The Unplayable Sofa Guitar

Uma visão alternativa da música tradicional norte-americana.

Depois de um interregno editorial de 2 anos, entre os quais o projecto participou em diversas compilações, o projecto do mentor da Bor Land, Paulo Miranda, está de regresso com um disco novo e uma sonoridade mais madura e sedutora. “Rocky Grounds, Big Sky” já está disponível para todos aqueles que sonham com uma América poeirenta, montanhosa e cheia de musicalidade e tradição.

Depois de um álbum de estreia bastante coerente e corajoso perante o panorama nacional, este novo registo vem confirmar a vertente country do projecto. Continuando fiel ao formato de canção, a banda coloca na música produzida um enorme conjunto de elementos, dando assim razão a quem os coloca na prateleira da música “alternativa” nacional.

Com uma voz feminina assombrosa, forte e bastante elegante, que acompanha praticamente todas as faixas deste novo álbum, as canções ganham uma outra dimensão com a utilização de sintetizadores, computadores, guitarras eléctricas e acústicas, banjos e alguns pormenores interessantes de slide-guitar. Por tudo isto, podemos considerar que os The Unplayable Sofa Guitar são um projecto de country alternativo, muito especial.

A visão da música americana presente neste disco surge através do imaginário de Paulo Miranda, que nunca pretendeu ser fiel à realidade, mas sim às suas expectativas. Durante as 11 faixas que compõem “Rocky Grounds, Big Sky”, somos transportados para uma América desenhada e elaborada à medida, com claras influências musicais country, mas com uma grande independência a nível lírico e obviamente musical.

Ao começar a ouvir este disco, somos logo colocados no deserto americano para nunca mais de lá sair. As referências às montanhas, cabanas, cidades fantasma e armas são claras nas letras que acompanham as músicas, todas elas interpretadas pela excelente voz de Ana Figueiras que, com o decorrer do tempo, pode se tornar um pouco monótona e cansativa.

O álbum aborda temas como o amor e o ódio (“Unless…”), bem como a saudade e a melancolia (“Halford’s excuses” e “Could be you”). Temas que podiam ser tocados à volta de uma fogueira numa qualquer montanha rochosa, ou no meio da planície norte-americana.

Devido à coerência apresentada em todo o disco, é praticamente impossível encontrar um momento alto que mereça ser destacado. Este é daqueles registos que merece ser ouvido e apreciado do princípio ao fim e, se possível, mais do que uma vez.

De notar a participação agora a full-time de Francisco Silva aka Old Jerusalem na banda que, para além de ser uma mais-valia em estúdio, vai consolidar as prestações ao vivo.

Só de uma assentada, a Bor Land edita dois dos álbuns mais interessantes da música portuguesa do início deste ano (não esquecer o novo de Old Jerusalem, “Twice the Humbling Sun”, em total destaque nesta edição da rua de baixo), um bom indicador para os meses que se seguem.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This