“Tróia”, a partir de textos de John Berger – foto por Pedro Almeida

Tróia

O teatromosca estreou recentemente a última peça da trilogia que dedicou ao trabalho de John Berger, depois de em 2002 ter apresentado "Dog Art".

Com “As três vidas de Lucie Cabrol” (2010), “Europa” (2011) e “Tróia” (2011), a companhia procurou reflectir sobre a existência e a relação entre o mundo rural e o mundo urbano, o confronto entre estas duas realidades e o desaparecimento de uma por consequência da outra, talvez, como o encenador das três peças, Pedro Alves, diz na folha de sala da peça, referindo-se à trilogia “(…) um percurso extraordinariamente rico e simples (nada simplista) daquilo que pode ser tido como uma História do século XX europeu (…)”.

Em “Europa”, é o sonho que fala mais alto, o sonho da modernização, a ilusão da urbe. Esse sonho, essa ilusão, é representada por uma mulher bonita que veio da cidade e que acaba por ser o objecto de desejo e da tragédia de Boris (o protagonista desta história). Actores e figurantes, reunidos à volta de uma mesa, celebram o Dia dos Mortos, contam histórias, vivem histórias. A encenação de Pedro Alves é contida mas muito certeira, fruto de um trabalho de dramaturgia que o próprio encenador terá levado a cabo (a tradução do romance “Once in Europe” e adaptação para teatro é da sua autoria). O cenário de Pedro Silva é a segunda pérola deste espectáculo. Extremamente simples, o cenário mais do que ilustrativo é denunciador de um espaço, de um estado de espírito. Merecia um desenho de luz mais eficaz (da autoria de Carlos Arroja) que aproveitasse e fizesse sobressair o cenário e a encenação. Uma direcção de actores e interpretações mais cuidadas teriam ajudado a acompanhar um texto que salta entre o discurso na primeira pessoa, a narração e o diálogo. A presença da música no espectáculo acaba por ser um fait diver que pouco acrescenta.

“Tróia” é o resultado da adaptação de “Lilac and Flag”. A tradução e a adaptação são novamente da autoria do encenador, o que uma vez mais vem reforçar um trabalho de dramaturgia que se conflui com a própria encenação, oferecendo ao espectador uma leitura intensa e inteligente do espectáculo. Em “Tróia” o rural vê-se engolido pela urbe (por Tróia, essa cidade mítica, ou por Lisboa, Nova Iorque, Paris, Londres, Pequim), perdido, explorado, ansiando pelo regresso a uma realidade distante, à qual provavelmente nunca conseguirá voltar. Procurando sobreviver numa existência que não é a sua, que não foi construída para eles, uma realidade que lhes escapa, Zsuzsa e Sucus entregam-se um ao outro, amam-se, destroem-se, reconstroem-se. Notável o trabalho do encenador Pedro Silva que polvilha o espaço com torres de (aparente) metal e vidro, frias, de uma estética impessoal, quase higiénica, que serve a encenação, complementando-a e enriquecendo-a sem se sobrepor. O desenho de luz, também de Carlos Arroja, é mais interessante que em Europa, salientando-se sobretudo na segunda parte do espectáculo. Os actores, Samuel Alves, Ana Gil e Mário Trigo são competentes na proposta que lhes é feita pelo encenador (com maior aplauso aos dois primeiros, com momentos muito bons na relação entre os dois – são eles Sucus e Zsuzsa respectivamente), saltando de registos de discurso directo, narrativo e diálogo. Um trabalho mais centrado na direcção de actores (mais na interpretação e menos na fisicalidade) poderia ter ajudado ao melhor acompanhamento do texto pelos espectadores. Uma nota menos positiva, diria mesmo negativa, para os figurinos. Se já em “Europa” se notava uma falta de cuidado nesta matéria, acabava por não ser um elemento perturbador, apenas não era relevante (embora de fraco sentido estético). Em “Tróia”, o figurino “de trazer por casa” impõe-se de uma forma negativa… demasiado forte para ser neutro, mas pouco trabalhado para que nos queira dizer algo… e enquanto procuramos significados de uma t-shirt ou de umas calças perdemos o fio à meada de um texto pouco fácil.

“Tróia” é um trabalho muito interessante, de uma companhia peculiar, que deve ser visto, nos dias 24, 25 e 26 de Novembro às 21h30 no Auditório Municipal António Silva (Cacém).



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This