Teatro Rápido – Sala 1 – Julho 2013 – Fotografia de Mário Pires

Teatro Rápido | Julho 2013

Um mês de malas aviadas e de boas viagens

O Teatro Rápido (TR) abre as portas a quatro projectos que, durante o mês de Julho, se mudaram de malas a bagagens para a Rua Serpa Pinto, 14. O tema deste mês é precisamente «de malas aviadas». Temos a oportunidade de rever alguns rostos que já passaram pelos «palcos» do TR  (Rodrigo Saraiva; Anaísa Raquel; João Ascenso; Vicente Alves do Ó; Ricardo Barbosa e Márcia Cardoso ) e de conhecer caras novas (Sandra José; Ricardo Lérias; Pedro Simões e Bruno Rosa).

SALA 1 – C10H14N2 + info

Depois de uma passagem pelo TR em Abril deste ano, Rodrigo Saraiva regressa com o seu primeiro monólogo. O texto e a encenação encontram-se a cargo de Sandra José, que conhecemos do trabalho Não chove de baixo para cima.  O cartaz é da autoria do Luís Covas.

Rodrigo veste o papel de um homem, vítima de cancro e de um grande desgosto de amor. E grande é, também, a sua interpretação, que nos toca e emociona. O olhar, os gestos, a «dança» com a luz e a ausência dela: Rodrigo encontra na cenografia o apoio para dar vida a um homem moribundo. É com certeza que afirmamos que esta peça lhe permitirá crescer (ainda) mais como actor.

A peça carimba-nos com a afirmação de que o amor mata. Entrar na sala 1 é o mesmo que comprar um maço de tabaco e ter acesso a uma série de avisos sobre o consumo do tabaco, numa metáfora transposta para o amor. E para a vida, no nosso entendimento.

“Fumar pode matar”. “Provoca morte lenta e dolorosa”. “Provoca envelhecimento prematuro.”

Amar pode matar. [Amar] provoca morte lenta e dolorosa. [Amar] provoca envelhecimento prematuro

Viver pode matar. [Viver] provoca morte lenta e dolorosa. [Viver] provoca envelhecimento prematuro.

O homem que encontramos na sala 1 tem no lado esquerdo do peito um cancro, porque o coração, esse, foi partido pela mulher que amou.

Fumar causa elevada dependência, não comece a fumar. Substitua o verbo fumar por viver. Ou amar.

Teatro Rápido - Sala 1 - Julho 2013 - Fotografia de Mário Pires

Horário das sessões: 18h00 | 18h30 | 19h00 | 19h30 | 20h00

quinta a segunda | M/12 | 3€

 

 

SALA 2 – Não Há Culpa + info 

Anaísa Raquel regressa ao TR num registo de humor que contrasta (e muito) com o Seis quase meia partilhado há um ano atrás com o actor Pedro Cunha. Desta vez, faz-se acompanhar por Ricardo Lérias, e ambos interpretam o texto de João Ascenso (responsável, também, pela encenação).

Entramos na sala de deus (sim, parece que afinal tudo acontece numa sala de estar) onde este e nossa senhora (aka mãe de Jesus) debatem a questão do… fim do mundo? Ao que parece, os humanos estão todos de malas aviadas para qualquer lado (caminhos que levam a lado nenhum, será?) e esse é o mote da conversa entre o todo poderoso e a mãe solteira mais (re)conhecida da cultura cristã.

Nesta peça a trindade é composta por deus, maria e o comando da televisão: a vida acontece no écran e deus é o único com poder para mudar de canal. Os humanos são os actores de um big brother onde todos acabam por ser expulsos. Sim, o mundo vai acabar.

Anaísa e Ricardo proporcionam-nos quinze minutos de boa disposição e revelam, ambos, uma interpretação deliciosa.

Teatro Rápido - Sala 2 Julho 2013 - Fotografia de Mário Pires

Horário das sessões: 18h05 | 18h35 | 19h05 | 19h35 | 20h05

quinta a segunda | M/12 | 3€

 

 

SALA 3 – Era Outra Vez… (um conto infantil para graúdos) + info 

Era uma vez um texto que o Pedro Simões escreveu. Era outra vez esse mesmo texto transformado numa micropeça para teatro. Na companhia de Bruno Rosa, Pedro convoca os espectadores a questionar se devemos ou não acreditar. Há espaço para o sonho? Se não há, este desapareceu? Fomos nós que o matámos?

Era outra vez apresenta-nos uma viagem também ela visual, pois os pormenores presentes no cenário constituem-se eles próprios como um pretexto para visitar estórias da infância.

O texto de Pedro Simões funciona como uma espécie de post it para nos lembrar de que o sonho comanda a vida, como um dia alguém cantou. E que a vida sem sonho não nos garante uma viagem ou destino paradisíacos. Um dia, vamos sufocar na realidade e perceber que nunca deveríamos ter fechado a janela da inspiração.

Consideramos que a interpretação tem algum caminho pela frente, em termos de amadurecimento e conquista das personagens. Pedro e Bruno estão no bom caminho e sabemos que esta «viagem» pelo TR será uma janela que não mais se irá fechar.

Teatro Rápido - Sala 3 - Julho 2013 - Mário Pires

Horário das sessões: 18h15 | 18h45 | 19h15 | 19h45 | 20h15

quinta a segunda | M/12 | 3€

 

 

SALA 4 – As Inbejosas + info 

Vicente Alves do Ó, Márcia Cardoso e Ricardo Barbosa regressam ao TR, na companhia de Nuno Miranda, responsável pela cenografia. Entramos na sala e o espaço de cena, devidamente assinalado, está vazio de actores. Estes estão presentes, na maior parte do tempo de duração da peça, apenas via audio, num cenário que anuncia malas aviadas e uma viagem eminente.

A peça trata da arte, dos actores, do público, da inveja, do sucesso que se transpira e daquele que se subsidia. Dois actores, J (Márcia) e JJ (Ricardo) assumem posições diferentes sobre aquilo que é a a arte, a criação e as condições que se criam e que existem para que aquelas se possam manifestar. Mais tarde, esses actores dão lugar a dois espectadores que discutem as posições dos actores perante a arte.

As inbejosas apresenta-se como uma reflexão entre quem faz teatro e o seu público.  A dada altura diz-se que o teatro só existe quando acontece com actores em palco e pessoas dispostas a conhecer o trabalho daqueles. Vicente, Márcia e Ricardo proporcionam-nos, acima de tudo, um momento provocatório com o qual já nos tinham brindado em Novembro de 2012 , mas que é, agora, aprofundado e focado no que ao teatro diz respeito.

Teatro Rápido Julho 2013 Sala 4 - Mário Pires

Horário das sessões: 18h20 | 18h50 | 19h20 | 19h50 | 20h25

quinta a segunda | M/12 | 3€

 

*

Na visita que fizemos ao TR tivemos a oportunidade de conhecer, ainda, o décimo primeiro mandamento , que nos foi revelado por  deus e nossa senhora: «É obrigatória a peregrinação do público, em Julho, ao TR.» Este é o local sagrado de criação  e de partilhar para estes quatro projectos que nos permitem viajar para destinos bem diferentes.

Recordamos que em Julho e Agosto o TR interrompe a Programação para a Infância, regressando em Setembro.

 

Para ter acesso a toda a programação do TR sugerimos que acompanhe a página do facebook  e/ou o blog

 

Fotografia de Mário Pires



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This