#AGC THE NATIONAL 005

The National @ Campo Pequeno (12.12.2019)

Soube muito, muito bem estar ali.

,

Do lado de fora do Campo Pequeno o cenário não era de todo agradável.O Outono aproxima-se do fim e o Inverno anuncia-se com vento frio e aquela chuva miudinha que se consegue entrar por todo o lado. Felizmente este é um daqueles problemas que deixamos à porta. No interior do Campo Pequeno, a sala há muito que está esgotada com o pretexto de ouvir os The National, em nome próprio, a apresentar o seu mais recente álbum, “I Am Easy to Find”.

Não há primeira parte e isso sabe bem, confessemos. Vamos directos ao assunto. Estamos ali para ver Matt Berninger, Aaron e Bryce Dessner e Bryan e Scott Devendorf, e eles estão ali para oferecer aquilo que sabem fazer melhor. Partilhar connosco um punhado de canções magníficas.

O início do concerto acontece com 15 minutos de atraso porque a banda tinha estado a falar com os astronautas actualmente a bordo da Estação Espacial Internacional, o que leva a que «Looking for Astronauts» (que delícia poder escutar esta canção) e, já no encore, «About Today», sejam dedicadas à astronauta norte-americana Jessica Meir.

A acompanhá-los nesta ronda europeia da tour está Kate Stables de This Is The Kit. Stables é uma clara mais valia em palco. A sua voz funciona como que para balançear a de Berninger. Nunca se sobrepõe e surge sempre no nível certo. Não é por isso de estranhar os constantes elogios que Matt Berninger lhe dirige ao longo de todo o concerto.

«You Had Your Soul With You» abre “I Am Easy to Find” e abre também o concerto no Campo Pequeno. Kate Stables revela-se à altura mas a voz de Gail Anne Dorsey a cantar “I have owed it to my heart, every word I’ve said / You have no idea how hard I died when you left / If I yield to my trances, will I get up close again?” (não há mais “The National” do que isto) é realmente única. Segue-se «Quiet Light» e a desconcertante, desconexa, e ao mesmo tempo coesa, «The Pull Of You», onde a bateria de Bryan Devendorf nos provoca do primeiro ao último segundo da canção.

Nesta altura é óbvio que a  máquina muito mais afinada, desde o último concerto em Portugal, em Agosto em Paredes de Coura, ainda com pouca rodagem ao vivo. Os arranjos estão mais refinados. As duas baterias a funcionam melhor. As canções de “I Am Easy to Find” soam efectivamente diferentes, e para melhor.

«I Should Live In Salt» e «Don’t Swallow The Cap» levam-nos para outras paragens pela primeira vez. “Trouble Will FInd Me” foi, por ventura, o protagonista surpresa do alinhamento, em detrimento de “Sleep Well Beast”, por exemplo.

«Bloodbuzz Ohio», cantada quase 10 anos depois do lançamento de “High Violet” (sim, faz 10 anos para o ano!!), assume contornos épicos. Cantar com mais alguns milhares de pessoas, em uníssono “I still owe money to the money to the money I owe / I never thought about love when I thought about home” faz-nos sentir nas nuvens.

«Hey Rosey» faz nos dançar de formas tolas. «Oblivions» surge com umas roupagens diferentes estranhamente dançáveis também. Kate Stables toma o controlo em  «Where Is Her Head», com Matt Berninger a orbitar à sua volta, como que de cabela perdida.

«I Need My Girl» é recebida em êxtase. A meio do concerto acontece a visita de médico a “Sleep Well Beast”; primeiro «Day I Die» e, logo de seguida, «The System Only Dreams In Total Darkness», ambas recebidas de braços abertos. Rapidamente se regressa a “I Am Easy to Find”. «Rylan» é a canção que os The National mais tempo levaram a compôr e a decidir incluir num álbum. Podia-se escrever um ensaio sobre este tema. A primeira vez que foi interpretada foi em 2011. A verdade é que tem aquela aura intemporal, elegante e quase vintage da banda. “Everybody’s got nowhere to go / Everybody wants to be amazing”. «Light Years» é dedicada às famílias que já não vêm há cerca de 3 semanas, o tempo que andam em digressão. Lisboa é a última data e por isso, vão reunir-se para passarem juntos a época festiva que se adivinha. A canção que dá título ao álbum e à tour, «I Am Easy To Find» é de uma simplicidade desarmante. Fala-se sobre como o tempo passa mas a nossa essência permanece a mesma. “You never were much of a New Yorker / It wasn’t in your eyes”.

Estas canções continuam a mexer cá dentro. Sente-se isso quando damos por nós a engolir em seco quando cantamos alguns versos. Estas canções, ano após ano continuam a acompanhar-me (e a muitos outros). A fazer sentir-me triste, alegre e de coração cheio. Fazem-me recordar maus e bons momentos. Fazem-me sorrir e chorar. Quanto não vale uma banda assim.

Antes de se fazer a única visita ao “Boxer”, há ainda tempo para uma última passagem por “Trouble Will FInd Me”. Em «Graceless» parte-se loiça toda. Tomem os Valiums, os Prozacs e os Vicodins e cantemos: “All of my thoughts of you / Bullets through rotten fruit / Come apart at the seams”. Saltar não é essencial mas ajuda. «Fake Empire» faz engolir em seco. Contínua magnífica. É majestosa. É perfeita. A canção chega ao fim (podiam tocá-la três ou quatro vezes de seguida que eu e muitos outros ali à volta não se importavam) e passa pela cabeça como a secção de metais desempenha um papel essencial nestas canções. Surge sempre no momento certo, a adicionar aquele detalhe, a dar aquele adorno que torna a canção mais coesa.

Os encores já não encerram em si muita surpresa, é certo, mas continuam a soar terrivelmente bem, mesmo quando as canções versam sobre a perda como «About Today». «Mr. November» é uma canção de acção e soa assustadoramente actual. E depois há «Terrible Love», que se canta de coração nas mãos, porque “It takes an ocean not to break”. «Vanderlyle Crybaby Geeks», como manda a tradição, foi cantada pelo público, sem amplificação e com Berninger a deambular pelo palco como um maestro a coordenar um coro. Antes de começar esteve inclusivamente a colocar os microfones à boca do palco e a voltá-los para nós. E a verdade é que os anos passam, mas continua a soar lindamente. Juntos, cantamos bem.

Foi um concerto que não atingiu o brilhantismo de outras ocasiões, é certo, mas que entregou com segurança e ofereceu momentos memoráveis aos milhares que escolheram estar ali. Soube muito, muito bem estar ali.

O regresso dos The National a Portugal já tem data marcada. Será no dia 21 de Junho, no Rock in Rio, no Palco Mundo.

 

Texto por Miguel Barba e fotografia por Andreia Carvalho.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This