olhosminhamae

“Os olhos da minha mãe”

Uma estranha forma de fugir da solidão

Francisca, ainda criança, observa atenciosamente sua mãe, enquanto esta disseca os olhos de uma vaca que, nesse momento, é apenas composta por uma cabeça que descansa sobre a mesa da cozinha. “Tudo o que vemos passa através disto”, explica-lhe, enquanto segura um pedaço vítreo do globo ocular. Olhos, a especialidade da mãe quando era cirurgiã em Portugal. Francisca herdou-lhe o gosto pelo Fado, assim como a técnica necessária para subtrair a visão a um rosto humano, de uma forma assustadoramente imaculada.

Num bucólico dia de sol, um desconhecido aproveita a ausência temporária do pai de Francisca e entra em sua casa com o único intuito de extinguir a vida da mãe. Acaba por fazê-lo de uma forma atroz e despida de significado. Inadvertidamente, o assassino irá moldar os gestos que a pequena criança empregará o resto da sua vida. Nunca procurará vingança mas socorre-se de uma maldade serena e ingénua para tentar fugir da solidão, assim que o pai desaparece por completo. Não deixar de lado o bisturi, a agulha e a linha será talvez o modo que descobriu para se sentir um pouco menos distante dos cuidados maternais.

“Os olhos da minha mãe” é a primeira obra do realizador Nicolas Pesce, que também a escreveu, e este não poderia ter uma melhor estreia nos filmes. Os contrastes carregados do preto e branco e os longos silêncios ampliam a ansiedade já criada naturalmente pelo enredo sólido e imprevisível. A violência chega muda, não há gritos que nos provoquem uma descarga emocional, “apenas” uma calma mórbida, excelentemente interpretada pela portuguesa Kika Magalhães, que nos levará numa agonia constante ao longo dos 76 minutos.

os-olhos-de-minha-mae

O filme é produzido pela Borderline Films e teve estreia mundial no Sundance Film Festival de 2016. Em Portugal, será o próximo lançamento da distribuidora Cinema Bold, estreando-se a 23 de Fevereiro nos cinemas e a 2 de Março em DVD.

“Os olhos da minha mãe” conta ainda com a voz de Amália Rodrigues e a interpretação de Olivia Bond (Francisca em criança), Diana Agostini (mãe) e Will Brill (o caricato assassino).

Para os amantes do suspense e do terror, é um filme a não perder.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This