“O dia em que os lápis desistiram” | Drew Daywalt e Oliver Jeffers

“O dia em que os lápis desistiram” | Drew Daywalt e Oliver Jeffers

Uma caixa de lápis com fôlego para pintar o mundo inteiro

Num dia de escola aparentemente igual aos outros dias de escola, o Duarte teve uma grande surpresa quando foi buscar os seus lápis de cera: junto da sua mochila encontrava-se um respeitável monte de cartas, todas a ele dirigidas, atadas com um cordel e o seu nome impresso num reprovador vermelho.

Quando abre a primeira carta e se depara com um furioso lápis vermelho, ameaçando com uma greve geral por ser obrigado a desenhar sem parar – para além de ter de trabalhar em feriados como o Natal e o Dia dos Namorados -, percebe que nunca mais irá olhar para uma folha de papel em branco da mesma forma.

O dia em que os lápis desistiram” (Orfeu Negro, 2014), escrito por Drew Daywalt e ilustrado – magnificamente – por Oliver Jeffers, tem o aspecto de um livro de pantones para os mais pequenos, mostrando-lhes quais as cores que têm ao dispor da sua imaginação para pintarem o mundo inteiro, deixando de lado algumas das convenções coloristas a que foram sendo habituados.

“O dia em que os lápis desistiram” | Drew Daywalt e Oliver Jeffers

Mas nem só o lápis vermelho tem razões de queixa dos hábitos do Duarte no que toca ao desenho e à decisão das cores: o roxo queixa-se de se ver atirado para fora das linhas; o bege vive dias de incompreensão, sendo erradamente chamado de “castanho-claro” ou “amarelo-torrado”; o cinzento que poder pintar também coisas pequenas; o branco vive uma crise de identidade; o preto está cansado de ser o contorno das coisas; o verde, pasmem-se, está feliz da vida, mas aproveita a missiva para dar conta da disputa entre os lápis amarelo e laranja pela cor verdadeira do sol; o azul está à beira do esgotamento depois de anos consecutivos como lápis favorito; o rosa está zangado e aponta o dedo à desigualdade de género; e o lápis cor-de-pele, bem, parece que está com um terrível problema de vestuário.

Tremendamente original e muito divertido, “O dia em que os lápis desistiram” é um tratado das cores para os mais pequenos, que passarão a olhar à sua volta com um olhar tocado pelo arco-íris. Uma das grandes edições de 2014 apontadas aos mais pequenos.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This