rdb_meninaelse_artigo

Menina Else

Morrer a Vida, Viver a Morte

A menina dança?

Sim, a “menina” – que de menina pouco tem – arrebata-nos com o rodopio de palco em que se instala durante quase duas horas de espectáculo, que estreou no passado dia 28 de Maio no Teatro da Cornucópia. A menina é Else, trazida pela grande actriz Rita Durão, que leva a palco um projecto muito seu, proposto por si e acolhido pela companhia que tem como casa e na qual se destaca há já vários anos, tendo partilhado o desafio com a encenadora e cineasta Christine Laurent. Trocas Paris-Lisboa, trabalho árduo por um enamoramento comum: o texto de Arthur Schnitzler, que pintou uma menina-mulher cheia de vida e morte num só corpo e numa só voz.

Boa noite linda menina no espelho.

Rita Durão veste-se de Else, a menina vienense de 19 anos que ecoa livre sob a pauta de monólogo interior, uma espécie de sonho acordado que revela – na sua intimidade – uma emoção estranha e boa pela riqueza e antagónica economia de discurso. Else é-nos apresentada num todo mais além do que o provável literário: ela é o seu Pensamento, os seus Diálogos e o seu Inconsciente mordaz, que a todos os outros elementos se sobrepõe. O que ouve, o que diz, o que pensa e o que se solta do inconsciente desagradável, são as linhas com que se cose aquele corpo e alma deamulantes pelo palco. Entre o sonho e a realidade, a indistinção da pessoa e do estado refletem um quebra-cabeças textual sob o qual o autor trabalhou uma gestão de diferentes linguagens, reforçando a heroína em tom, ritmo e expressividade.

O ar está divinal como champagne.

Na flor da sua juventude, a adolescente é rodeada do perfume inebriante da alta sociedade vienense do princípio do século XX, à qual torce o nariz e aponta sem medos os enganos e jogos que nela se tecem. Else joga ténis, é educada e desagradável – graças a Deus -, insolente e precipitada nas associações livres que nos deixam entre a perturbação e o sorriso. A força com que se mostra sem pudor, contorna bem a revolta e desassossego em que se consome ao ter de se sujeitar à condição de “vender-se” para ajudar o pai nobre, mas falido, em risco de prisão. Uma prisão assombrada de morte, que leva Else contorce-se entre desejos revoltos e sentimentos que a aceleram em compulsão e alucínio, precipitando-a para a sua própria desmesura, descontrolo e queda. Quer ser devassa, quer ser provocadora, quer dar-se. Oferecer-se talvez, ser corrupta sim… mas prostituta não, sobre aquela ou nenhuma outra condição a que o velho Dorsday a impõe. Num ensaio quase existencialista, espreitamos a franqueza e a dúvida da menina alma de mulher, que não se compara a nenhuma outra.

Vir ao mundo outra vez.

Else talvez morra de exaspero, talvez se acabe em barbitúricos num salão do hotel que percorre. Talvez. Else em nós deixou-nos a pulsar de vida e deslumbre, que procurámos oferecer-vos com passatempos para assistirem a este delicioso momento que coloca Rita Durão num merecido posto de ícone, à medida da obra, personagem e seu autor, tão bem abraçados logo ali, no Bairro Alto. A sua presença prolonga-se até ao dia 21 de Junho e sem dúvida que merece outra visita. E outra. Com um até logo.



Também poderás gostar


Existem 4 comentários

Add yours
  1. rumlopes

    Assisti à peça com a minha esposam que adorou, e foi por causa dela que me interessei por teatro.
    No dia em que assisti, levei comigo mais dois amigos que apesar de o forte deles ser mais o teatro de revista, também gostaram muito da peça.
    A atriz esteve 5 estrelas, mais de duas horas de representação em que cativou, meteu pena, compaixão, um misto de emoções, com um final surpreendente e cada um imagina o que se passará depois.
    Um misto de possibilidades e vale muito a pena ver, não percam, saíam de casa e assitam a esta peça, ficaram arrependidos se não forem ver… isto na minha modesta opinião.

  2. Catihenri

    Vim do Algarve para uma mini férias culturais em Lisboa. Não estava nada à espera de ganhar os bilhetes. A família gosta toda de ir ao Teatro, mas estávamos apreensivos por ser um monólogo. Nada como novas experiências! Então lá fui eu e o meu irmão.
    Digo-vos sinceramente, uma semana depois ainda dou por mim a pensar cenas da peça, e a reflectir sobre a história. Superou as minhas expectativas, uma interpretação como mais de duas horas sozinha em palco com um cenário reduzido e meia dúzia de adereços, foi brilhante a interpretação da actriz.
    Aproveitem para ir ver!

  3. Pascoa

    A Rita Durão transporta-nos até à elegante sociedade vienense de um tempo que já passou. E conduz-nos ao longo dos pensamentos, sentimentos cruzados e dilemas morais de uma tal Menina Else. Pensamentos e dilemas esses, que são de ontem, de hoje e de sempre. Que são da natureza humana e portanto de todos nós.
    Um bem haja à Rua de Baixo, por nos aproximar da Beleza!

  4. Artur Leão

    A peça Menina Else é apresentada como um conto que se debruça sobre as pulsões e compulsões da alma humana.e traduz literariamente uma visão freudiana, convidando o público a assistir como voyeur ao stream-of-consciousness da protagonista. A roçar o delírio de forma crescente, o sonho e lamentação de uma jovem aristocrata de dezanove anos, e da qual depende a sua família à beira da ruína, revelam um subjectivismo macerado pela sua turbulência sentimental através de um longo monólogo que decorre num cenário mínimo e onde os acontecimentos externos são reduzidos ao máximo, deambulando por diversos discursos interiores e exteriores ao ser confrontada com o desejo de perversidade e a crua realidade do seu exercício. Com um final arrebatador e nunca sabendo se impulsivo ou premeditado, é uma obra melancólica e densa com sabor a subjugação sexual interpretada brilhamente por Rita Durão e que aconselho a quem goste muito de teatro. Duas horas que vale a pena dispensar!


Post a new comment

Pin It on Pinterest

Share This