naked

“NAKED”, de Mike Leigh

Não há como ficar imune.

Falemos de Mike Leigh. Se foi “Life is Sweet” que o lançou para as luzes da ribalta, foi através de “Naked” que indubitavelmente ficámos a conhecer a subtileza do seu cinema, sempre envolto em atmosferas que nunca nos fazem procurar (ou sentir falta) de coerência narrativa.

Tivemos a oportunidade de (re)assistir a esta obra-prima no Leffest, no âmbito da retrospetiva ao seu trabalho, e, apesar de não se tratar de um filme recente (1993), achámos que merecia a nossa atenção e respetivo destaque – ou não lho tivesse dado o próprio festival.

O filme gira em torno de Johnny (David Thewlis), um vagabundo que é também o personagem principal e que nos apela a tudo, menos à identificação. Do alto dos seus 27 anos, rapidamente percebemos que este terá já alcançado a maturidade que o permite compreender que também Deus tem direito a ter dias menos convidativos. Ele personaliza o que é o vazio e o fracasso, e a forma como é possível preencher esse espaço por uma tal de “supremacia intelectual” que não mais é do que uma arma que nos prende, desprende, e deixa nus. E é assim, despidos, que vamos assistindo ao desenrolar das horas na vida de Johny, um ser simultaneamente humano e fantástico, divino e maldito. O filme segue, assim, a trajetória deste anjo (ou demónio) errante, pelas ruas de Londres, onde somos importunados por cada uma das suas interpelações incomodativas.

Há a violada, a namorada, o guarda e a ultrajada. Já Johnny vira ora monstro, ora vítima, dependendo de quem se cruza no seu caminho.

Um filme que é um exame desta solidão vazia de todos nós e que por isso mesmo nos deixa assim, tão nus.

Em Naked, não há como ficar imune.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This