rdb_artigo_stolengirlfriendclub

Stolen Girlfriends Club

Fomos até Auckland descobrir uma marca de moda absolutamente rock’n’roll. Três homens com background na indústria do surf e eles próprios surfistas surpreendem com peças e acessórios do outro (lado) do mundo.

Ele chama com uma mão muito simplesmente, as guitarras começam a poluir com a canção “Ratskin Boots” dos “Goons of Doom”, e as namoradas roubadas aparecem de todos os lados para entrarem lânguidas, vestidas com os looks mais emblemáticos da etiqueta – bandages,  vestidos t-shirts, leggings, preto total, branco – pelas janelas, nada mais nada menos, do que de um Mini. Sim, isso mesmo, num Mini Cooper, a super colaboração que a marca tem com a outra marca, automóvel, que assim ganhou uma versão Stolen Girfriends Club. Estávamos a ver a imagem do spot publicitário que revela uma pareceria nada inusitada mas muito bem conseguida. Surpreendente.

Surpreendente também é saber que da Nova Zelândia, e porque Marc Moore (o designer e director criativo), Luke Harwoord (sales) e Dan Gosling (marketing e brand identity) , receberam recentemente o prémio DHL Fashion Export, a marca vai continuar a ascender ainda mais para fora apenas das suas ilhas e da Austrália, embora a presença em publicações de moda bem fortes mesmo na Europa já tivesse acontecido (Dazed and Confused), e também algumas celebridades já tenham vestido peças de algumas colecções destes guerreiros da moda (Juliette Lewis, um exemplo.)  Na Rua de Baixo já se falava de um futuro brilhante para esta marca – editores que a mencionavam, todo o hype no myspace.com – mas uma investigação e um contacto directo com os designers confirmaram tudo apesar de ainda não estar disponível na Europa.

A saber como tudo começou. Antes de serem um colectivo, a disparar colecções nas passereles da semana de moda da Nova Zelândia, os três rapazes formaram também uma banda art-rock que não deu grandes frutos,  enquanto também apanhavam ondas e  ao mesmo tempo estavam na área de sales e marketing de marcas tão conhecidas como a Insight e a Rusty. Em 2005 surge a marca. “Tudo isto de desenhar era completamente novo para nós, sem formação académica nenhuma, aprendemos do nada mesmo” diz Marc, ” mas quando não temos formação também parece que há menos limitações.”

Fontes de inspiração: “as nossas musas são as nossas namoradas, eu acho que a nossa roupa feminina é uma mistura do estilo das três” e também amigos, filmes, música. Estão ligados ao rock, todos são fãs dos Minor Threat, Fugazi, Nirvana e The Pixes e o Marc falou-me também de uma banda nova, os White Lies. Para a colecção Inverno 2009  e que se chama “Pretty Vacant” misturou punk, grunge, Marie Antoinette e os românticos naquilo que ele chamou de “a celebration of your inner ratbag!” i.e. “uma celebração do freak que há dentro de ti!” Tecidos: gangas bem overwashed, rasgadas em muitos momentos, os favoritos padrões de xadrez escoceses, estampados de leopardo em peles falsas e ainda tecidos de lã. Styling: sobreposições e mais sobreposições. Acessórios desta vez: arame farpado.

Mas em relação aos acessórios, existe uma colecção extensa de peças, sobretudo em prata e prata oxidada, mas também em bronze, que evocam vários temas e que merece ser descoberta no site da marca. Gostamos em particular do colar e da pulseira com as inscrições ‘Hang Loose.’ São peças que emocionam incluíndo as mesmas de arame farpado que gostaríamos muito de ver por cá.

E se ainda surfam muito, Marc diz “surfamos muito, acho que ainda surfo melhor agora do que quando competia e surfava full time. É importante estar focado no trabalho mas também livre para escapar. O surf é o nosso escape agora e depois de um dia de surf realmente bom é um momento óptimo para reflectir e  ter uma perspectiva acerca de tudo.”



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This