20171008_modalisboa_day_three_079

ModaLisboa Luz| Dia 3

O último dia da ModaLisboa Luz contou com as obras de arte de Olga Noronha, as peças sempre deslumbrantes de Luís Carvalho e pela irreverência de Filipe Faísca.

,

Uma viagem à índia com o frenesim visual que constrói a paisagem urbana deste país numa multiplicidade de cores, brilhos e danças pelas mãos de Morecco. As cores e os trajes do Rajastão são reconstruídos em modelos mais sportswear, com transparências, tonalidades fortes e materiais imprevisíveis como a mistura de fitas coloridas, PVC e aplicações em pelo e penas descobertas nos souks espalhados por este mundo fora.

Nair Xavier volta à passerelle numa colaboração com Diniz&Cruz, com uma coleção masculina que mistura linhas clássicas, modernidade e tradição. Refletindo simultaneamente a ancestralidade, herança e sobrevivência cultural do povo afrodescendente.  Coube à marca de footwear portuguesa Eureka encerrar a sequência de desfiles realizados no exterior do Pavilhão Carlos Lopes. Sob o mote we´re not afraid to sparkle a marca apresentou uma coleção de calçado moderno e irreverente que nos permite fugir ao comum e abraçar algo novo, sem nunca esquecer o conforto e a qualidade.

20171008_modalisboa_day_three_034 20171008_modalisboa_day_three_030 20171008_modalisboa_day_three_017

Com o piano como pano de fundo Olga Noronha apresenta In|Tempérie. Um conjunto de esculturas usáveis feitas com correntes de aço e resina epoxi pigmentada em tons de branco que se deixavam iluminar pela luz negra que atravessava a passerelle.

A designer angolana Nadir Tati, apresentou desta vez uma coleção mais simples, deixando de parte as peças extremamente adornadas a que nos tem habituado criando modelos mais simples, embora igualmente sofisticados e irreverentes em conjugações de cores fortes como o laranja, o vermelho escuro, o azul o verde e o amarelo.

20171008_modalisboa_day_three_039 20171008_modalisboa_day_three_040 Eagle Eye, uma coleção deslumbrante criada a pensar na estação quente que fez o criador Luís Carvalho ascender a um outro nível no mundo da moda. Uma coleção que se deixou inspirar pela forma e textura da águia para criar as silhuetas únicas que são já assinatura do criador: plissados, ombros estruturados, bolsos de pala, fluidez e silhuetas cintadas com diferentes camadas e proporções. Estas silhuetas formam conjuntos de coordenados que se dividem entre o rosa claro, o bege, o amarelo, o ocre e o azul escuro e que merecem ser aplaudidos de pé.

20171008_modalisboa_day_three_050

Mustra direciona a sua coleção para a Alfaiataria, numa coleção que viaja até Sicília, na Itália, para trazer para o centro da capital portuguesa silhuetas inspiradas nos gloriosos anos 50. A coleção está repleta de silhuetas masculinas simples e clássicas adornadas com lenços e acessórios cheios de cor.

20171008_modalisboa_day_three_031

Filipe Faísca encerrou esta edição da ModaLisboa com a modelo Maria Borges num vestido estilo flapper em dourado e uma plateia inteira a aplaudir de pé. O criador já dispensa apresentações, mas continua a surpreender com os seus coordenados estação após estação, desta vez, através de uma mistura entre o animal print, plissados, peças feitas em cortiça e cores vibrantes como purple rain, lima e verde recife. No final, Filipe Faísca foi igual a ele próprio atravessando a passerelle a dançar e a agradecer a todos os presentes terminando de forma épica pegando na modelo da Victoria’s Secret ao colo.

20171008_modalisboa_day_three_082

Galeria



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This