Romeu e Julieta_Filipe Ferreira_01

ROMEU E JULIETA

Nos dias bons em que o amor não mata… Romeu e Julieta é um poema de luz presente na própria ausência.

De 14 Fevereiro a 1 Março na Sala Garrett do Teatro Nacional D.Maria II

O clássico texto de William Shakespeare, com versão cénica e encenação de John Romão, a partir da tradução de Filomena Vasconcelos.

João Cachola e Mariana Monteiro são Romeu e Julieta… e correm vertiginosamente para um amor utópico sem finalização… ou para a morte.

 

Boa noite,

Ide…

Buscar uma escada para o nosso amor trepar

Até ao destino mais alto!

Mais luz…

Está a falar mas nada diz.

Estranho amor…

Nasceu meu único amor, meu único ódio.

Amar pudesse eu…

Os teus olhos falam.

Amas-me!

Não jures,

Embora me faça feliz.

E eu a teus pés,

Pra te seguir pelo mundo fora,

A minha dádiva tem um limite de amar.

Onde estará Romeu?

Nem só dois morrem – há mais por consequência.

Como é que estás sem fôlego se o tens para me dizer que não tens?!

Que disfarce vos dei eu…?

Morte devorada pelo amor.

E que mal tem isso?

Sonho doce e lisonjeiro demais…

– Boa noite!

– Boa noite!!!

 

É um facto que não importa os séculos que passem sobre esta história de amor – será sempre uma inspiração para interpretações diversas nas mais variadas formas de arte.

 

Nesta encenação inovadora de John Romão, existe o foco sobre dois conceitos – a velocidade e um questionamento constante do lugar do corpo na contemporaneidade. “Onde é que estão estes corpos?” Há uma dúvida permanente! E pelo meio da velocidade de tudo o que acontece em cena, numa ambiguidade inerte, somos arremessados para uma dualidade de sentimentos onde é possível confundirmo-nos e identificarmo-nos simultaneamente com a realidade dos nossos dias existencial e sentimentalmente.

“Antes, havia uma dualidade concreta – ou era luz ou escuridão; estou ausente ou estou presente; ou morro ou nasço… hoje, há imensas coisas que acontecem sem lugar concreto! É um não-lugar” – diz John Romão.

Todo o dispositivo visual é mágico por esse mesmo motivo – basta a luz e o efeito para criar uma parede cénica quase intransponível quando, na realidade, o simples mover de um braço num espaço mínimo, destrói o inatingível.

Toda a cena decorre durante a noite e indicia transgressão… “a força do teatro é ver a transgressão a acontecer à nossa frente… e seria o apocalipse se todos transgredíssemos ao mesmo tempo… ou não…!”

Nesta interpretação de Romeu e Julieta não vemos o mesmo amor romântico, mas vemos a mesma pulsão numa efervescência de sentimentos tão próximos e tão distantes, onde a ansiedade do beijo e do toque urgente existem de tal forma concreta que explodem numa concretização utópica do desejo não físico.

Se nos atrevermos a comparar esta peça com a velocidade e o individualismo dos nossos dias, na verdade, já não é mesmo necessário que algo aconteça fisicamente, para na verdade ter acontecido. Todas as novas tecnologias nos “teletransportam” para o que está a acontecer no momento sem ser necessário ter acontecido connosco ou de forma física, tanto nos aproximam como nos afastam, é um facto. No entanto, se nos auto-analisarmos de uma óptica exterior ao nosso corpo físico, quase podemos comparar-nos aos “deuses” com a capacidade de estarmos presentes em todos os lugares ao mesmo tempo mas sem estarmos fisicamente em lugar nenhum. E somos capazes de viver a uma velocidade vertiginosa. Fazer e viver tudo ou quase tudo ao mesmo tempo e pensamos saborear a concretização de tudo o que desejamos.

Romeu Montecchio e Julieta Capuleto, são dois adolescentes cuja morte acaba por unir as suas famílias em prol do mais puro e verdadeiro dos sentimentos de um amor juvenil.

Surge-me a pergunta:

– E “nós”? Deuses supremos de nós mesmos vivemos em prol de que amor? De que vida? De que missão? E será que os deuses descansam?

A única resposta que encontro nesta busca interior é:

– Nós?! Nós já não…! Mas os deuses verdadeiros sim… finalmente descansam em paz… porque nós lhes facultámos esse direito com esta sede insaciável de omnipresença em todos os nossos amores, vidas e missões.

 

Ficha Artística

texto William Shakespeare
versão John Romão, a partir da tradução de Filomena Vasconcelos*
encenação e cenografiaJohn Romão
dramaturgia John Romão, Marta Bernardes
com João Arrais, João Cachola, João Jesus, Mariana Monteiro, Mariana Tengner Barros, Matamba Joaquim, Rodrigo Tomás, Rui Paixão e participação de Gonçalo Menino, Salvador Graça ou Vasco Venâncio
desenho de luz Rui Monteiro
desenho de som Daniel Romero
figurinos Carolina Queirós Machado
bandeiras Horácio Frutuoso
apoio à cenografia F. Ribeiro, Pedro Jardim
produção executiva Patrícia Soares | Produção d’Fusão 
produção Colectivo 84
coprodução Teatro Nacional D. Maria II
residência artística O Espaço do Tempo
 
*editora Relógio D’Água e CETAPS – Centre for English, Translation and Anglo-Portuguese Studies.
 
 
M/12
 
duração 1h30 (aprox.)
 
O Colectivo 84 é uma estrutura apoiada pelo Ministério da Cultura / Direção-Geral das Artes
 

 



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This