rdb_viagemportugal_header

Viagem a Portugal

As fronteiras da denúncia.

Sérgio Tréfaut, mais conhecido pelos seus documentários — o último, “A Cidade dos Mortos”, estreou há pouco tempo —, lança-se na sua primeira longa-metragem de ficção. Para tal, repesca o tema do seu filme mais famoso, “Lisboetas”: a imigração. Se nesse documentário já existia uma denúncia da burocracia que atormenta os que vêm para o nosso país, “Viagem a Portugal”, cujo argumento é inspirado num caso real, pode considerar-se um filme-denúncia.

Não se pretende diminuir o filme, a denúncia (dos mesquinhos com algum poder), para lá de ser importante, é ancorada em interpretações vigorosas (Isabel Ruth é estupenda) e numa estrutura sólida, que recriam a claustrofobia processual que Kafka, um dia, tão bem soube retratar. Nessa vertente, “Viagem a Portugal” é profundamente eficaz, causa a revolta no espectador, pela violação do espaço privado da pessoa, que tem de se despir, que vê a mala, as prendas que traz esventradas e revistadas, que sofre as decisões mais ou menos aleatórias (caprichosas) de quem tem o “direito” de exercer esse poder sobre ela.

Os funcionários do SEF representam um povo com medo do que é diferente, do que não compreende (a língua russa), daquilo que não consegue encaixar nos seus limitados preconceitos (um negro médico casado com uma russa, tem de haver marosca). Tréfaut situa a sua história — que é narrada em Francês e falada em Português, Francês, Inglês e Russo — numa altura em que Portugal gozava de uma certa prosperidade: a Expo’98, as grandes obras públicas…. Para melhor revelar que o racismo, a xenofobia ou a homofobia não são circunstanciais (não advém de qualquer crise) e são, sim, endémicos.

“Viagem a Portugal” é filmado a preto-e-branco, tem separadores brancos e diálogos repetidos de pontos de vista diferentes. Segundo Tréfaut, é um filme experimental. Não o é especialmente, são meros enfeites, talvez, para adornar o que seria só um pungente filme-denúncia, e que o enfraquecem, por serem escusados, mas não o estragam. Apesar deles, “Viagem a Portugal” é um bom filme.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This