NY

Fiquem a conhecer a maior metrópole do planeta. Nova Iorque, um imenso parque de diversões!

Uma viagem a Nova Iorque é um sonho tornado realidade… “Havemos de lá ir!” E de repente estamos a sobrevoar Manhattan, a tentar reconhecer o que só vimos em filmes e fotografias, e ainda nos parece mentira. Não sei se Nova Iorque é a cidade que nunca dorme, a mais cosmopolita e cultural metrópole do mundo ou o local onde tudo acontece… Sei apenas que Nova Iorque é uma cidade arquitectonicamente fabulosa, farta em eventos culturais e manifestações artísticas, uma cidade de gente afável que está de bem com a vida. Uma cidade onde cada um de nós é um potencial nova-iorquino pela diversidade de culturas que ali se cruzam e misturam… E se, ao chegar a Nova Iorque, o seu primeiro destino nocturno for a brilhante e colorida Times Square é um bom presságio, pois vai exclamar comigo: Nova Iorque é um imenso parque de diversões para adultos!

É difícil não nos apaixonarmos por Nova Iorque. Permanentemente invadidos por imagens, histórias e músicas que têm Nova Iorque como inspiração, de um momento para o outro somos nós os actores principais nesta imensa cidade. Já todos ouvimos falar dos incomparáveis museus de Nova Iorque, das luxuosas lojas da 5ª Avenida e dos clássicos musicais da Broadway. Por saber que é uma cidade enorme, que se pode facilmente tornar impessoal, fiquei profundamente impressionada com a simpatia das pessoas com quem nos cruzamos… Enquanto aguardamos que o semáforo nos mande avançar não hesitam em perguntar: “Onde compraste essas botas tão cool?” ou responder com um God bless! ao nosso fugitivo espirro.

Viver a cidade

É Sábado em Nova Iorque! Que ninguém se enfie dentro de casa, é dia de feiras, mercados e vendas de rua. Fechar artérias fulcrais na cidade, como meia dúzia de quarteirões da 5ª ou 7ª Avenidas, é perfeitamente normal, se em causa está um mercado de rua. E manhã cedo o que se encontra por ali? Praticamente tudo! Roupas e bijutarias, batidos de fruta fresca, maçãs do amor e espetadas de carne. Os símbolos de Nova Iorque também lá estão estampados em pijamas e roupa interior e até massagens chinesas nos querem fazer em plena avenida.

Na zona de Chelsea são os mercados de velharias que dominam as atenções dos nova-iorquinos. Ali procuram, semana após semana, aquele soldadinho de chumbo que falta à sua preciosa colecção ou um casaco dos Anos 20 que está de novo na moda. Mas que não se pense que tudo são bagatelas como os inúmeros botões de duvidoso prestígio que vimos por lá. Pelos mercados de Chelsea também passam verdadeiros negociadores de obras de arte e de raridades.

Descendo até Union Square encontramos o Greenmarket. Uma praça marcada por um belíssimo jardim que consegue reunir à sua volta artistas plásticos, músicos, entertainers, algumas das lojas de roupa, sapatos e acessórios mais acessíveis e apetecíveis de Nova Iorque. Mas também, e daí o seu nome, um mercado de rua com uma variedade imensa de flores, legumes, doces naturais, pão e bolos confeccionados em casa… É dia de trazer o carrinho de compras à rua e voltar a casa com um colorido braçado de malmequeres. Durante a semana o mercado recebe grupos de crianças que identificam legumes que até aí conheciam dos livros da escola e provam pela primeira vez o doce sabor do mel de abelhas… Simplesmente: delicioso de se ver.

Se tiver a sorte de se realizar uma parada (desfile ou cortejo, como lhe queira chamar) durante a sua visita a Nova Iorque, não fuja dela. Vista a camisola, aceite o autocolante que lhe dão, bata palmas quando passarem os bravos bombeiros de Nova Iorque tão aclamados na cidade e não negue usar o boné da associação dos descendentes italianos que se passeia em plena 5ª Avenida acenando ao público. Ditaram os dados que estivesse em Nova Iorque durante as comemorações da chegada de Cristóvão Colombo aos Estados Unidos da América. Resultado: dois dias de festa e avenidas fechadas ao trânsito. No Dia da Raça as comunidades da América do Sul mostraram as suas danças, músicas e trajes à cidade. E no Dia de Colombo desfilou a comunidade italiana a viver em Nova Iorque, a polícia, os bombeiros, o exército e também o presidente da Câmara da cidade Michael Bloomberg e a candidata Hilary Clinton.

