rdb_mulheresafegas_header

“Mulheres Afegãs – Histórias Por Detrás da Burka”

Este País não é para mulheres

Há livros que são como um murro no estômago. “Mulheres Afegãs – Histórias Por Detrás Da Burka”, pequenos relatos de vidas que habitam a escuridão, é um deles.

O livro surgiu pela pena de Zarghuna Kargar, jornalista afegã refugiada em Londres, e apresenta treze histórias de mulheres afegãs – uma delas a da própria Zarghuna – contadas ao programa radiofónico “Afghan Woman`s Hour”, que esteve no ar na BBC até Janeiro de 2010. O programa tinha um objectivo bem definido: “informar, entreter e enaltecer as mulheres afegãs através do poder da rádio”.

Numa pequena introdução, Zarghuna resume sobre a forma como a situação política, social e cultural no Afeganistão tem evoluído, desde o governo de coligação apoiado pela União Soviética que vigorava no final dos anos setenta, o abandono das forças de ocupação soviéticas em 1989 – seguida da tomada de poder pelos mujahedin – a subida ao poder dos talibãs em 1996 e a queda destes em 2001.

As histórias são comoventes e revelam grandes doses de desespero, mostrando a forma desigual e tortuosa como são tratadas as mulheres no Afeganistão, um País patriarcal onde pouco espaço existe para a feminilidade.

São treze vidas que mostram o que é viver numa sociedade fechada e extremamente complexa, num dos Países mais pobres e perigosos do planeta: a tendência de os pais darem mais valor aos filhos que às filhas; o mundo dos tapetes afegãos, onde as raparigas desempenham um papel de escravas ou máquinas humanas de tecer; a dificuldade de uma mulher viúva prosseguir com a sua vida, perdendo o direito de falar livremente, vestir-se que não de preto, pentear-se ou cuidar da aparência…

Será possível que um dia a cultura afegã e a forma de olhar a mulher se transforme para melhor? Apesar de alguns progressos – “há mais de sessenta mulheres deputadas e muitas mulheres em cargos de poder, no governo local, no sistema judicial e na Comunicação Social…”, tal transformação parece não ser mais do que uma utopia. Zarghuna Kargar deixou o País de origem mas, mesmo numa cidade tão plural quanto Londres, continuou a sentir o peso da cultura afegã sob as mulheres. Onde quer que uma mulher afegã viva, a sociedade afegã e a sua cultura tratá-la-ão sempre da mesma maneira.

Retirado de “Mulheres Afegãs – Histórias Por Detrás Da Burka”

“Aproximadamente 57 por cento das jovens afegãs casam-se antes dos dezasseis anos (segundo o Ministério para os Assuntos Femininos do Afeganistão e várias organizações não governamentais).

O tráfico de droga afegão gera milhares de milhões de dólares por ano e o País produz anualmente cerca de 90 por cento do ópio mundial.

A produção de ópio contribui actualmente com cerca de 4 por cento para o PIB anual do Afeganistão.

As Nações Unidas calculam que aproximadamente 48 por cento das mulheres afegãs são analfabetas.

No Afeganistão, é proibido as mulheres falarem da sua herança.

Segundo um relatório da ONU, um terço da população afegã vive abaixo do limiar da pobreza.”



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This