rdb_PSVITA_header

Sony Playstation Vita

O mais avançado e inovador sistema de jogos portátil. As primeiras impressões da nova coqueluche da marca japonesa.

Depois de um ano para esquecer (terramotos, hackers e tsunamis), a Sony tem, em 2012, um ano decisivo. Apresentada e lançada no final do ano passado no Japão, a PS Vita é o grande trunfo da marca japonesa e chega este mês ao mercado europeu. Na realidade, é o ramo “Playstation” que tem servido de pilar a uma marca que precisa de se definir em muitos dos seus produtos. Se antigamente era senso comum que, por exemplo, uma televisão Sony era o topo de gama e que a diferença de preço era perfeitamente justificável, hoje em dia isso já não é verdade. O que continua a ser verdade é que em consolas portáteis, nada se compara a uma Sony.

Tivemos oportunidade de experimentar a PS Vita durante cerca de uma hora e deixamos aqui as nossas primeiras impressões. Contamos publicar uma review mais detalhada da consola assim que possível.

Ao pegar pela primeira vez numa PS Vita, a principal característica que “salta logo à vista” é o fantástico ecrã OLED (diodo orgânico emissor de luz) multitoque de 5 polegadas. É grande, encaixa na perfeição na estrutura da consola e é um enorme upgrade em relação à PSP. Para além do ecrã, o peso é também uma das features mais impressionantes. Embora seja, “no papel”, um pouco mais pesada que a PSP 3000, parece ser mais leve. Esta sensação está associada ao design e tamanho da consola. A PS Vita tem dois controlos analógicos (algo que foi bastante solicitado pelos utilizadores da PSP) e os “normais” controlos existentes na PSP. A única diferença entre uma PS Vita e um Dualschock 3 da PS3 é a não-existência do L2/R2 e o tamanho dos botões, bastante mais pequenos. Ganha o design, perdem os utilizadores com dedos mais grossos.

A PS Vita está recheada de novidades e sem dúvida que uma das maiores está na parte traseira da consola: uma superfície táctil. “Preenchida” por centenas de triângulos, quadrados, círculos e cruzes, esta superfície irá permitir uma nova interacção com os jogos. Sendo assim, para além dos controlos “normais” será possível utilizar o multitoque no ecrã e a traseira da consola para ter controlos adicionais. Exemplo: no FIFA Soccer, a parte traseira da consola é a baliza, isto é, se quisermos rematar para o canto inferior direito da baliza basta carregar na parte traseira nesse mesmo ponto.

 

As câmaras frontal e traseira (para além de capturar imagem – fotografia e vídeo) possibilitam experiências de realidade aumentada nunca antes vistas, tornando cada vez mais ténue a linha que separa a realidade do entretenimento interactivo. Neste “primeiro encontro” com a PS Vita não tivemos oportunidade para testar a qualidade dos vídeos e fotografias.

Com a PS Vita “entramos” numa nova fase da realidade aumentada para a PlayStation. Seis cartões de realidade aumentada ficarão disponíveis com o lançamento de alguns jogos gratuitos, descarregáveis a partir da PlayStation®Store, e vão permitir aos jogadores desfrutar da totalidade das capacidade da PS Vita ao nível da realidade aumentada.

A PS Vita será a primeira consola de jogos a utilizar tecnologia WAAR (Wide Area Augmented Reality). Ao contrário dos habituais cartões únicos de realidade aumentada, a WAAR utiliza seis cartões e permite uma área de jogo muito maior da que os jogadores utilizavam anteriormente.

A PS Vita irá também suportar realidade aumentada sem marcador, o que significa que não precisará de cartões. O adicionar desta tecnologia cativante significa que os jogadores terão muito mais para jogar e partilhar logo a partir do dia de lançamento da PS Vita.

O sistema operativo, proprietário da Sony, é simples, intuitivo e apelativo. A navegação poderá ser efectuada através do toque ou com os controlos. A Sony aposta forte na vertente social, tendo desenvolvido diversas funcionalidades:

Party possibilita-te desfrutar de conversações de voz e texto com amigos, não apenas quando estão a jogar online, mas também quando estiverem a jogar diferentes jogos ou usar diferentes aplicações;

Live Area é um portal interactivo que te possibilita a ligação aos teus contactos e ao seu conteúdo. Os jogadores podem ver as mais recentes notícias, receber updates de jogos dos seus amigos e comentar o que estes disseram;

Near é uma funcionalidade que te permite descobrir o que os teus amigos dentro da mesma área estão a jogar e partilhar e descobrir prémios que podem ser usados no jogo. Através da simples partilha de informação, podes encontrar os teus amigos e novos jogadores, independentemente dos jogos que estiverem a jogar;

Cross-Play é a capacidade de jogar, em tempo real, entre diferentes plataformas. A PS Vita pode ligar-se sem fios à PS3, permitindo que os gráficos da PS3 possam ser vistos no ecrã OLED da PS Vita.

Paralelamente às aplicações sociais próprias, a PS Vita vai também reforçar a sua experiência de entretenimento, através da estreita colaboração com vários serviços de redes sociais e comunicações.

As aplicações estarão disponíveis para download para a PS Vita directamente a partir da PlayStation®Store sem encargos adicionais. As aplicações para redes sociais disponíveis a partir do lançamento são: Facebook, Foursquare, Twitter, Skype, Flickr.

A PS Vita estará disponível em dois modelos no lançamento (22 de Fevereiro): o modelo Wi-Fi (PVP aproximado – 250€) e o modelo 3G/Wi-Fi (PVP aproximado – 300€).

