Nitin Sawhney

O conceituado produtor britânico visita Portugal para dois concertos nos coliseus, inseridos no Galp Lounge Tour

Inserido no Galp Lounge Tour, Nitin Sawhney viaja até Portugal para nos mostrar o resultado de uma mistura entre a tradição musical britânica e indiana.

Depois de uma vida inteira a ouvir música britânica fora de casa e música indiana dentro das quatro paredes da sua casa, o resultado não podia ser mais original. O seu reportório musical retrata os sons tradicionais e contemporâneos indianos, flamengo e ritmos latinos, drum’n’bass, tabla misturada com batidas techno e variedade enorme de vozes. Na sua música, Nitin desconserta as barreiras entre a chamada música do mundo, os sons chill out e o house.

Nitin Sawhney lançou o seu primeiro CD, “Spirit Dance”, em 1993. Este registo conseguiu juntar com relativo sucesso a complexa música do norte da Índia e a harmoniosa, mas também complexa, música do oeste indiano. O trio constituído por Pritam Singh (tabla) e Keith Waithe (flauta) e Nitin andou em tournée imenso tempo e conseguiu construir uma legião fiel de fãs à sua música que os seguiam nas suas deambulações musicais.

Em 1995, Nitin juntou-se à editora Outcaste e lançou o seu segundo álbum, “Migration”, a 21 de Agosto de 1995 para coincidir com o dia da Independência da Índia e do Paquistão (14 e 15 de Agosto) e abordava os temas de jornada, transição e ajustamento. Desde o seu título que dava nome ao registo, com registos vocais impressionantes de Natacha Atlas e “Heer Ranjha”, uma rendição moderna da tragédia clássica de amor proibido que inspirou o poema de Waris Shaha, “Migration” foi um triunfo na fusão entre os sons ocidentais e orientais e recebeu calorosas críticas pelo seu sucesso.

Em 1996 é lançado o segundo álbum de Nitin pela Outcaste, “Displacing the priest” que, segundo o próprio, era uma ambição própria e complexa. Trata-se de uma reflexão pessoal sobre a espiritualidade e a religião organizada e os conflitos que podem existir entre as duas. Uma série de particularidades contribuíram para isto: a identidade comum a todos aqueles que nascem num país com origens emigrantes, e a orientação religiosa que muitas vezes ajuda na formação da mesma. “Displacing the Priest” trata de desconstruir este cenário e confiar apenas nos instintos: virar as costas às respostas pré-definidas sobre a religião e os seus fundadores e encontrar uma espiritualidade pessoal noutro sítio qualquer.

Em 2003, Nitin Sawhney elevou o trabalho com o álbum “Human”, depois de ter lançado “Beyond Skin” e “Prophesy”. Continua a sua missão de misturar com sucesso vários estilos musicais com um resultado único. Um álbum que merece ser escutado com calma e atenção e que fará certamente parte do alinhamento dos espectáculos de 16 e 17 de Abril, no Coliseu do Porto e no Coliseu dos Recreios, respectivamente. Dois dias depois, é colocado à venda o último trabalho de Nitin Sawhney enquanto DJ – FABRICLIVE.15, último álbum desta série da editora inglesa Fabric.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This