Ébano & Marfim Piano Festival

A Trem Azul Jazz Store organiza o Ébano & Marfim Piano Festival, que se realiza entre 16, 17, 18 e 19 de Dezembro, às 21h30. Um festival onde o piano é o instrumento de eleição durante 4 noites que prometem ser memoráveis na A-21 da Rua do Alecrim. Os bilhetes já se encontram à venda na Trem Azul e custam 10 euros (bilhete diário). Programação:

16 de Dez João Paulo Esteves da Silva piano solo

João Paulo Esteves da Silva é um dos pianistas maiores do jazz nacional, senão mesmo o mais completo. Com uma criatividade prodigiosa, desconstrói uma melodia – muitas vezes retirando-a do cancioneiro popular português ou do repertório tradicional sefardita – até ao nível celular, para a remontar de modos irreconhecíveis. O seu álbum “Memórias de Quem” mereceu a unanimidade dos aplausos e o dueto que gravou com o trompetista Dennis González, “Scapegrace”, foi galardoado com o prémio Autores da SPA.

17 de Dez Tollem McDonas piano solo

É californiano e vem a Portugal apresentar o conceito de “eccentriclet music”, a sua ideia pessoal das relações entre composição e improvisação, num contexto experimental. Intérprete de Debussy com Stefano Scodanibbio ou em contexto “free form” a solo com Vinny Golia, LaDonna Smith, Alex Cline, Gino Robair e Bruce Ackley, este descendente de irlandeses e cherokees tem-se distinguido pela forma como alicerça o factor experimentação nas tradições clássicas do jazz.

18 de Dez Bernardo Sassetti piano solo

Reconhecido igualmente como compositor, Bernardo Sassetti é um invulgar caso de sucesso em Portugal, com os seus discos a atingirem índices de vendas mais comuns nos domínios da pop. Antigo aluno de Horace Parlan e Sir Roland Hanna, a sua visão do jazz incorpora elementos da música erudita e o tipo de atmosferas próprio das bandas sonoras para o cinema, actividade, de resto, a que se dedica em paralelo. Os seus mais recentes títulos, “Unreal – Sidewalk Cartoon” e “Motion”, foram recebidos como autênticas pérolas de inventividade.

19 de Dez Ran Blake e Sara Serpa voz e piano

“Câmara Obscura”, o álbum em duo destes dois músicos, faz passar as canções por uma lente artística, que projecta o seu som e significado com uma surpreendente e quase mágica clareza. Em “Câmara Obscura”, uma das mais arrebatadoras gravações deste ano, Ran Blake e Sara Serpa trazem inovação e criatividade às suas interpretações de standards, clássicos do jazz e originais, dando uma nova luz a cada tema.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This