E o que fazer num final de tarde, qualquer que seja o dia da semana? Muitos nova-iorquinos fazem-no sempre que têm tempo, quaisquer que sejam as condições atmosféricas… Caminhar, correr ou andar de bicicleta… Onde? Escolho o Central Park se me apetecer ser o centro do mundo. Caminho por entre as árvores, descubro os inúmeros lagos e parques infantis para finalmente chegar ao imenso relvado ladeado por frondosas árvores atrás das quais espreitam os enormes prédios de Nova Iorque… Somos mesmo o centro do universo, mas estamos longe de estar sozinhos.

Se me apetecer olhar a cidade de fora escolho passar, a pé, a movimentada Ponte de Brooklyn. Num final de tarde solarengo, a cidade ganha uma tonalidade alaranjada. De um lado, bem ao fundo, vejo a Estátua da Liberdade, pequena e quase que perdida no meio do East River. Olhando no sentido oposto consigo descobrir os fantásticos Empire State Building e o Chrysler Building no meio de uma floresta de edifícios. À minha frente surge o emaranhado de cabos de aço que tecem a impressionante teia que encima a estrutura pedonal da Ponte de Brooklyn.

Com o cair da noite a Times Square é uma das zonas mais luminosas e animadas de Nova Iorque. Os cartazes publicitários dão cor a esta espantosa praça de Manhattan, mas os milhares de pessoas que por ali passam dão-lhe uma vida incomparável. Passam por ali, a caminho da Broadway, para assistir a um musical ou a caminho do Rockerfeller Center onde a pista de gelo se enche de risos e quedas. O cenário é incrível: luzes frenéticas, imagens em movimento, mensagens efémeras saltam dos edifícios para o centro da Times Square. A surpresa é constante! Um casal de noivos, trajado a rigor, atravessa a praça para comer um bagel e um donut no Café Europa; os simpáticos polícias de Nova Iorque fazem pose junto às suas motas e deixam-se fotografar sem descanso; um jovem rapper pergunta-nos todas as noites: “Do you like Hip-Hop, ladies?”; das tampas dos subterrâneos de Nova Iorque saem os fumos que apenas conhecemos do cinema e ao virar da esquina surge mais um grupo de jovens estridentes que pedalam freneticamente numa bicicleta giratória de seis lugares. Conseguem imaginar?

Viver a Arte

Em Nova Iorque encontramos algumas das mais importantes colecções de arte de todo o mundo. Os museus são inúmeros e muito extensos pelo que vale a pena começar pelo que não se quer mesmo perder… o que fica por ver é sempre uma boa desculpa para voltar. No MOMA (Museu de Arte Moderna) estão as mais importantes peças do design contemporâneo, fotografias que contam estórias da história contemporânea e um magnífico acervo de obras dos maiores pintores da modernidade. Picasso, Monet, Manet, Van Gogh, Bacon, Matisse, Warhol, Ernest e Margritte são apenas alguns dos nomes presentes… um festim de boa Arte.

No MET (Museu Metropolitano de Arte) as surpresas começam mesmo antes de entrar… a sua fachada é imponente, os tectos muito altos da entrada denunciam o verdadeiro monstro de cultura que temos pela frente e na bilheteira o impensável… apesar de existir um preço fixo, cada um paga o que entender. Visitado por pessoas de todas as idades detemo-nos para ver a reacção e ouvir as interpretações de diversos grupos de crianças que ali aprendem a olhar lá dos traços que contemplam. Com o aproximar das 17h30 o convite para sair é inevitável e começa a correria desenfreada para ver aquele último quadro ou escultura.

Pelas ruas da cidade vive-se a arte em cada esquina. Para os amantes da arquitectura, Nova Iorque é um imenso museu vivo. As longas avenidas da cidade são delineadas, em altura, por magníficos edifícios que convivem em harmonia. Num edifício vemos reflectido outro, que lhe faz frente, e quando o Sol consegue finalmente penetrar nesta imponente floresta de betão as suas sombras tocam-se.

