Mais uma vez …

Festival Heineken Paredes de Coura.

Numa época em que Portugal se vê massivamente invadido por festivais, acreditamos que a escolha só pode seguir uma direcção: a da qualidade!

Paredes de Coura, a realizar entre 14 e 17 de Agosto, brinda-nos com um cartaz principal bem planeado; um leque de actividades paralelas que ameaça tornar-se num segundo festival; uma população acolhedora que participa da festa e um belíssimo cenário natural capaz de fazer cortar a respiração. Só ele nos pode obrigar a parar, ouvir o silêncio e usufruir, em êxtase, das ímpares sensações que a música consegue proporcionar.

Adivinhações à parte, se a edição 2006 do Festival Heineken Paredes de Coura for tão boa quanto a do ano passado… estamos em rota de colisão com um grande festival. Um cartaz diversificado que deambula entre nomes consagrados da música como Morrissey, Bauhaus ou The Cramps, e bandas mais recentes, que o público português anseia ver, como Bloc Party, Fischerspooner ou We Are Scientists.

Porque cada dia de festa só termina quando o último corpo cai no chão de cansaço o palco After Hours (que conta, entre outros, com os portugueses X-Wife e DJ Kitten e os controversos Selfish Cunt), mantém o ritmo até que a música clássica dite a alvorada.

Paredes de Coura tem, provavelmente, das mais diversificadas e apetecíveis actividades paralelas de todos os festivais que se realizam em Portugal… Senão, tomem nota. De manhã (para quem conseguir), o despertar junto ao parque de campismo do festival é feito ao som de “Pedaços de Música Clássica”. Segue-se o Yoga no Palco Rugby, uma grande área relvada, ladeada por árvores e refrescada pelo Rio Coura que corre ali mesmo ao lado. Por esta altura já teve início, no Centro Cultural Paredes de Coura, o ciclo de cinema “Stop Making Sense”, da responsabilidade do IMAGO.

Depois de apreciar as especialidades gastronómicas e o bom vinho da região, regressa-se ao Palco Rugby. O Jazz na Relva com Zé Eduardo Unit, 4walls e Insert Coin, é a grande atracção da tarde ao qual se junta, pela primeira vez, “A tarde é um objecto cardíaco”. Um fantástico e surpreendente momento de leitura proporcionado por Isaque Ferreira, A. Pedro Ribeiro e Adolfo Luxúria Canibal. Promete…

E como um ciclo que se completa, e queremos que se repita uma vez mais, desce-se ao incrível anfiteatro natural que serve de plateia aos concertos da noite e a festa continua.
Vão concordar comigo, este ano o difícil vai ser arranjar tempo para dormir.

QUANDO, ONDE, COMO e O QUÊ?

Paredes de Coura acolhe  um dos melhores festivais de música que se realiza em Portugal. O Festival Heineken Paredes de Coura assenta arraiais na Praia Fluvial do Tabuão, mas a festa estende-se a toda a vila. O palco Heineken Paredes de Coura e o After Hours partilham o recinto do festival de entrada exclusiva através de bilhete. É ali que decorrem os concertos a partir das 18 horas. No palco Rugby, situado numa bonita área relvada com árvores frondosas na margem do rio Coura, repetem-se os finais de tarde com o Jazz na Relva, mas estreia-se o despertar ao som de “Pedaços de Música Clássica”, o “Yoga” matinal, as leituras ao início da tarde em “A tarde é um objecto cardíaco”, com a marca da Objecto Cardíaco. Durante todo o dia a IMAGO promove o ciclo de cinema “Stop Making Sense” no Centro Cultural Paredes de Coura.

Como entrar

Os bilhetes para o festival podem ser comprados nos dias do evento em Paredes de Coura ou no site oficial. Para os 4 dias de festival o bilhete custa 70€, com campismo gratuito, diariamente a entrada no recinto custa 40€. Atenção, as actividades paralelas, como o jazz, as leituras, o yoga, o cinema e os banhos no rio são gratuitos.

Como chegar

Carro, comboio ou autocarro? É escolher o  meio de transporte, e partir. Se a opção é o carro, encham-no de amigos, a festa fica mais divertida, poupa-se dinheiro e o meio ambiente agradece. Vindo na A3 pelo Porto ou por Valença, a saída é Paredes de Coura e seguindo pela EN303 chega-se directamente ao festival.

De comboio a viagem pode fazer-se através de alfa pendular ou intercidades até ao Porto e daí em comboio regional até Valença do Minho. Durante os dias do festival haverá ligação (sempre que se justificar) de autocarro da estação de comboios até ao festival. Os horários dos comboios podem ser consultados em www.cp.pt.

A empresa de transporte rodoviário que serve Paredes de Coura é a AVIC que tem saídas a partir de Lisboa, Porto e Viana do Castelo. Mais informação em www.avic.pt.

Onde ficar

O parque de campismo à beira do rio Coura é um clássico. As casas de banho, as comidas e as zonas de lavagem de roupa e loiça estão garantidas e, segundo a organização, melhoradas com um espaço para guardar com segurança alguns haveres. Depois resta o alojamento mais convencional sujeito a reserva com alguma antecedência.

