “topo de gama” da Nokia com Windows Phone.

Com um design muito semelhante ao N9, este Lumia 800 tem um ecrã Curved AMOLED de 3,7 polegadas, Gorilla Glass e tecnologia Clear Black (que faz jus à designação). Vem equipado com um processador Qualcomm Snapdragon de 1,4Ghz, 512 MB de RAM, uma câmara traseira de 8MP com duplo flash (zoom óptico 3x). Não existe uma câmara frontal e o telefone apresenta apenas 3 botões – volume, on/Off/lock/unlock e um terceiro botão que permite activar a câmara mesmo com o telefone bloqueado, permitindo rapidamente tirar uma fotografia e funcionar como uma câmara point & shoot.

A primeira impressão ao utilizar o Lumia 800 é fantástica. Surpreendentemente rápido, de utilização intuitiva e visualmente apelativo, o Windows Phone ultrapassou as minhas expectativas. O ecrã principal é preenchido por diversas “caixas” (o termo correcto é tiles) à semelhança do que já podemos encontrar no Windows 8. Alguns destes tiles não são simples botões para lançar aplicações, podendo ser comparados com widgets. Por exemplo, o tile dos contactos é preenchido com miniaturas das fotografias dos próprios contactos.

Estes tiles podem ser totalmente customizáveis, isto é, podemos remover, alterar a sua posição no ecrã e colocar qualquer aplicação como tile (a listagem das aplicações está no segundo ecrã, que pode ser acedido através de uma seta no topo do ecrã principal).

Não existindo qualquer botão físico, as operações são efectuadas através de três botões existentes no próprio ecrã – voltar ao ecrã principal, voltar ao ecrã anterior e pesquisa (bing) – à semelhança do que acontece com muitos dispositivos Android. Como é natural, ao ligar pela primeira vez o Lumia 800 é possível associar-lhe uma conta MSN. Tal como acontece com o N9, é possível adicionar mais contas, como por exemplo o Facebook e Gmail. As mensagens de cada uma destas contas são centralizadas numa única aplicação facilitando imenso a utilização.

Com uma conta MSN tem-se acesso ao Skydrive, a solução de cloud storage da Microsoft muito útil na sincronização de documentos e notas (o Office vem instalado de “origem”). É precisamente com esta funcionalidade que a Nokia e a Microsoft podem reconquistar o mercado empresarial. A esmagadora maioria das empresas utiliza soluções Microsoft e a possibilidade de existir uma solução viável para visualizar e editar um documento Word ou uma folha de Excel no telemóvel poderá ser um factor determinante na escolha dos equipamentos móveis dos seus trabalhadores. Se pensarmos a curto/médio prazo, com o lançamento do Windows 8 previsto para o ultimo trimestre deste ano, a integração é quase total já que tanto o telefone como o computador até vão partilhar o mesmo interface.

Tal como no N9, as aplicações nativas da Nokia – Mapas e Navegação – são extraordinárias (continuo a achar o navegador da Nokia a melhor solução de GPS do mercado).

JOGOS & MULTIMÉDIA

Depois de tantos elogios, é também importante realçar os pontos menos positivos. A qualidade da câmara deixa muito a desejar, principalmente em modo automático. Este fraco desempenho é surpreendente por dois motivos: o N9 tem melhor desempenho e a boa qualidade das câmaras é uma das características da Nokia. Ao utilizar o modo manual, isto é, ajustando parâmetros como o ISO, é possível melhorar a qualidade das imagens, mas mesmo assim, e após o mais recente update de software, a câmara do Lumia 800 fica muitos furos abaixo da concorrência directa, como por exemplo o iPhone 4s. A filmar, o Lumia, não impressionando, também não compromete.

Tal como o Office é a principal referência no que diz respeito a suites de produtividade, a X-Box é uma das marcas que associamos imediatamente a jogos. A integração da X-Box Live no sistema operativo, para além de ser uma opção natural, dá uma outra credibilidade a este dispositivo. Através da aplicação é possível criar um avatar e uma conta. Os jogos X-Box Live comprados/descarregados no Mercado ficam imediatamente disponíveis na aplicação e a integração online é total e transparente. Os jogos são um pouco caros em relação aos valores praticados pela concorrência (a média do que vi ronda os 3 euros) mas a experiência de jogo é muito boa e é sempre possível descarregar uma versão demo gratuita. Tal como acontece com as aplicações, falta o sincronismo dos lançamentos mais mediáticos como aconteceu recentemente com o Angry Birds Space. De uma forma geral pareceu-me que no mercado de jogos para Windows Phone encontramos menos lixo que em outros sistemas.