Se a subida ao Empire State Building é obrigatória, é-o igualmente demorada. Corre-se o risco de começar o passeio durante o dia e quando se atinge o 80º andar já é noite escura. No entanto, a recompensa é imediata: Nova Iorque continua a ser uma cidade surpreendente! No escuro da metrópole descobre-se rapidamente a Times Square, o ponto mais iluminado de Nova Iorque, vê-se a silhueta da Brooklyn Bridge, outro hino à arquitectura, a 5ª Avenida sempre cheia de trânsito e o Chrysler Building, para mim o mais assombroso dos edifícios de Nova Iorque.

Depois de visitar a fenomenal Grand Central Terminal de onde saem cerca de 100 linhas e passam diariamente 500,000 pessoas recomendo esta receita para bem apreciar o Chrysler Building. Comece por ver o edifício de perto, o átrio principal, do lado de fora observe as suas cinematográficas gárgulas e a sua grandeza incomparável. Afastando-se aos poucos vai descobrindo os inúmeros pormenores de grandeza que antes lhe escapavam. A sua cúpula distingue-o de qualquer outra construção e pouco importa se este já não é o mais alto edifício de Nova Iorque.

Viver os Bairros

Andar, andar, andar… É a palavra de ordem em Nova Iorque. Mas que não se dispense o muito eficiente metropolitano que nos transporta da cimeira Midtown até à académica Greenwich Village. Ali preparamo-nos para andar até onde as pernas nos permitam. De repente, estamos numa simpática vila de ruas estreitas e cafés a cada esquina. Para restabelecer as forças entramos num simpático estabelecimento, aqui conhecido por Déli, onde comi o melhor bagel de cebola com queijo creme de toda a viagem. Seguimos viagem com um café muito quente entre as mãos… em Nova Iorque é obrigatório e nós não dispensámos este pequeno aquecedor de mãos portátil. A próxima paragem faz-se junto a uma pequena multidão no Washington Square Park. De um lado lê-se e conversa-se debaixo de um Sol bem quentinho, do outro treinam-se alguns passos de dança de rua e mais ao fundo existe um parque de brincadeiras apenas para cães.

Caminhamos agora na direcção das empedradas ruas do mais glamouroso bairro da cidade, o Soho. Aqui desbravamos algumas das muitas lojas de roupa e acessórios vintage da cidade. Espreitam-se montras, experimenta-se a entrada em algumas lojas e invariavelmente o cumprimento é sempre muito efusivo: Hi! How are you guys doing today? Numa imensa cidade vêem-se os primeiros grafittis nas paredes, os primeiros versos de poesia urbana. Os prédios altos e as avenidas largas ficaram para trás… Como sabe bem fruir a vida tranquilamente, mas por pouco tempo.

A chegada à Chinatown faz-nos regressar temporariamente ao delicioso alvoroço dos mercados orientais. Ali tentamos regatear como aprendemos em Hong Kong e Pequim, não será bem a mesma coisa, mas não saímos do mercado de mãos vazias. É obrigatório parar nas padarias chinesas e não abandonar o bairro sem comer uns bons dumplings e legumes salteados, sempre com dois pauzinhos, claro.

O próximo passo é a visita à grande zona financeira de Nova Iorque onde os atentados de 11 de Setembro de 2001 não são esquecidos. Aquela que é uma das zonas mais estratégicas da cidade é também uma das mais emotivas para os nova-iorquinos. Em frente a um enorme estaleiro de obras, onde antes estavam duas imponentes torres gémeas, relembram-se as vidas perdidas e homenageiam-se profunda e incondicionalmente os bombeiros de Nova Iorque.

São muitas as viagens que se fazem em Nova Iorque… Há quem decida visitar todos os museus e galerias da cidade, percorrer apenas as avenidas comerciais ou passar horas de preguiça na relva do Central Park. Visitar os edifícios emblemáticos da cidade, ver teatro e vaguear pelos bairros mais acolhedores da cidade. Comer especialidades dos quatro cantos do mundo, conversar com quem se senta a seu lado no café ou perder-se pelas inúmeras e belíssimas praças da cidade…

Acima de tudo é imprescindível viver a cidade deixando-se contagiar pela extraordinária essência de Nova Iorque… Ah, e sempre que possível seja nova-iorquino.

A todos os que me perguntaram: “Conta lá, como é Nova Iorque?” eu só consegui responder com um sorriso rasgado e um profundo suspiro: “É uma cidade fabulosa, mudava-me hoje para lá!”



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This