thumb_aquaparque

Entradas duplas para o concerto de Aquaparque, Holy Strays e Cankun. Sexta, 13 de Janeiro, ZDB.

Quando foi publicada na RDB a entrevista aos Aquaparque?

2 CONVITES DUPLOS PARA O CONCERTO DE AQUAPARQUE, HOLY STRAYS E CANKUN. SEXTA, 13 DE JANEIRO, ZDB.

Aquaparque:

Sexta, 13 de Janeiro às 23h

Aquaparque (Pedro Magina e André Abel) são uma banda que exige pausas, tempo, distância. Há um sentido melodramático na sua música, um excesso de expressão, uma languidez intensa. A atmosfera em que enleiam o ouvinte menos avisado embriaga e sufoca. É música pop, dirão. Dançável, sensual, ambígua, sinuosa…

E é mais do que isso, sobretudo quando a escutamos no silêncio, sem ruído de fundo. Quando estamos preparados para ela. Os sons ganham materialidade e volume, as melodias vertem uma energia seca. E a voz de Pedro Magina soa livre de outras vozes e fantasmas, como simples e forte manifestação de personalidade e estilo.

Por estas razões, regressar aos Aquaparque em disco ou ao vivo é (re)descobrir uma grande banda portuguesa que calhou viver em Lisboa e canta em português. Ouçam “Ultra Suave” ou “Para além do Bronze”: irrompem com elegância no quotidiano, como fragmentos de uma soul melancólica. As palavras projectam-se com harmonia e intensidade sobre os instrumentos. Os ritmos desenham-se numa geometria flexível, aberta à repetição e aos intervalos.

Os Aquaparque evocam coisas distintas dependendo de quem ouve – Animal Collective, Sade, pop portuguesa e britânica (temporalmente situada na década de 1980), techno, drum and bass, house. Mas as influências estão em sempre em movimento. Não é possível fixá-las. E é nesse processo que nasce a música sedutora, catártica, irresistivelmente “adolescente” do duo que o ano passado assinou “Pintura Moderna”.

A abrir a noite da banda portuguesa, vão estar dois projectos da americana Not Not Fun. Holy Strays, pseudónimo de um misterioso produtor, manipula de forma magistral linhas de baixo e batidas e faz recordar DJ Shadow circa “Entroducing”. Cankun, de Vincent Caylet, sugere outras imagens. Imaginem Sun Araw a fazer música enquanto recupera de uma overdose provocada por “Loveless”, dos My Bloody Valentine.

Entrada: €6 | Entrada livre para sócios ZDB

Regras:

– O levantamento deve ser efectuado pelo próprio vencedor, o prémio é pessoal e intransmissível
– Os vencedores são notificados por email
– Devem enviar-nos os seguintes dados do vencedor: Nome, BI e Contacto Telefónico



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This