header_1_2

Vetiver e Fruit Bats @ ZdB

Duas óptimas bandas no aquário que nos deram música, no melhor dos sentidos.

A primeira vitória chegou quando me apercebi que a chuva andava por outras bandas que não a Rua da Barroca e arredores. Imaginem uma casa cheia, e já com algumas pessoas no patiozito antes de se entrar no aquário e estar a chover… Não seria muito agradável.

Sinto que vou ser repetitivo relativamente a alguma da prosa que já apareceu publicada por estas bandas anteriormente, mas tenho de o ser. Em primeiro lugar porque é verdade o que vou dizer. E em segundo porque sinto que tem de ser reforçada.

Aquela sala tem realmente uma aura única. Dizer que todos os concertos que acontecem no número 59 são inesquecíveis é um pouco pretensioso, só para não dizer que não é verdade. Mas que a maioria deles são muito bons, não é exagero. Há sempre uma história para contar. Alguma coisa que acontece no palco. Alguma expressão ou figura mais caricata na janela virada para a Rua da Atalaia. Qualquer coisa com força suficiente para ficar na retina.

Uma chegada um pouco tardia à ZdB mostrou um amontoado de pessoal à entrada. Uns à espera para levantarem a sua preciosa reserva, outros com uma réstea de esperança de que alguém desistisse à última da hora e outros que estavam ali simplesmente para ver o que se passava.

Os Fruit Bats giram em torno de Eric D. Johnson, compositor, guitarrista, teclista e, desde há um tempo para cá, o mais recente membro dos The Shins. Quando começaram a tocar não sabia bem o que esperar. Não conhecia o trabalho da banda, admito. Por muito que se oiça há sempre coisas que nos acabam passando ao lado. Felizmente assim o espaço para as surpresas agradáveis aumenta. Óptimo concerto o destes rapazes dos Estados Unidos. O seu som anda algures pelo folk, e por vezes sente-se aquele aroma do country. Não consegui deixar de pensar nos Wilco, que se estrearam por cá há alguns meses, várias vezes durante o concerto. Os Fruit Bats pareciam encarnar na perfeição uma versão júnior dessa instituição viva da música norte-americana e Eric D. Johnson não deixaria Jeff Tweedy envergonhado. Foi uma prestação bastante eclética, que deu inclusivamente para ouvir aquele que foi o primeiro single dos Greatful Dead, «Don’t Ease On Me In».

Como não poderia deixar de ser assistiu-se a mais uma declaração de amor por Portugal, e mais particularmente por Lisboa. Primeiro foram os Fruit Bats, que nos visitaram pela primeira vez. Depois foram mesmo os Vetiver, pela voz de Andy Cabic, que reforçaram a ideia.

Os Vetiver já são velhos conhecidos. Não era inclusivamente a primeira vez que a banda de Andy Cabic visitava a ZdB. A desculpa para a mais recente visita foi “Tight Knit”, o mais recente álbum, o primeiro com o selo da Sub Pop, lançado há já alguns meses. É comum rotular os Vetiver como pertencendo ao movimento freak-folk, muito por culpa das (óptimas) companhias de gente como Joanna Newsom, Devendra Banhart ou Ben Chasny. Mas a sua música tem, tal como a dos seus pares, um cunho muito próprio, com uma capacidade extremamente agradável de nos envolver e embalar.

A data era especial também porque o mais recente single retirado de “Tight Knit”, «More Of This» (e soa tão tão bem!), tinha acabado de ter edição física e ia estar à venda pela primeira vez ali mesmo, à entrada da ZdB. E quando parecia que «More Of This» se preparava para ficar de fora do alinhamento, eis que, já mesmo perto do final, se começou a ouvir “Sometimes I fear, there’s nothing I can do / To make up for my wrongs to you / Should I travel on?”. Sorrisos.

E este concerto foi daqueles que se pode considerar óptimo: teve pessoas a olhar de forma engraçada pelo vidro e, mais importante, houve duas óptimas bandas no aquário que nos deram música, no melhor dos sentidos.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This