rdb_artigo_pjharvey

PJ Harvey e John Parish

Ao vivo no Clubbing - Casa da Música. 2 de Maio.

No próximo dia 2 de Maio, PJ Harvey e John Parish apresentam ao vivo no Porto, inseridos em mais uma noite Clubbing, “A Woman A Man Walked By”, o novo disco que acaba de ser editado.

O entusiasmo e expectativa de ouvir o resultado desta parceria, doze anos após “Dance Hall At Louse Point”, o primeiro disco da dupla, de 1996, levou a que os bilhetes esgotassem em menos de meia-hora.

Para além do frenesim da novidade, a verdade é que Polly Jean tem um enorme culto entre nós, e o facto de não ter apresentado em Portugal o seu anterior trabalho “White Chalk”, de 2007, também terá certamente contribuído para aumentar a “água na boca” dos inúmeros fãs da songwriter britânica que, às dezenas, acorreram à Casa da Música para aqduirir o tão precioso bilhete. Por outro lado, graças aos voos low cost assistiu-se a uma inédita procura online, com uma percentagem considerável dos bilhetes a serem vendidos para Espanha – mais de metade -, França, Itália e Irlanda (de acordo com fontes da Casa da Música ouvidas pela Agência Lusa).

John Parish é um colaborador de longa data de PJ Harvey, tendo sido responsável pela produção de um dos seus melhores álbuns, o clássico “To Bring You My Love” (1995), e também do recente “White Chalk”. Se neste último álbum PJ Harvey explorava essencialmente ambientes musicalmente mais calmos e melancólicos, no que muitos viram como um sinal de amadurecimento, em “A Woman A Man Walked By” regressa frequentemente a um registo mais tipicamente indie rock, que conjuga com temas mais próximos da folk e blues – num registo obscuro que remete para a anterior colaboração da dupla.

Parish é um compositor profícuo e eclético, o que certamente inspirou Polly Jean a assumir diversas personas, às quais deu vozes diferenciadas (ora femininas, ora masculinas), num registo que alguns críticos e melómanos têm comparado com Nick Cave (com quem teve um atribulado relacionamento amoroso e colaborou no seminal “The Boatman’s Call”). Mas a excessiva (?) diversidade e, por vezes, experimentalismo, tem também levado a que muitos considerem este disco como um exercício inconsequente, uma espécie de parentesis na discografia da PJ Harvey, afirmando que “A Woman A Man Walked By” abre essencialmente espaço para que a cantora britânica “respire”, se inspire para, aí sim, retomar novamente os discos em nome próprio (após a relativa insatisfação que “White Chalk” provocou junto da crítica e dos fãs).

O cepticismo não impede, contudo, que a digressão europeia de Harvey e Parish esteja já quase completamente esgotada, o que é certamente revelador do enorme carisma que Polly Jean mantém, permanecendo como um dos mais ícones do rock da actualidade!

«Black Hearted Love» é o primeiro single de “A Woman A Man Walked By” e o videoclip já pode ser visto nos canais habituais e no youtube.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This