 

 

Embora exista a possibilidade de colocar um cartão SIM numa PS Vita, não será possível efectuar chamadas. A Sony quer posicionar a PS Vita no mercado de consolas portáteis onde não existe qualquer dúvida que irá entrar logo no topo. A PS Vita é para gamers. Não existindo a possibilidade de fazer chamadas, a PS Vita não irá estar a competir com os mais recentes smartphones. Este é sem dúvida um factor diferenciador muito importante. Mas será que esta é a última consola “dedicada” da Sony?

Ao contrário do que muitos esperavam, a Sony continua a apostar no formato “físico” para distribuir os jogos (a experiência da PSP Go parece não ter “vingado”). Sendo assim, a PSVita tem dois slots para cartões e ambos proprietários: um slot para um cartão de memória; um slot para um PlayStation Vita Card (o jogo). Os jogos “em cartão” custarão entre 30 e 50 euros, sendo que irá existir sempre a possibilidade de comprar através da PlayStation®Store com desconto.

Uma nota para a bateria. A Sony indica que um carregamento permite entre 3 a 5 horas de gaming. Não tivemos possibilidade de testar mas caso sejam esses os “números” parece-nos um pouco abaixo do ideal, mas perfeitamente aceitável.

É a jogar que todo o “poder” da PSVita é “libertado”. Se muitos consideravam a PSP como a extensão da PS2 em modo portátil, jogar numa PSVita é como jogar numa PS3 num ecrã de 5 polegadas (ou pelo menos muito semelhante). Tivemos oportunidade de experimentar alguns jogos e em todos apresentaram tempos de carregamento bastante curtos. Mesmo sendo muito poderosa graficamente, é possível pausar um jogo e voltar ao menu principal (ou ir para uma outra aplicação) em segundos.

De todos os jogos que tivemos oportunidade de jogar, de destacar o Uncharted™: O Abismo Dourado (graficamente irrepreensível), FIFA Soccer (igual ao FIFA 12 para PS3) e Escape Plan, sendo que este último, um exclusivo Sony, totalmente a preto-e-branco, cativa pela sua simplicidade e originalidade.

Para o lançamento da PS Vita, está preparado um dos melhores line-ups de kick-off de uma consola alguma vez realizado.

Lista de títulos SCEE confirmados para o lançamento a 22 de fevereiro de 2012:

• Uncharted™: O Abismo Dourado
• WipEout® 2048
• Reality Fighters
• Little Deviants
• ModNation Racers™: Road Trip
• Everybody’s Golf®
• Escape Plan
• Top Darts
• Hustle Kings
• MotorStorm® RC

A já extensa lista apresentada vai ser reforçada por uma forte série de títulos de outras editoras que serão lançados no momento do lançamento da consola em Fevereiro de 2012.

Lista completa de títulos 3rd party anunciados para a PS Vita:

• Army Corps of Hell, Square Enix
• Asphalt: Injection, Ubisoft
• Disgaea 3 Return, NIS America
• Dungeon Hunter: Alliance, Ubisoft
• Dynasty Warriors Next, Tecmo Koei
• EA Sports FIFA Football, EA
• F1 2011, Codemasters
• Lego Harry Potter: Years 5-7, WB Games
• Lumines Electronic Symphony, Ubisoft
• Michael Jackson: The Experience HD, Ubisoft
• Ninja Gaiden (working title), Tecmo Koei
• OddWorld: Strangers Wrath, OddWorld Inhabitants
• Puddle, Neko Entertainment
• Pure Chess, RebelPlay
• Putty Squad Vita, System 3
• Rayman Origins, Ubisoft
• Ridge Racer, Bandai Namco
• Shinobido 2, Bandai Namco
• Silent Hill: Book of Memories, Konami
• Stardrone Extreme, BeatShapers
• Super Monkey Ball Banana Splitz, SEGA
• Supremacy MMA, 505 Games
• Tales from Space: Mutant Blobs Attack, Drinkbox Studios
• The Treasures of Montezuma Blitz, Alawar Entertainment
• Touch My Katamari, Bandai Namco
• Troopies, Bloober Team
• Ultimate Marvel vs. Capcom, Capcom
• Urban Trials, Tate Multimedia
• Virtua Tennis 4: World Tour Edition, SEGA
• Orc Attack, Casual Brothers
• Ben 10 Galactic Racing, Bandai Entertainment
• Dragon’s Racing, Ignition Entertainment
• Robot Rescue Revolution, Teyon
• Mortal Kombat, WB Games
• Assassin’s Creed, Ubisoft
• Bioshock, Take Two
• Street Fighter X Tekken, Capcom
• Call of Duty, Activision Blizzard

Conclusão: A PSVita não foi criada para substituir o smartphone mas sim para se tornar na mais poderosa e inovadora consola de jogos do mercado. A PSVita não foi criada para quem só joga Angry Birds. A PSVita foi criada para gamers e serão eles que vão ditar o seu sucesso ou fracasso. Embora a consola chegue ao mercado num período dominado pelos smartphones e tablets, existe um espaço natural para as consolas portáteis, nomeadamente sistemas que se interligam a outros sistemas já existentes como a PS3. Uma nota apenas para a versão 3G. Quando todos os novos dispositivos apostam na tecnologia 4G é estranho que a Sony tenha ainda optado por lançar um modelo com 3G, cuja velocidade não irá permitir jogar online.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This