rdb_artigo_rockabilly

Rockabilly

60 anos a fazer abanar ancas pelo mundo inteiro.

Adorado por muitos e desconhecido pelos restantes, o rockabilly anda desde os idos anos 1950 a abanar ancas por todo o mundo. Nascido nos E.U.A., a partir de uma mistura entre country-boogie, hillbilly e rhythm & blues, é um subgénero do rock and roll caracterizado pelo uso da técnica slap-back em guitarras e contrabaixos. O resto é história, com nomes como Bill Haley, Elvis Presley, Carl Perkins, Buddy Holly ou The Stray Cats a tornarem-se referências incontornáveis. Mas estará o género vivo em pleno ano 2009?

Se passearmos por Lisboa e Porto, facilmente descobrimos locais com traços comuns. Além da música e da decoração, roupas típicas dos anos 50, penteados a condizer e tatuagens com fartura compõem o ambiente. Concertos de bandas rockabilly também não faltam. E a prova de que estas estão em voga é, por exemplo, o fim-de-ano organizado pelo Cabaret Maxime com concerto dos 49 Special.

Numa tentativa de percebermos quão activo está o género e o que fascina os seus seguidores, abordámos dois dos mais conhecidos projectos nacionais; os Texabilly Rockets e Ruby Ann, portuguesa que se mudou para a América do Norte para se dedicar por completo ao sonho rockabilly.

Ruby começa por dizer que não percebe se existe actualmente uma “cena”, ou antes “o continuar de algo bastante antigo”. Opinião similar à de Ruy, dos Texabilly Rockets, que diz que “existe uma “cena” que não é de agora e que se estivermos a falar de Portugal aparece nos finais dos anos 80, mas que no resto da Europa praticamente nunca deixou de existir”. Em parte, pela presença norte-americana após a 2ª Guerra Mundial, já que “trouxeram, transmitiram e enraizaram muita da sua cultura, em especial na Europa Central, em países como a Alemanha ou Holanda e França, já para não falar nos países nórdicos como a Suécia e Finlândia onde o movimento rockabilly continua a ser muito grande”.

Pelo contrário, Ruy diz-nos que o que existe hoje é um maior nível de informação e recursos como a Internet, “que facilita a comunicação de um concerto ou festa, ou simplesmente o surgir de uma nova banda”. Nota também um maior interesse “por parte das pessoas de outras ondas pelo movimento e em participarem em eventos”, algo saudável, até porque, “ao contrário daquilo que muita gente diz, o rockabilly não é uma cena assim tão fechada”.

Apesar de não estar a viver em Portugal, Ruby acredita que “a vontade das pessoas” em acompanhar o movimento “é forte e, de uma maneira ou de outra, os festivais vão acontecendo pelo menos uma vez por ano. Infelizmente, os meios financeiros são escassos e é difícil mantê-los activos.” Já Ruy diz-nos que basicamente o gosto pela música é a essência de tudo. “É um estilo de execução diferente do habitualmente tocado em outras ondas. Normalmente é música alegre, que transmite boa disposição e apela à festa e divertimento. É a celebração da alegria de viver.”

Ruby acrescenta que as pessoas actualmente interessam-se pelo género pela novidade, a música e a alegria dos concertos. E quanto às razões que podem levar alguém a acompanhar de perto o movimento… “talvez as roupas, os amigos que se criam e a música que te faz vibrar… mais cedo ou mais tarde descobres que existem mil e uma músicas dentro do género que ainda não ouviste e o ciclo não tem fim. Estou envolvida nisto há quase 15 anos e ainda ando a descobrir coisas e sons!” Para Ruy, o rockabilly não é “uma moda. É um estilo de música simples na concepção, mas de um efeito demolidor e de uma entrega por parte de quem o pratica capaz de contagiar qualquer pessoa com gosto em ouvir música alegre, ritmada, enérgica, descomplexada e sem faixa etária ou estrato social restrito como destino. É um ritmo que se entranha, é pura celebração de pessoas absolutamente normais mas com um gosto muito específico.”

Além de Ruby Ann & The Boopin Boozers e os Texabilly Rockets, o movimento mantém-se activo em Portugal pelas mãos dos Mean Devils, Dixie Boys, 49 Special, High Notes ou Alley Kings, entre muitos outros. Estamos a um passo de um viagem ao passado.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This