O Programa

Dia 14 – Festa de Recepção
Palco After Hours – 22h00
Warren Suicide
Miguel Quintão
Optimo Espacio
Corsage
Bandex

Palco Ruby – Jazz na relva
Workshop de iniciação ao jazz por Zé Eduardo

Centro Cultural Paredes de Coura – “STOP MAKING SENSE”
15.00-17.00h – “Coachella: The Movie” (2006)

Dia 15 – DIA 1
Palco Heineken Paredes de Coura – 18h00
Morrissey
Fischerspooner
Broken Social Scene
White Rose Movement
Madrugada
Gomez

Palco After Hours – 02h00
X-Wife
Digitalism

Palco Ruby
– Yoga Matinal
– Jazz na relva com Zé Eduardo Unit
– “A tarde é um objecto cardíaco”, leituras por Isaque Ferreira e A. Pedro Ribeiro

Centro Cultural Paredes de Coura – “STOP MAKING SENSE”
11.00h-13.00h Gemstones Crackin (2005);
Zoom – FIB Documental (2005);
The Divine Comedy’s Mysterious World (2006)
15.00h-17.00h “Stop Making Sense” (1984)

Dia 16 – DIA 2
Palco Heineken Paredes de Coura – 18h00
Bloc Party
Yeah Yeah Yeahs
Gang Of Four
Eagles of Death Metal
We Are Scientists
Members of The Public

Palco After Hours – 02h00
Panico
Dj Kitten

Palco Ruby
– Yoga Matinal
– Jazz na relva com 4walls
– “A tarde é um objecto cardíaco”, leituras por Isaque Ferreira e A. Pedro Ribeiro

Centro Cultural Paredes de Coura – “STOP MAKING SENSE”
11.00h-13.00h Made in Sheffield (2005)
15.00h-17.00h Moog (2005)

Dia 17 – DIA 3
Palco Heineken Paredes de Coura – 18h00
Bauhaus
The Cramps
!!! (chk chk chk)
Maduros
Shout Out Louds
CatPeople

Palco After Hours – 02h00
Selfish Cunt
Justice

Palco Ruby
– Yoga Matinal
– Jazz na relva com Insert Coin
– “A tarde é um objecto cardíaco”, leituras por Adolfo Luxúria Canibal e Isaque Ferreira

Centro Cultural Paredes de Coura – “STOP MAKING SENSE”
11.00h-13.00h Standing in the Shadows of Motown (2002)
15.00h-17.00h Between the Devil and the Wide Blue Sea (2005)

OS DESTAQUES RDB

O que escolher, o que destacar, o que nos apetece ver mais que tudo o resto? Ora aí está uma tarefa difícil. Quero ser surpreendida pela novidade, cantar em uníssono até me doer a garganta, dançar até não conseguir mais e ao assentar os pés na terra deixar-me contagiar pela doce melancolia de uma voz familiar que parece sussurrar ao meu ouvido: esta música também é tua.

Morrissey

Quem se consegue ouvir em “repeat”, sem cansar? Quem se quer ver, uma vez mais, ao vivo? Morrissey! Diz a imprensa especializada que, aquele que será para sempre conhecido como líder dos Smiths,  está de bem com a vida e o seu último álbum é uma testemunha disso mesmo. Morrissey chegou mesmo a dizer que o seu último álbum, “Ringleader of the Tormentors”, não é uma continuação de “You Are The Quarry”. Muito pelo contrário, rompe completamente com o passado. Não sabemos o que o músico britânico nos reserva para Paredes de Coura. Mas temos a certeza que se Morrissey contagiar a Praia Fluvial do Tabuão com o carisma a que nos habituou e, por outro lado, se se deixar contaminar pelo ambiente singular que paira por terras do Minho teremos, sem dúvida, um concerto memorável.

Bloc Party

Influenciados por Joy Division, Sonic Youth e Pixies, apadrinhados pelos Franz Ferdinand, nomeados para o Mercury Music Prize, em Inglaterra, bem cotados pela crítica e muito requisitados nos palcos europeu e americano, os Bloc Party são uma das bandas mais esperadas em Paredes de Coura. Comparações à parte, o que importa reter é a qualidade do trabalho apresentado pelos Bloc Party. Primeiro através das suas energéticas apresentações ao vivo e depois com o álbum de estreia “Silent Alarm” gerador de vários sucessos.

O quarteto britânico não perde tempo e juntamente com o produtor dos U2, Jacknife Lee, encontra-se a preparar o novo álbum onde se misturam batidas de R&B, cordas e caixas de ritmos. Espera-se ansiosamente que, para além dos temas já conhecidos, os Bloc Party ofereçam ao público de Paredes de Coura um pouco do seu futuro musical.

We Are Scientists

De Nova Iorque chegam os We Are Scientists para obrigar toda a gente a pular furiosamente na audiência. Ainda que a banda esteja junta desde 2000, já muitos concertos tenham sido dados e algumas edições de autor feitas, a verdade é que o álbum de estreia, “With Love and Squalor”, foi lançado apenas este ano. Apesar de tardio, ou talvez por isso mesmo, o sucesso foi estrondoso em todo o mundo musical e o público português não fugiu à regra.

Electrizante é o mínimo que se pode dizer do ritmo que os We Are Scientists transpiram, especialmente em palco. Rótulos à parte, rock n’ roll ou dance-punk, a verdade é que a música viciante deste trio nova-iorquino vai arrasar com Paredes de Coura.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This