Volver by Chakall – Couvert

Volver by Chakall

Volveremos, por supuesto!

Se ainda não conhece o restaurante argentino com assinatura do chef que dispensa apresentações, não sabe o que tem estado a perder. De carne y alma, é assim que o Volver se assume perante uma cozinha repleta de sabor e emoções fortes. Embarque nesta viagem transatlântica e delicie-se com as propostas deste espaço de inspiração sul-americana.

O nome não engana: Chakall é um dos chefs internacionais mais acarinhado pelos portugueses e a sua paixão pela cozinha do mundo, a par do turbante que faz questão de erguer, é a sua imagem de marca. Deste estilo inconfundível aliado às saudades da verdadeira comida argentina, nacionalidade do chef, nasceu o Volver by Chakall, uma ode à boa gastronomia daquele país.

Foi precisamente na Rua Luís de Freitas Branco, número 5D, no Lumiar, que morou durante muitos anos o Quinta dos Frades, projecto ao qual Chakall também emprestou o nome. Só a 14 de Fevereiro de 2013 é que o Volver abriu portas e deu uma nova vida ao espaço: «Surgiu pela necessidade de mudar um bocadinho, passámos por uma fase complicada com a Troika, com uma alteração muito grande e é daí que vem o Volver, por sugestão do Chakall. Ele é um visionário e disse-me “eu previ a crise na Argentina, vim para a Europa. Previ a crise na Europa e fui para a China”», conta Alexandra Gameiro, gerente.

Volver by Chakall - Interior

A empresária seguiu os conselhos do amigo e apostou num conceito que acredita que ganhará terreno na restauração: «A carne vai ter lugar no futuro a um nível elevado e, na minha opinião, as pessoas vão ter mais interesse em saber qual é o prazo de maturação da carne, quanto tempo é que tem, como é que é maturada, vão querer saber mais. Ou seja, essas preocupações mais biológicas e ecológicas vão estar presentes, e o preço da carne vai reflectir-se nisso», remata.

Alexandra confia a cozinha a David Page, um jovem chef que já passou por outros restaurantes bem conhecidos da capital. Foi sob a sua coordenação que no chegou um verdadeiro repasto à mesa, em que a apresentação cuidada salta à primeira vista.

Começámos com o couvert (1,50€) composto por um shot de beterraba com maçã e laranja, scones de azeitona, pão, hummus de abóbora e tapenade. Destaque para o sabor suave e a textura rica do shot. Ambas as pastas são igualmente deliciosas, evidenciando cremosidade e aromas delicados. Provámos também o daiquiri de morango (6,5€) e um gin da marca Plymouth com romã, lima e zestes de limão (8,5€), perfeitos para refrescar esta noite quente.

Volver by Chakall - Couvert

Antes de avançarmos para as entradas sugeridas por Alexandra, pousámos os talheres para apreciar uma demonstração original de tango e fado, um espectáculo temático que mistura estes dois estilos e que acontece exclusivamente no mês dos Santos Populares. A performance brilhante dos músicos e bailarinos imobilizou por completo a sala. Primeiro, num tango em que o protagonista foi Juan Capriotti, um artista carismático de mão cheia. Depois, num fado pela voz de Liliana Martinho, acompanhada por Pedro Ferreira e Tiago Silva nas guitarras. Por fim, um fado dançado bem ao jeito argentino, em que Juan Capriotti largou a concertina e agarrou-se a Graciana Romeo, bailarina. Um momento de perfeita articulação musical entre dois países tão distantes e diferentes: absolutamente mágico.

Volver by Chakall

Provámos então as entradas. Cecina (3€), um presunto de vaca fumado típico de León (Espanha) polvilhado com amêndoas torradas e guarnecido com compota de pimento grelhado. De-li-ci-o-so.

Volver by Chakall - Entrada

Seguiu-se o misto de tapas (12,50€) uma boa opção para quem gosta de petiscar um pouco de tudo: queijo brie em massa kataifi com mel, cogumelo portobello com morcela, salada de polvo, chouriço argentino com chimichurri e os clássicos pimentos padrón que, neste caso, levam lascas de amêndoa torrada.

Volver by Chakall - Tapas

Todas as tapas são magníficas, no entanto, destacamos o queijo brie, super cremoso, que contrasta perfeitamente com a massa, resultando numa explosão de texturas a cada garfada; a salada de polvo, cuja inspiração da cozinha chakalliana está bem presente com a introdução da manga e da lima a conferir simultaneamente doçura e acidez; e o chouriço, uma espécie de salsicha toscana, que se faz notar pelo sabor autêntico a carne, salpicado com o molho argentino ideal para churrascos.

