rumble_jungle_FF_1

The Legendary TigerMan vs Linda Martini @ Coliseu dos Recreios (21-12-2017)

Assalto final de Rumble in the Jungle

O dia 21 de dezembro vai ficar na história do Coliseu dos Recreios como o último “mano a mano” entre os Linda Martini e The Legendary Tigerman.

A temática deste “vs” foi Rumble in the Jungle, o mesmo termo com que foi apelidada a luta do século, que decorreu em 1974 entre Muhammad Ali e George Foreman. Tal como neste combate entre Ali e Foreman, o “confronto” entre o quarteto Linda Martini e Paulo Furtado, que deixou o formato one-man-band, foi realizado em oito rounds. Foi como que uma espécie de tour por terras lusas, com passagem em Cascais, Braga, Viseu, Leiria, Porto, Coimbra, Alpendrinha, Évora, e Torres Vedras.

O Coliseu de Lisboa “vestiu-se” a rigor e montou um palco no centro da sua plateia, tal como se de um combate de boxe se tratasse.

Abertura do Rumble a cargo de The Legendary Tigerman, com “Wild Beats”. Seguido de temas do novíssimo “Misfit”, com data de lançamento para dia 19 de Janeiro, com destaque para o single “Fix of Rock´n´Roll”, o single de avanço para o álbum, com a ajuda dos Linda Martini. “The Saddest Girl on Earth”, balada que ficou nos ouvidos da RDB a noite toda, teve o acompanhamento de Paula Guerreiro. Paulo Furtado caminhou pelo passado com malhas como “These Boots are Made for Walking”, adaptação do músico de Coimbra ao tema de Nancy Sinatra. Terminou em grande com “21st Century Rock n´Roll” do álbum “True”, em versão alargada com o artista endiabrado a saltar da bateria, a puxar com a voz pelo refrão até ficar rouco, que terá sido o ponto mais alto de toda a longa noite do Coliseu.

Depois de um curto intervalo os Linda Martini apresentaram-se no ringue e, tal como o antecessor, apresentaram temas do álbum homónimo com data de lançamento em 16 de fevereiro de 2018. Quem não quiser esperar tanto tempo pelo lançamento pode ir ao Lux na véspera, 15 de fevereiro, e adquirir o álbum e ainda ver a banda a atuar. A banda tocou também temas do aclamado “Olhos de Mongol”. Tal como tinha acontecido na primeira parte, onde Paulo Furtado tinha sido “ajudado” por entradas em palco do quarteto, também na etapa complementar Paulo Furtado entrou e mandou umas guitarradas na faixa “Dez Tostões”. Nota de destaque também para a entrada do guitarrista Paulo Segadães, ex-elemento da banda hardcore portuguesa X-Acto, pela qual André Henriques demonstrou grande admiração.

O Coliseu dos Recreios, no dia 21 de Dezembro, teve uma noite mágica que ditou o final do combate de dois pesos pesados do rock português. Não houve vencidos, houve muitos vencedores; a plateia foi a primeira, teve direito a um espetáculo ímpar, de 3 horas de rock n´roll, num palco com visibilidade de 360º. Os segundos triunfadores da noite foram, por exclusão de partes, os artistas. Ambos com material novo, criativo e ambicioso para apresentar neste início de 2018. São noites como esta que consolidam o seu estatuto de estrelas do rock português. Ficou em KO quem não apareceu. De qualquer maneira fica a informação da RDB de que eles vão andar por aí. Obviamente separados, mas com o mesmo rock n´roll desta noite de gala.

Fotografia por Filipe Fazendeiro



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This