“Resgate” | David Malouf

“Resgate” | David Malouf

A reinvenção de dois homens

Nascido em 1934, David Malouf é, de entre os escritores australianos, o mais premiado e aclamado, sendo o Nobel um destino mais do que provável nos anos imediatos. Quatro anos após a sua edição original – e dez depois do seu último romance –, a Bertrand Editora lança entre nós “Resgate”, um livro que, de tanto poder e fascínio que emana, poderia ser confundido com um momento de ilusão de um inspirado David Copperfield.

Em “Resgate”, Malouf viaja no tempo para reinventar a história de dois homens cuja vida se deixou congelar por um instante trágico. De um lado temos Aquiles, temível e respeitado guerreiro e chefe dos gregos, que durante o cerco a Tróia vê morrer o seu amado Pátroclo; do outro lado da barricada está Príamo, rei dos troianos, cujo filho Heitor foi morto por Aquiles num acto de vingança.

Tudo aqui está envolto numa prosa mágica e intemporal, onde não há uma linha que consiga quebrar o encanto. O livro está como que dividido em três momentos (que abrangem as cinco partes do livro); no primeiro seguimos a vida de Aquiles, um guerreiro que, quando não está a combater, está a lavrar a terra, sabendo que um dia a ela irá regressar. Através da relação com a mãe que, de tão intensa, quase nos faz sonhar com incesto, experienciamos o fim da adolescência e a entrada na idade adulta. Um ano após o assassínio de Pátroclo às mãos de Heitor, Aquiles não deixou ainda partir o espírito do amante – que lhe pede a liberdade -, nem voltou a exercer o seu papel de chefe. Vive num ciclo vicioso e rotineiro, arrastando diariamente o corpo de Heitor pelas imediações da cidade, atrelado a uma carroça, sem contudo sentir algo que o mova – «…o seu espírito de corredor abandonou-o. É do peso telúrico, dentro de si, de todos os seus órgãos, a começar pelo coração, que ele tem de se livrar para voltar a ser ele mesmo.»

No segundo momento deixamos o cerco e saltamos as muralhas para a vida no interior de Tróia, onde Príamo, pai de Heitor, vive angustiado com o espectáculo diário encenado por Aquiles. Até ao dia em que decide resgatar o corpo do filho, numa missão em que desce do pedestal para se apresentar perante Aquiles quase como um escravo, aquilo que em tempos foi e poderia ter sido durante toda a sua existência. Nessa viagem será acompanhado por Sómax, um simples carroceiro, pouco habituado a lidar com o luxuoso e complicado mundo de reis e príncipes. Príamo começa então a descobrir o mundo, bem como a própria vida que julgava extinta – «O que quer que tenha sido, acabou ou, misteriosamente, acabou de começar.»

O terceiro momento é do encontro entre Aquiles e Príamo, e sobre como, a partir desse instante – bem como da partilha quase silenciosa sobre a dor de ambos -, acabam por se reinventar como homens e guerreiros.

Num livro onde os deuses espreitam a cada página, David Malouf oferece-nos uma história comovente sobre a perda e o recomeço, em que dois heróis trágicos esquecem, por um momento, que estão separados por um fosso profundo. Mágico.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This