rdb_artigo_thosedancingdays

Those Dancing Days

As cinco adolescentes suecas apresentam em Portugal o seu disco de estreia, “In Our Space Hero Suits”. Concertos agendados para Lisboa e Braga a 16 e 18 de Abril respectivamente.

Durante praticamente todo o ano de 2008, o mundo foi mais uma vez assolado pela ABBAmania. Filmes, musicais e jogos de computador trouxeram de novo à ribalta o agrupamento sueco. Embora a banda de «Dancing Queen» seja ainda o maior símbolo da música popular deste país escandinavo, têm surgido, nos últimos anos, alguns projectos interessantes e de relevo: a mágica Lykke Li, os enérgicos The Knife, os Mando Diao, que regressam este ano com novo disco, os Shout Out Louds que estiveram nos telefones e ouvidos de milhões de portugueses e Peter, Bjorn and John que ganharam o prémio de assobio do ano com «Young Folks». Em Abril, o público português vai ficar a conhecer a mais recente descoberta da indie pop sueca. Cinco raparigas teenagers prometem encher de ritmo o Santiago Alquimista em Lisboa no dia 16 de Abril, repetindo a dose dois dias depois em Braga no Theatro Circo.

Começaram a tocar juntas em 2005, depois das aulas, num dos subúrbios de Estocolmo (Nacka) e inspiraram-se numa música dos Led Zeppelin para encontrar o nome certo para o projecto. Com apenas um disco de originais editado, “In Our Space Hero Suits” (e um EP homónimo de estreia), Linnea (voz), Rebecka (guitarra), Cissi (bateria), Lisa (sintetizadores) e Mimmi (baixo) são as teenagers indie suecas da actualidade e formam a banda “Those Dancing Days” tendo já no seu curriculum uma nomeação para os prémios da MTV como “Best Swedish Act”, algum airplay na MTV2 e críticas no NME.

Tendo como principais influências os The Strokes (até existem alguns críticos que relacionam a voz de Linnea com Julian Casablancas) e os seus compatriotas Shout Out Louds, a banda apresenta uma sonoridade descomprometida, fresca e altamente dançável em que se evidencia o lendário órgão da Hammond e a voz açucarada de Linnea Jönsson. Embora em alguns temas se aproximem de uma pop teenager direccionada para a MTV, o disco no seu global é extremamente eficaz e interessante, apropriado para esta época primaveril.

Sendo uma banda composta apenas por raparigas com menos de vinte anos (a média é 18), o início da carreira foi um pouco difícil, como testemunhou a baixista Mimmi Evrell numa entrevista ao site “Drowned in Sound”: “No início foi um pouco frustrante porque como somos só raparigas perguntavam-nos se precisávamos de alguém que soubesse afinar as guitarras e escrever as músicas. Mas como somos da Suécia onde existem muitas bandas com raparigas tivemos sempre o apoio delas e fomos superando as dificuldades”.

O primeiro álbum de originais da banda, “In Our Space Hero Suits”, tem o selo da Wichita Recordings, responsável também por bandas como os Bloc Party. “Na Suécia a nossa editora era a mesma de Peter, Bjorn and John (Universal). Eles faziam parte da Wichita em Londres e foi a partir desse contacto comum que surgiu o interesse. Estamos muito felizes por pertencer à mesma editora dos The Cribs e ter a oportunidade de tocar com eles tem sido fantástico.”, disse Mimmi nessa mesma entrevista.

Desde o lançamento do seu primeiro disco, a banda adoptou a cidade de Londres como centro estratégico das suas actividades, principalmente devido à boa receptividade que o disco teve no Reino Unido e no circuito de concertos existente. Na Suécia, a banda não tem o mesmo reconhecimento que conseguiu adquirir em Inglaterra. Numa entrevista para a revista electrónica “God is in the TV”, Linnea admitiu essa falta de reconhecimento e acredita que tal se deveu ao facto de estarem em Londres. “Como não estivemos activas na Suécia durante muito tempo as pessoas pensaram que tinhamos desaparecido e que o disco iria ser editado demasiado tarde”, disse.

A escolha da língua inglesa em detrimento da sua língua materna foi também tema de discussão nessa mesma entrevista. Para Rebecka a opção da língua inglesa foi a forma da música da banda “chegar a todo o mundo e não ficar presa na pequena Suécia”. “O sueco é uma língua muito pouco excitante e pouco misteriosa ao contrário, por exemplo, do islandês”, concluiu Mimmi nessa mesma entrevista.

Ao vivo, as críticas têm sido excelentes. A banda tem tido uma agenda muito preenchida, principalmente no Reino Unido. A forma profissional como abordam cada concerto, com uma setlist bem construída e já muito rodada, não tem retirado o empenho e presença que demonstram em cada actuação. Em Portugal, não vão faltar os temas mais orelhudos como «Run Run», «I Know Where You Live» e «Those Dancing Days», tema do seu primeiro EP. Provavelmente também iremos ter a oportunidade de ouvir a versão que a banda compôs para «Toxic» original de Britney Spears.

Os concertos de Those Dancing Days agendados para Portugal encaixam na perfeição no tempo primaveril e ameno do nosso país por isso estão garantidas todas as condições para duas noites da mais fresca pop europeia.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This