sopa_de_pedra

Sopa de Pedra @ Festival Antena 2

Ao longe já se ouvia

Começaram a cantar entrando pela mesma porta que nos levou aos lugares marcados. E nós, público curioso, de costas para elas surpreendidos e animados. Sim, o espetáculo das Sopa de Pedra não podia começar lá em cima no palco, mas ao nosso lado, como que a dizer que aquela tarefa também podia ser nossa.

Mas não é. É das 10 mulheres, ontem 7, que recuperam do cancioneiro popular cantigas de trabalho. Melodias espelho de épocas social e economicamente diferentes, como explicou Inês Campos, que as Sopa de Pedra trabalham e arranjam, conservando assim lugares da tradição rural portuguesa («Cantiga de la Segada»).

Inspiradas por Amélia Muge («Bate Bate» e «À Nave») e trabalhando canções populares recuperadas por Zeca Afonso («Os Bravos») ou de sua autoria («Adeus ó Serra da Lapa»), as Sopa de Pedra animaram com harmonias a capella músicas que a alguns cantaram em pequenos e que só a custo reconhecemos alguns versos («Maçadeiras do meu linho», «Ó Minha Amora Madura»). Ontem, a par das vozes, para o direto para a Antena 2, estavam os microfones, elemento excedentário a um palco pontuado por pássaros de madeira.

Haveria inúmeros pormenores a destacar deste concerto, como a versatilidade das vozes e dos timbres tão diferentes (os agudos da Inês Campos e os graves da Mariana Gil, por exemplo), a concentração da Inês Melo, a percussão da Sara Yasmine, acompanhada por vezes pela Rita Sá e pela Mariana Gil, o desembaraço com que se corrigiam ou ajudavam nos tons e nas posições em palco. Gostámos imenso de um em particular: ouvir os primeiros versos de «Já os Galos Cantavam» por Rita Costa, grávida. É deste modo que as pensamos, o que a uns poderá parecer esforço, pela voz das Sopa de Pedra soa a delicadeza, naturalidade e comprometimento.

Aquela hora na Sala Garrett do Teatro da Trindade soube a muito pouco. A sala cheia pedia mais mas o direto para o Festival Antena 2 obrigava a outros sons. Em todo o caso, as 7 mulheres que ontem pisaram o palco fizeram-no com a graça inevitável de quem gosta do que faz e recupera canções não por moda e revivalismos tão à época, mas consciente e empenhadamente apostadas na preservação dessa memória.

Sopa de Pedra

Inês Campos, Inês Melo, Maria Vasquez, Mariana Gil, Rita Costa, Rita Sá, Sara Yasmine (ausentes Benedita Vasquez, Inês Loubet, Teresa Campos)

Programa

Adeus ó Serra da Lapa
Bate, bate
Estrigadeiras do meu linho
Ró da Graça
Cantiga de la Segada
Maçadeiras do meu linho
Ó Minha Amora Madura
Já os Galos cantam
À Nave
Cantiga da Ceifa
Os Bravos
Fuga do Mar

Álbum: “Ao Longe Já Se Ouvia”, outubro de 2017



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This