(The First Ever) World Failurist Congress

(The First Ever) World Failurist Congress: contra a aversão ao risco, marchar, marchar!

No dia 2 de Março a Casa das Histórias de Paula Rego, em Cascais, acolheu o World Failurist Congress (WFC). Um sucesso, perdão, falhanço

“Se vamos falhar, que comecemos desde o início” – foi este o mote do Congresso do Falhanço, espaço onde pessoas de sucesso tiveram oportunidade de partilhar os seus… falhanços.

Sónia Fernandes é a (ir)responsável pelo Congresso. A punho, colocou de pé uma ideia que lhe surgiu após travar conhecimento com a página The Failurists. Daí à concepção do congresso foi um pequeno (grande) passo. E no dia 2 de Março a ideia ganhou forma.

Alberta Marques Fernandes foi a madrinha e a apresentadora do evento que contou com a participação de Carlos Carreiras, presidente da Câmara Municipal de Cascais, na primeira intervenção do dia. “O falhanço é saudável e recomenda-se”, confessou Carlos que classificou o falhanço como algo que se encontra entre a gargalhada e a experiência. Acrescentou ainda que “para quem quer viver verdadeiramente a vida o falhanço é delicioso”. Carlos Carreiras partilhou, ainda, a forma como os patos bravos foram determinantes na sua vida política.

“Falhar o suficiente para ter muito sucesso” – eis o “conselho” de Celso Martinho que, um dia, viu um projecto falhar à conta de um interruptor que alguém se esqueceu de ligar. “Os portugueses são fantásticos, conseguem estigmatizar o falhanço e, ao mesmo tempo, penalizar o sucesso”. Já diz o povo: é preso por ter cão e preso por não ter. Celso foi um dos co-fundadores do SAPO e tudo terá começado com um falhanço que o levou aos tribunais.

“O erro está associado à dor” – mas não se preocupem, a Susana Rodrigues faz questão de ter sempre Hirudoid por perto. A directora da Escola de Artes e Design das Caldas da Rainha aconselha: “Há que não perder a oportunidade de aprender com os erros, sobretudo com os dos outros.” Seguiu-se Ricardo Diniz, um navegador solitário que fala na terceira pessoa do plural. Contou-nos tudo sobre o seu momento “a vida de pi” onde não houve lugar a tigres mas sim a enfermeiras norueguesas. Descalço, no palco do WFC, Ricardo falou da forma como superou os seus falhanços pessoais e dificuldades

O conhecido Fernando Alvim partilhou connosco uma reflexão sobre alguns falhanços históricos da televisão portuguesa, bem como da sua própria experiência enquanto organizador do Festivel Termómetro. Pedro Domingos falou-nos sobre alguns mitos sobre o crowdfunding e Pedro Janela confessou-nos alguns dos seus maiores erros ao nível profissional, sem os quais não teria chegado onde está hoje. A Jonas (aka Maria João Nogueira) admitiu o seu ódio pelo falhanço e pela palavra migração.

O WFC fechou com chave, perdão, torneira, de ouro, pela voz de Pedro Aniceto. Centrou a sua partilha na sua (in)capacidade para a avaliação e brindou-nos com um conselho: “Não julgues rapidamente e, se o fizeres, fá-lo baixinho”.

“Para alcançar e saborear o sucesso, Portugal precisa urgentemente de uma cultura de falhanço”, disse-nos Celso Martinho. Parece-nos que o WFC pode ser um bom primeiro passo. Venham outros, sem receio de tropeçar. Se cairmos de joelhos ao chão… we’ll always have hirudoid.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This