4 de Maio | Lux Curated by Carl Craig

Carl Craig não precisa que argumentemos a seu favor. É um dos Maiores, um dos Mestres. Figura de proa da cena musical de Detroit, Craig tem vindo ao longo dos anos a diluir as fronteiras entre géneros, combinando techno, house, soul, jazz, música clássica, instrumentos electrónicos e convencionais, presente e passado. Tem olhar atento e toque de Midas e é um dos Herois Intocáveis da cena de dança. O Lux pediu-lhe para ditar as regras por uma noite. Ele escolheu os convidados a dedo e desenhou um line up espantoso que conjuga o techno de várias formas e em vários tempos. Do dub narcótico, ao electro speedado, do minimal ao deep house, com uma imensidão de possibilidades intermédias. Uma noite para soltar o corpo físico e abrir os horizontes da mente.

MARK ERNESTUS + TIKIMAN (live) Ver Mark Ernestus e Paul St Hilaire em palco é, só por si, um acontecimento para a vida. Mark Ernestus, metade da dupla de produção Basic Channel, patrão da editora Rhythm and Sound e da loja de discos e distribuidora Hard Wax, músico, produtor e genericamente melómano, tem sido, desde início dos anos 90, um dos estetas e estrategas a ditar as linhas de cruzamento entre techno e música do mundo, particularmente musica jamaicana. O Dominicano Paul St Hilaire (que, por questões legais, teve que abandonar o nick Tikiman) é um velho companheiro de Ernestus e um dos nomes centrais da cena digidub propagada pela Rhythm and Sound, tendo trabalhado recentemente com Modeselektor e Moderat. É um guitarrista dotado mas é sobretudo conhecido pela voz magnífica, melancólica e suave quase sempre, mas capaz de momentos tonitruantes que ressoam da cabeça aos pés. Ernestus e St Hilaire vão dar-nos o que precisamos: musica para ouvir bem alto e sentirmos em todas as células do corpo o fabuloso poder do dub e do techno.

SHERARD INGRAM/UrBAN TRIBE Sherard Ingram é Dj Stringray, Mystic Tribe A.I. e Urban Tribe. Ou seja, é uma das figuras centrais da cena mais underground de Detroit, ativo desde final dos anos 80, genuíno membro da segunda vaga techno que abalou a motorcity no final dos anos 80. Não admira por isso que Carl Craig faça questão de o trazer ao Lux. De resto, Craig, tal como Kenny Dixon Jr (Moodymann) e Anthony Shakir, 3 gigantes da cena de Detroit, dividiram com Ingram a estreia em álbum de Urban Tribe com o seminal “The Collapse Of Modern Culture” na Mo Wax (1998). Conhecido por tocar de cara tapada e por ter sido dos primeiros Djs a passar discos de electro a 45 rotações em vez de 33, Ingram lança estamina na pista de dança em sets electrofunk hiperactivos que nos transportam para outros universos a velocidade ultrassónica.

MIRKO LOCO É um dos Vagabundos da Cadenza, presença regular em Ibiza e em festas um pouco por todo o mundo. Dj e produtor suíço associado sobretudo ao techno minimal, vai buscar as linhas de base da música que faz e toca às cartilhas de Detroit e Chicago. Mirko Loko domina a arte de dominar a pista. Começou, ainda adolescente, a pôr música em clubes, fez rádio, promoveu eventos e já lançou discos por algumas das mais importantes editoras de música de dança como Planet E (de Carl Craig), Border Community (de James Holden) ou Wagon Repair (de Mathew Jonson). Está claramente entre os melhores e vai mostrar porquê no Lux.

KASPAR é o Dj e produtor português que completa a noite e também a peça que faltava para o puzzle fazer sentido. Conhecedor profundo da cena techno mas com um gosto musical abrangente, Kaspar tem sido um dos impulsionadores da cena eletrónica de dança em Portugal, não só pela música que toca nos seus sets mas também pelos discos lançados na Clone, 4 Lux e sobretudo na portuguesa Groovement, editora com que mantem uma ligação umbilical. Conhecemo-lo bem e sabemos que não falha. Nesta noite, temos a certeza que vai mostrar-nos alguma da melhor música que é possível ouvir e sentir em pista.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This