Nos pratos principais, a carta divide-se em dois momentos: De carne e Y Alma. São várias as iguarias que poderíamos ter escolhido, mas aceitámos a sugestão de Alexandra e foram-nos servidos 650 gramas de um belo Chuletón de Ávila (38€). Trata-se de carne de vaca com 25 dias de maturação, um processo que permite que a peça amacie naturalmente e que também por isso ganhe um sabor rico. Este foi, sem dúvida alguma, o ponto alto deste jantar. Foi a melhor carne que alguma vez comemos: muito macia, bem selada por fora e extremamente suculenta. Um verdadeiro elogio à arte de bem cozinhar a la parrilla.

A guarnecer, mesclum de batatas doce e salgada (3€), previamente fritas e depois salteadas, e salada Volver (3€), uma mistura de alfaces com vinagrete de tangerina e broa de batata-doce desidratada.

Volver by Chakall - Prato

Sobrou pouco espaço para mais, mas não podíamos ir embora sem antes provar as sobremesas. Optámos pela torta rogel “con mucho dulce de leche” (7€) e pelo chocolove (6,5€).

A torta, que não tem o aspecto convencional, é tipicamente argentina mas foi adaptada pelo Volver e, palavra de RDB, fê-lo muito bem. Este postre é composto por muito doce de leite, como sugere a carta, empilhado sobre camadas de uma bolacha crocante com merengue italiano a rematar no topo. Está a imaginar a decadência, não está? Divinal. Os morangos ajudam a quebrar a doçura, conferindo um toque de frescura ao prato.

Volver by Chakall - Sobremesa

Não menos deliciosa é a chocolove, uma mousse de chocolate gelada cuja receita cheia de amor é da família de Alexandra. Não peca por ser excessivamente doce, é muito cremosa e perfeita para os amantes do verdadeiro chocolate. A combinação de chocolate com frutos vermelhos é uma aposta segura que nunca desilude. O céu afinal existe e estas sobremesas são prova disso.

Volver by Chakall - Sobremesa

Para acompanhar, nada melhor que um bom vinho argentino. O tinto Trapiche Roble Malbec de 2013, encorpado e aromático, mostrou ser o par ideal desta travessia marcada por sabores repletos de personalidade.

Se procura actividades gastronómicas diferentes, este é o sítio certo. O Volver promove, em parceria com a Let’s Bonus, workshops de tapas e daiquiris por 29€ por pessoa, com direito a turbante e tudo. Disponível de segunda a quarta ao jantar. Sim, poderá aprender alguns truques e brilhar no próximo jantar que der um sua casa.

Prefere não ter trabalho e simplesmente degustar a sua refeição? Experimente o Cool Taping por 20€ por pessoa, de segunda a quinta até 31 de Agosto, e delicie-se com este menu perfeito para partilhar com amigos.

Para além de óptima comida, no Volver encontra um ambiente distinto sem ser excessivamente formal. Uma equipa atenta e 100% disponível assegura que nada falha, desde os cozinheiros até aos empregados de sala, sendo a excelência do serviço um factor determinante para a envolvência que o restaurante oferece.

Não são boas razões para entrar no Volver? Alexandra Gameiro dá-lhe mais motivos: «Ninguém tropeça no Volver, eu não estou numa zona turística, nem sequer estou numa rua principal. Ou seja, quem vem cá vem à minha procura, e aquilo que eu tenho que oferecer é o melhor que sei fazer, é retribuir. Eu tenho de ter argumentos muito bons para as pessoas voltarem. Eu digo na brincadeira: “Gostam? Volvam!”», assinala. «O que eu quero é que, para além de uma boa experiência, tenham um bom momento de lazer. É maravilhoso chegar a esta hora e as pessoas estarem na conversa, é sinal que se esqueceram do tempo e estão a desfrutar», confessa orgulhosamente.

Desvendámos, assim, os ingredientes secretos do sucesso do Volver: muita paixão pela cozinha e pela matéria-prima, uma pitada de salero, requinte q.b, rigor e perfeição em doses generosas. Assim, só podemos terminar como começámos: Volveremos, por supuesto!

 

Horário de funcionamento:

Segunda a Quinta: almoços das 12:30h às 15h e jantares das 19:30h às 22:30h
Sexta e sábado 20h às 23h
Encerra ao Domingo, Sábado ao almoço e feriados.

Rua Luís de Freitas Branco – 5
1600-488 Lisboa Lumiar

 

Fotografia (dos pratos e do espectáculo) de Ricardo Freire Mateus

Fotografias de ambiente cedidas pelo Volver by Chakall

 



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This