5bbbf93a2)

NOS Primavera Sound 2019 – Antevisão | Dia 3

O lado feminino do festival será principalmente notório no dia da despedida.

Falta um mês para rumarmos ao verdejante Parque da Cidade do Porto para mais uma maratona de concertos rejuvenescedores e desafiantes, como é apanágio do certame em questão. Uma edição ainda mais focada nas novas tendências sónicas, com uma elevada pegada feminina, e os amigos de sempre espalhados pelo cardápio dos três dias. Por entre portugueses e estrangeiros, famosos e novatos, segue a grelha de escolhas da Rua de Baixo para o NOS Primavera Sound 2019.

8 de Junho (dia 3)

O lado feminino do festival será principalmente notório no dia da despedida. E, desde a soul, à spoken word, passando pelo flamenco, haverá senhoras para todos os gostos musicais em palco.

O realce maior, tal como as letras do cartaz justamente demonstram, irá logicamente para a rainha da nova soul Erykah Badu, desde logo pelas escassas oportunidades que o mundo tem de assistir a uma actuação sua. Não tendo registos de estúdio desde a mixtape “But You Caint Use My Phone”, de 2015, existe a esperança que a senhora Badu nos presenteie com composições novinhas em folha. Independentemente do alinhamento, trata-se de uma ocasião quase única, da qual sairão por certo mais pessoas convertidas ao baduizm.

Ainda pelas águas da música negra teremos Neneh Cherry, que aproveitará a chance para demonstrar ao vivo a elevada qualidade do seu recente álbum “Broken Politics”. Embora pareça algo afastada dos holofotes nos últimos largos anos, Neneh Cherry tem pautado a sua carreira por uma solidez notável, como as suas mais recentes actividades em estúdio patenteiam.

Rosalía é uma das coqueluches desta edição do NOS Primavera Sound, quer se queira, quer não. Pegando no tradicional flamenco (mais puro no seu primeiro álbum) e adicionando-lhe outros sabores, ora mais exóticos, ora mais modernos, a artista catalã foi transportada para o estrelado durante o ano transacto. Colaborando com nomes tão díspares como James Blake ou J Balvin (curiosamente dois nomes também incluídos no cartaz deste ano), Rosalía mostra que não conhece fronteiras, à imagem da falange de fãs que angariou por todos os continentes.

Mudando de tom, mas aumentando a intensidade, Kate Tempest passeará a sua poesia pelos cantos mais obscuros e tenebrosos do gigante jardim portuense. Não tendo a certeza de estarmos completamente refeitos da sua estrondosa performance há dois anos em Paredes de Coura, arriscaremos com o nosso peito aberto a escutar a autora da obra-prima que é “Let Them Eat Chaos”.

Big Thief, Lucy Dacus e Snail Mail são nomes com créditos já firmados no universo do indie rock, mas que ainda têm uma generosa margem de manobra para prosseguir com o seu crescimento, valendo por isso como concertos relevantes no Sábado. Numa vertente ligeiramente mais intimista, Tomberlin lançou a partir de Louisville um dos conjuntos de canções mais interessantes de 2018 e, consequentemente, é mais uma actuação que obrigatoriamente aconselhamos.

Para finalizar as sugestões para o último dia de festival no Parque da Cidade, sublinhamos dois actos construídos em língua portuguesa, ainda que com sotaques distintos: a doce psicadelismo d’O Terno, servido pela voz de Tim Bernardes; e a ressurreição de Lena d’Água, que regressou aos discos depois dos concertos, à boleia dos seus amigos Primeira Dama e Banda Xita.

Os passes gerais para o NOS Primavera Sound estão à venda por 103€ (até ao início da última fase de venda), e podem ser adquiridos em bol.pt, Ticketea, Seetickets, Festicket, portal NOS Primavera Sound e pontos de venda habituais (FNAC, CTT, El Corte Inglés).



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This