Os Pontos Negros @ Ritz Clube (13.10.2012)

Os Pontos Negros @ Ritz Clube (13.10.2012)

Num Ritz Clube bem composto, Os Pontos Negros apresentaram “Soba Lobi”, o seu mais recente trabalho discográfico. Durante o espectáculo foram relembrados êxitos passados e houve também espaço para surpresas

Os Pontos Negros estiveram presentes no Ritz Clube, para o concerto de apresentação do álbum “Soba Lobi” de 2012. O álbum foi gravado nos lendários estúdios Abbey Road, em Londres e está disponível para download gratuito no site Optimus Discos.

Foi com «Aprendi Piano Com a Olguinha», tema do álbum homônimo de 2005, que Os Pontos Negros começaram, por volta das 23:30, uma odisseia que se viria a estender por quase duas horas de concerto. Pelo caminho revisitaram o EP de 2007, bem como os álbuns “Magnífico Material Inútil” de 2008 e “Pequeno-Almoço Continental” de 2010. Mas foi obviamente “Soba Lobi”, de 2012, que ganhou principal protagonismo, numa noite em que o Ritz esteve bem composto, mas longe de estar esgotado.

«Tudo Floresce», primeiro single de “Soba Lobi”, iniciou a viagem de apresentação do mais recente trabalho dos Pontos Negros. Ouviu-se de seguida «Eu + Eu = A Ninguém», «Senna» e «Bom Homem», intercalados com músicas de registos anteriores tais como «Magnífico Material Inútil», do álbum com o mesmo nome e «Sub-Zero» do álbum “Pequeno-Almoço Continental”.

Havia uma surpresa guardada para esta noite. A banda prometeu e cumpriu! João Coração, companheiro dos Pontos Negros na editora FlorCaveira, foi convidado a interpretar o tema «Muda Que Muda», presente no seu álbum de 2009 com o mesmo nome. Segundo o quarteto de Queluz, esta participação seria o “renascer das cinzas” de João, que soube agarrar a oportunidade e não deixou mesmo nada a desejar.

“Quem é que hoje foi à manif?… Em homenagem a Lisboa, vamos cantar esta canção!” foram as palavras da banda para o tema «Lisboa, Não Passas Deste Inverno» que, em conjunto com «Caminhos de Ferro» e «Duro de Ouvido», relembraram o disco “Pequeno-Almoço Continental”.

Até ao final houve mais “Soba Lobi” através de «Prolongamos o Sonho» e «Gabriela», mas foi em «Conto de Fadas de Sintra a Lisboa», do disco “Magnífico Material Inútil”, que se sentiu maior reação por parte do público, que cantou, saltou e dançou ao som de um dos maiores clássicos da banda. O concerto viria a encerrar com «Negrume», do álbum “Soba Lobi”, debaixo de uma grande salva de palmas por parte do público. Mas não seria o fim…

“Encore?”, “mesmo?”, “puxa…”, foram as palavras projectadas na tela, que incentivaram a audiência a manifestar-se pelo regresso da banda ao palco. O público reagiu e os Pontos Negros subiram para mais cinco temas. A clássica «Rei Bã» abriu o encore e encerrou a visita ao “Pequeno-Almoço Continental”, assim como «Queda e Ascenção» findou a apresentação de “Soba Lobi”. Houve ainda tempo para a «Canção Da Lili» do EP de 2009, mas o concerto chegou ao fim com «Depois da Bonança Vem a Tempestade» e «Armada de Pau», do álbum “Magnífico Material Inútil”.

No final a satisfação era geral. Os Pontos Negros conseguiram não só apresentar o seu último álbum de forma exemplar, como relembraram temas antigos àqueles que já acompanham o grupo desde 2005, mesmo depois das dificuldades que a banda atravessou com a crise fonográfica. Esperemos que seja este regresso mantenha os Pontos Negros em actividade por muitos mais anos!

Fotografia por José Eduardo Real.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This