Mars Volta

Uma das maiores surpresas deste ano da musica alternativa norte americana estará em Portugal, num concerto a não perder.

We’re a rock’n’roll band who wants to be a salsa band

Quem o diz é Omar Alfredo Rodriguez-Lopez,  guitarrista dos Mars Volta, banda que irá no próximo dia 4 de Dezembro actuar em solo nacional subindo ao palco do Paradise Garage em Lisboa.

A história desta banda tem início nos At The Drive-In de onde pertenciam Omar e Cedric Zavala. Depois de uma última tournee pela Europa no início do ano de 2001 e devido a uma necessidade de se soltarem de um estilo e método que durante seis anos foi desgastanto o espírito criativo dos seus elementos, a banda separou-se. Este foi o ponto de partida para a existência dos Mars Volta.
Omar e Cedric, amigos de infância e companheiros musicais desde sempre, iniciaram a partir desse ponto um novo projecto que tinha como mote a não existência de barreiras conceptuais e uma grande liberdade criativa. Para os acompanhar, Omar recrutou Ikey Owens, teclista que fazia parte dos Long Beach Dub All-Stars, Jon Theodore, baterista que tocava nos Golden, Eva Gardner para o baixo e Jeremy Ward, amigo de Omar e Cedric e que fazia parte dos De Facto, projecto de dub-experimental do qual os dois ex-ATDI também faziam parte. Ward tornou-se o elemento secreto da banda tratando dos samples e efeitos fora do palco.
Depois da primeira tournee Europeia da banda na Primavera de 2002, juntaram-se ao produtor Alex Newport e gravaram o seu primeiro EP, “Tremulant”. Apenas com 3 faixas e 19 minutos de música, os Mars Volta mostraram a todos, incluíndo os mais cépticos, que estavam na música para criar e para durar. No princípio do Verão de 2002, Eva Gardner abandona o projecto e começam a ser compostas as faixas que iriam fazer parte do primeiro registo de originais da banda.

Um mês antes do lançamento do primeiro álbum, durante uma pausa na tournee que estavam a realiazar com os Red Hot Chilli Peppers, Jeremy Ward foi encontrado morto no seu apartamento. Foi cancelada a segunda parte da digressão mas a data de lançamento do álbum manteve-se inalterada.

Finalmente em Junho de 2003, “De-Loused in the Comatorium” foi oficialmente lançado. Contou com a produção de Rick Rubin e com a colaboração de Flea e John Frusciante dos Red Hot Chilli Peppers, tendo o primeiro participado como baixista em todas as faixas do álbum. Depois das gravações estarem concluídas, os Mars Volta promoveram o seu álbum como banda de apoio aos Red Hot Chilli Peppers, tendo já Juan Alderete como baixista.

“De-Loused in the Comatorium” é um álbum conceptual, baseado numa história criada por Cedric e onde um herói tenta cometer suicídio através de uma overdose de morfina e acaba por ficar em coma durante uma semana atravessando fantásticas experiências nos seus sonhos. Batalhas entre os aspectos positivos e negativos da sua consciência. A eterna luta do bem contra o mal. No fim, acorda do coma mas escolhe morrer. Toda esta história e, por consequência, todo o álbum, serviu de homenagem a um grande amigo de Cedric, Julio Venegas, um artista de El Paso, no Texas, que cometeu suicídio em 1996. Depois de ter estado em coma, acordou completamente desfigurado e decidiu pôr um fim à sua vida.

O álbum consiste em oito faixas que fazem a ponte entre todos os géneros. Podemos encontrar referência de Led Zeppelin, Jane´s Addiction, Miles Davis e até mesmo dos At The Drive-In. São faixas incubidas de género e onde novas ideias e formas são utilizadas na composição do tema, sem qualquer preocupação com a consistência e seriedade.

Depois de terem cancelado o concerto no Festival Paredes de Coura deste ano, finalmente temos a oportunidade de assistir aos Mars Volta. Dia 4 de Dezembro no Paradise Garage. Um concerto a não perder para aqueles que já conhecem e a todos aqueles que gostam de ser positivamente surpreendidos.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This