rdb_sanjo_header

Hey, olha para os pés

Elas estão de volta!

Borracha vulcanizada e lona. É com uma conjugação tão simples quanto esta que a Sanjo tem vindo a conquistar gerações e a fazer história. E para os que julgavam que já não era possível encontrar umas Sanjo, temos novidades: elas estão de volta. E em força.

Foi em 1914 que a Empresa Industrial de Chapelaria, Lda. nasceu, em S. João da Madeira, com o intuito de produzir chapéus. Em 1948 iniciou a produção de calçado desportivo para a equipa de basquetebol local (Sanjoanense). Começa assim o percurso destas sapatilhas portuguesas que na década de ’60 inspiraram a empresa a criar o slogan “Os chapéus Joanino e o calçado Sanjo servem Portugal da cabeça aos pés”. A aposta do produto incidia no conforto e durabilidade, o que levou a uma rápida conquista do mercado, tornando as Sanjo num ícone de popularidade dos anos 70 e 80. Poucos são aqueles que, à época, não tiveram umas Sanjo nos pés, como afirmação de estilo e personalidade. E, como se não bastasse, esta fama foi além-fronteiras, tendo largo reconhecimento internacional.

No entanto, em 1996, com o aumento da concorrência e um declínio que se vinha a adivinhar desde o final da década de ’80, a empresa declarou falência, acabando a Fersado por comprar a patente Sanjo em hasta pública. A empresa aguarda a melhor altura para lançar a marca no mercado como uma nova linha de calçado. É em 2008 que, pela mão de Paulo Fernandes, administrador da empresa, se começa a delinear um novo futuro para a marca: uma aposta de 500.000€ no pico da onda revivalista pretende colocar as Sanjo de novo no mercado, desta vez orientadas a um segmento médio/alto.

A jornada começa pela procura de sapatarias com stock antigo, na esperança de encontrar alguns exemplares e com o intuito de desenvolver os novos modelos. Surgem assim o modelo K100, com cano, e o modelo K200, sem cano. Inovando no design mas mantendo os traços distintivos da marca, as Sanjo conquistam os mais velhos pela nostalgia e os mais novos pelo design e conforto. O único senão encontrado pela empresa residiu no facto de, em Portugal, já não existirem fábricas que produzam borracha vulcanizada, tendo que levar a manufactura para a China.

Para o Verão de 2012 a Sanjo desenvolveu uma colecção de 60 sapatos e botas, apostando com força nas diferentes cores e incluindo no seu portefólio, não só as já conhecidas K100 e K200, mas também as K100Júnior (versão para crianças, com velcro em vez de cordões), as Sanjo de edição especial Xutos e Pontapés, as Sanjo K100 LHZ (com texturas e acabamentos metalizados), as Sanjo FK (versão mais sóbria, em vertente feminina – KF1000- ou unisexo – KF1200) e as Sanjo KS (ideais para a prática desportiva).

As conjugações prometem agradar a miúdos e graúdos e um furor tão grande como outrora é mais do que expectável.

E para quem acha que as Sanjo tinham ficado para a história, nós antevemos: este é só mais um capítulo que parece estar bastante distanciado do final.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This