Um outro aspecto que me surpreendeu na utilização do Lumia 800 está relacionado com a música. Para além do Zune Player, onde se reproduz o conteúdo multimédia existente no dispositivo, existe uma outra aplicação dedicada à música – Nokia Music. Nesta aplicação é possível comprar música, ficar a par das novidades e efectuar streaming de música de uma forma semelhante ao Pandora, isto é, escolhe-se um estilo, uma categoria e vamos ouvindo temas que, de certa forma, encaixam nesses parâmetros. Surpreendeu-me a selecção diversificada de música portuguesa onde se encontram artistas mais comerciais como Pedro Abrunhosa ou Clã mas também é possível ouvir B Fachada ou Samuel Úria. Quem quiser pode também ouvir rádio (necessário utilizar headphones).

O MERCADO & APLICAÇÕES

Apesar do número de aplicações estar a crescer (com incentivos pagos pela Microsoft aos developers) não é possível comparar o mercado do Windows Phone à AppStore ou ao Google Play. Mesmo com este handicap a esmagadora maioria das aplicações essenciais já têm uma versão Windows Phone. O grande desafio da Microsoft será convencer as maiores empresas a lançar versões Windows Phone simultaneamente com as versões iOS e Android. Em Portugal é interessante reparar que estão a surgir aplicações dedicadas para este sistema operativo, como por exemplo a Blueticket. Muito provavelmente será com o lançamento do Windows 8 que a plataforma poderá ficar mais perto dos seus mais directos competidores.

Ao contrário do que acontece em Android, onde cada aplicação tem o seu próprio interface, as aplicações em Windows Phone têm o mesmo Look & Feel. Este é sem duvida um factor diferenciador deste sistema. Ou se ama ou se odeia. Eu acho que a forma como as aplicações funcionam é muito inovadora e eficaz. O botão “voltar atrás” torna-se indispensável neste interface e a sua utilização é intuitiva.

ZUNE & BATERIA

Para transferir dados entre o Lumia e um computador é necessário utilizar o Zune, um software gratuito que funciona como gerenciador de conteúdo. Através do Zune é possível subscrever podcasts, comprar música, filmes e transferir todos os dados entre o dispositivo e computador. Como utilizador de dispositivos iOS, habituado a lidar diariamente com o iTunes, esta obrigatoriedade não me choca e até considero ser uma forma bastante mais controlada de efectuar a gestão de conteúdos.

Incompreensível é o desempenho da bateria deste Lumia 800 antes de ter sido lançado o mais recente update. Não nos podemos esquecer que este telefone já se encontra à venda em Portugal desde Janeiro e na realidade a bateria durava meio dia, o que é completamente ridículo. Quase que se conseguia ver a barra da bateria a desaparecer quando ligado por 3G. Felizmente que com o update a situação ficou “resolvida” mas mesmo assim não esperem uma grande autonomia e tenham sempre por perto o cabo de alimentação.

PRÓS

Design
– Sistema operativo intuitivo e fluido
– Integração com o Skydrive e Office
– Excelentes aplicações de mapas, música e navegação da Nokia

CONTRAS

– Desempenho mediano da câmara
– Um mercado de aplicações pouco maduro
– Valor das aplicações acima da média dos competidores (principalmente os jogos)
– Preço pouco competitivo

Resumindo, o Nokia Lumia 800 é um excelente dispositivo e ideal para quem pretende adquirir o seu primeiro smartphone. É também uma excelente opção para quem procura ter uma integração com a suite Office e aceder/editar documentos on the go. Se um dos factores de escolha for a câmara fotográfica, existem, pelo mesmo valor, outras soluções no mercado bastante mais competentes. É importante realçar que ainda não se conhecem as intenções da Nokia/Microsoft em relação à actualização do sistema operativo deste modelo quando estiver disponível o Windows 8.

O Nokia Lumia 800 pode ser adquirido na Vodafone a partir de 179,90€, na TMN pelo mesmo valor e na Optimus a partir dos 249,90€

Nota: Para usufruir dos preços indicados é necessário efectuar um contrato de dois anos com a operadora e com um tarifário específico.

Desbloqueado, o Lumia 800 custa cerca de 455 euros na Pixmania e 520 euros na FNAC.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This