Rua aos Quadradinhos

Homem Aranha: Azul.

Jeph Loeb soube cedo na vida o caminho que queria seguir e, se conquistou o seu grande sonho de escrever sobre o seu super herói preferido, o Super-Homem, não deixa de ser irónico que, alguns dos seus melhores trabalhos tenham sido feitos sobre Batman, como o aclamado “The Long Halloween” vencedor de dois prémios Eisner, incluindo o de melhor série de 1999.

Depois do sucesso atingido na DC Comics, com livros como o mencionado “The Long Haloween” ou “Dark Victory”, a dupla Jeph Loeb e Tim Sale iniciou um novo projecto bastante colorido na Marvel Comics, criando livros como “Daredevil: Amarelo”, “Hulk: Cinzento” ou este muito interessante “Homem-Aranha: Azul”. E porquê azul e não outra cor? Muito simplesmente porque esta é uma estória de amor e tristeza, de perdas e saudade, porque esta é uma estória azul.

A origem do Homem-Aranha sempre teve o seu lado dramático. Começando no dia em que, por um capricho, deixou escapar o homem que viria a ser responsável pela morte do seu tio Ben, teve de aprender da pior forma que “com grande poder vem grande responsabilidade”.

Mais tarde perdeu o primeiro grande amor da sua vida, quando o Duende Verde (Norman Osbourne) atirou Gwen Stacy de cima da ponte de Brooklyn, atormentando-o durante anos, pela dúvida se ela já estaria morta antes de ser atirada ou se seria ele o responsável ao ter usado a sua teia para impedi-la de cair. Também aqui, como é demonstrado no livro, a morte de Gwen poderia ter sido prevenida, quando Peter tem a oportunidade de escolher entre salvar o Duende ou deixá-lo às portas da morte. Questiono-me no entanto se um verdadeiro herói tem mesmo essa escolha. Mas chega de falar em tragédias, esta estória não pretende recordar a morte de Gwen Stacy, mas sim recordar a vida.

“Homem-Aranha: Azul” é por excelência uma estória carregada de sentimentos nostálgicos, a começar na dedicatória aos clássicos, Stan Lee, Steve Ditko e John Romita Sr., passando pela arte de Tim Sale que nos remete para o estilo de desenho dos anos 50 e terminando na própria estória em si, onde, através dos pensamentos de Peter Parker, recordamos o seu primeiro grande amor e de como ele e Gwen Stacy “quase não se apaixonaram”.

Estamos no dia de São Valentim e por alguma razão Peter decide gravar esta estória, talvez porque mereça ser lembrada ou porque simplesmente, como ele menciona, “as pessoas permanecem em nós enquanto nos lembrarmos delas”. E através das suas palavras somos remetidos para o tempo em que Peter iniciava a sua vida universitária e se encontrava na fase de transição entre Peter marrão e Peter Popular.

Em qualquer estória de amor existe sempre um triângulo amoroso, e neste caso a competição é elevada. Por um lado, Gwen Stacy e, por outro, Mary Jane Watson, curiosamente a futura esposa do Homem-Aranha. É claro que enquanto Peter se aproxima destas duas raparigas, o Aranha tem de lidar com problemas maiores e descobrir quem anda a reunir vários vilões na tentativa de o matar.

E porque azul é a cor dos Blues e do Jazz, não deixa de ser muito interessante a ideia dos autores terem escolhido clássicos da música Jazz para dar nome aos capítulos desta saga. As próprias letras das canções estão no livro e encontram-se em perfeita sintonia com este Aranha azul e melancólico. Para aqueles que quiserem ouvir as músicas enquanto lêem o livro, os autores também aconselham quais as versões, como uma «My Funny Valentine» de Lorenz Hart e Richard Rodgers interpretada por Miles Davis e John Coltrane ou uma «Anything goes» de Cole Porter interpretada por Ella Fitzgerald. 

Uma vez perguntaram-me porque gosto tanto deste livro. A resposta é muito simples: porque é uma estória de amor azul. E afastando-nos um pouco do Jazz, já diziam os Placebo: “All alone in space and time, there’s nothing here but what here’s mine, something borrowed, something blue, every me and every you.”



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This